2 de fevereiro de 2009

"Blogpuccino"

Abriu um Starbucks no Almada Fórum. Anunciado durante algum tempo, já era tema de conversa "Para quando um Latte?"
Este fim-de-semana, ao passar por lá, consegui convencer o P. a muito custo, a experimentarmos um café, um capuccino, ou outro. E digo a muito custo porque logo de início o P. se insurgiu contra os preços praticados neste estabelecimento. Entrámos e numa tentativa de não pagar um preço estúpido (para não "levar nas orelhas") pedi um café da semana (1,85€ se não me engano) e um expresso. A empregada pergunta-me o nome e eu, que até nem costumo pensar nestas coisas, quis saber porquê :"porque o nosso atendimento é personalizado" - Ok, pensei eu. A seguir e depois de pagar mais de 3€ pelas duas coisas, entrega-me um balde de café (Colômbia? Bogotá? ou da Conchichina, já não sei) e quando o P. se chega ao balcão de onde tiravam o seu Expresso, a Senhora disse-lhe: "B., o seu expresso " - não personalizemos tanto meus caros, porque o meu nome não é propriamente unisexo e por isso soou a rídiculo. Mas o pior ainda estava para vir: o meu café vindo não sei de onde, caríssimo, não era nem melhor, nem pior do que o café que faço em casa na máquina de filtro - era igual e o P. fez questão de frisar isso durante...hum...todo o tempo, além de ser bastante inferior ao meu cafezinho da Nespresso.
E depois, convenhamos, que o estabelecimento em questão apenas tem público porque estão todos desejosos de imaginar que projectam uma imagem à frente, muito NY, 5.th Avenue, especialmente quando agarram no copo e andam a passear pelo fórum a bebericar - o que não me parece nada prático. Andar na Zara, Mango ou outra, a ver roupa com um café na mão, quando, muitas vezes, nem um par de mãos me chega?? Passear no meio dos livros, que adoro abrir, ler as contracapas com um café quente na mão? Tentar por os phones disponíveis na fnac e ouvir o último album dos U2 só com uma mãozinha?? Das duas uma, ou entorno o café, ou não vejo nada de jeito, porque para trapalhona estou cá eu. Não é prático - quem me tira o meu cafezinho, sentadinha, tranquila tira-me tudo, assim como quem me obriga a ver lojas só com uma mão disponível. Por isso, senhores do Starbucks e porque eu gosto muito, mas mesmo muito de café e detesto começar um dia de trabalho sem beber pelo menos um (mas daqui para a frente só expresso - os preços dos restantes não estão consonantes com a crise que se atravessa), para a próxima abram um à porta do meu trabalho, ou perto da minha casa, longe de lojas e de supermercados e de livrarias e afins, Ok?
Claro que agora o P. já me disse que cobra por todo o cafezinho que eu bebo lá em casa - justo, parece-me muito justo!

5 comentários:

  1. :D
    concordo contigo. E os preços são de facto exorbitantes.

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Para pagar esse preço, e ainda me dar ao trabalho de andar de café na mão (o português tem com cada uma...), antes sentar-me comodamente na esplanada da Brasileira e beber um café ao preço de 1,50€. O envolvimento espacial é tão agradável que compensa o a exorbitância do mesmo. E é muito mais cosmopolita.

    Sociedade kitsch, a quanto obrigas...

    ResponderEliminar
  3. Concordo completamente Maria! Para bons apreciadores de café, nada melhor do que poder saboreá-lo comodamente!

    ResponderEliminar
  4. Sou louca pelo "Caramel Frapuccino" de lá. No verão, não há nada melhor. Geladinho ... Sou fã de Starbucks, mas concordo que é caro - aqui no Brasil, nos EUA ... e engorda, afinal é feito com mto "half n half" - que é natas. Engordei 14 kilos estuando 1 ano nos EUA e empobreci um pouquinho, rsrs, mas que é uma delícia, ahhhh, isto é! E os cookies? Hmmmm

    ResponderEliminar
  5. Só uma correcção. Não disse que era igual ao lá de casa. O de lá de casa é bem melhor... P

    ResponderEliminar

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins