9 de março de 2009

Erros...

Delirei com a notícia dos erros (e que erros!) do magalhães, esse computadorzinho integrado no programa e-escolinha e distribuído pelos nossos futuros médicos, professores e afins.
Segundo o correio da manhã: A tradução para português do programa educativo GCompris foi feita por um emigrante português em França, que tem a 4ª classe. Ao ‘Expresso’, José Jorge disse que 'ninguém até hoje' reviu a versão que criou. 'O problema da tradução é que nenhum português de Portugal se dedicou a ela', disse.
???????? 4.ª CLASSE? Mas toda a gente sabe que grande parte dos nossos licenciados mal sabe falar e escrever em condições; Quais os critérios de selecção deste senhor - um emigrande português em França? Seria primo do Sócrates? Só pode... E ninguém reviu? Como é possível? Estou indignada e não sei se hei-e rir ou chorar...
ALGUNS ERROS DO MAGALHÃES

Gravar-lo
Continuar-lo
Dirije
Copía
Acabas-te
Attentamente
Encontra-las
Encontras-te
Contar-los
Caêm
Contéem
Fês
Um disco de cada vês
Historia
Sitio
Agua
Básicamente
Fácilmente
Á direita
Saír
Puxando-las

FALHA HUMANA
A empresa responsável pelo software associado à aplicação de um jogo instalado nos computadores ‘Magalhães’ atribuiu a “falha humana” os erros de português. “Parte da tradução não foi validada”, esclareceu a empresa Caixa Mágica.

Falha humana, pois claro que foi falha humana, do humano que permitiu que o Magalhães fosse disponibilizado sem ninguém rever...do humano que permitiu que o único responsável pela sua tradução fosse um emigrante com a 4.ª classe...dos humanos que nos governam...ou desgovernam...

Como diz o P, ainda corremos o risco destes erros serem assimilados pela geração do magalhães e qualquer dia estamos todos a dizer: Vou continuar-lo já de seguida, mas básicamente de cada vês que gravar-los se torna díficil deves contar-los nóvamente... - sei que não faz grande sentido, mas é só para exemplificar. Isto faz-me tanta comichão como as pessoas que se dizem professoras por aí e depois escrevem "à algum tempo atrás" - Godddddddddd

Nota: Há um comentador que diz: O magalhães não é português, é socratês... - está explicado!

13 comentários:

  1. E com isto eu fico a pensar... Eu, outrora bancária no maior banco português fui "dispensada" pelos "grandes" porque era uma empregada que só tinha o 12º em economia, mas os colegas da minha agência, gerentes e sub-gerentes sentiram a minha falta porque eu realmente desempenhava bem o meu serviço... mas pronto.. como não tenho um canudo na mão não sirvo para nada -.-'

    ResponderEliminar
  2. Pois é Burzum - infelizmente esse é um grande problema hoje em dia, em que se valoriza mais o canudo do que a competência...

    ResponderEliminar
  3. Desconhecia a parte do tradutor com a 4ª classe... Certamente familiar do Sócrates (esse que se diz Engenheiro e que faz cadeiras ao domingo). Muitos dos erros - pelo que verifiquei - fazem parte da linguística dos emigrantes que nos visitam no Verão. E levanto a pergunta: com tanta gente que sabe escrever, porquê um emigrante, hum? Resultado da globalização? Ou resultado de um teste científico do género "Eu não sei mais que uma criança de dez anos"?
    Mas sim... Muita gente por aí se diz "professor" e nem sabe conjugar o verbo haver: só-cretinos :D!

    ;)

    P.S.: Burzum, ter-se um canudo ou não neste inculto país não serve de nada - andam para aí a enganar as pessoas com umas "Novas Oportunidades" só para números de estatística, carne para canhão. Eu ando a "coleccioná-los" e nem por isso deixo de ser "dispensada". Queres melhor exemplo de um "oportunista" que o nosso Primeiro?

    ResponderEliminar
  4. :)
    Curiosamente eu trabalho numa escola secundária que tem o Centro novas oportunidades. O meu trabalho é entrevistar todas as pessoas que não tenham terminado o 9.º ou o 12.º ano de escolaridade, determinar o seu perfil e competências (o que é um processo que demora cerca de um mês e compreende várias etapas) e encaminhá-las para a oferta mais adequada ao seu perfil, motivações, competências e experiência profissional e formativa. Ao contrário do que muita gente pensa,este é o grosso do trabalho num centro - ajudar pessoas a reencontar o seu percurso educativo/formativo, para que possam fazer frente às exigências do mercado de trabalho. Uma das ofertas de um centro destes é um processo de reconhecimento, validação e certificação daquilo que são as experiências de vida de uma pessoa - experiências essas que podem ser variadas, mas que têm que ser ricas em termos de competências à luz de um referencial do 9.º ou 12.º ano que é extremamente exigente. Não é dado certificado a ninguém- as pessoas têm que demonstrar que o merecem, que sabem, que têm competências. O problema é que há muitas entidades que, pressionadas pelos números exigidos pelo Ministério da educação, tendem a desvirtuar o processo, facilitá-lo e permitir o acesso a toda e qualquer pessoa com mais de 18 anos. Está errado. Não há certificados que se mereçam por si só. Neste centro, o trabalho feito com os adultos é rigoroso, lento e exigente. E o que acontece? Temos o ME à perna a exigir que certifiquemos mais, porque certificámos pouco. Ainda não nos deixamos pressionar...mas quantos não deixam? Não damos certificados em 3 meses - teria vergonha de trabalhar num sítio assim. O problema é quando o centro vizinho o faz...Grande parte das pessoas que vêm à escola, são encaminhadas para cursos de educação e formação que duram até 3 anos. Muitos deles dão até certificação profissional. Para terminar, este processo é feito à luz de modelos europeus que já o fazem há anos (desde os anos 80)e, fezlimente, não pertence a este governo - está a funcionar desde 1999. Ufa....terminei!

    ResponderEliminar
  5. Esta não pude deixar passar. Tanta conversa por causa dos erros e "despois" dá-se um destes... :)
    P

    ResponderEliminar
  6. Querido P - nunca te distraíste a escrever? nunca te enganaste? queres ver... :P ai ai

    ResponderEliminar
  7. Ó BÊ!! Não batam mais no raio do magalhães ....

    Mas sim, eu percebo isso tudo, tambem ando a tirar o 12ª á noite em horario nocturno, é cansativo, é aborreciso por vezes mas é muito gratificante ver que a força de vontade é algo muito forte.
    Não por mim que sou um Puto :) mas pelas pessoas que teem familia e se disponibilizam para estar na escola das 20h as 23h, é duro sim....

    Agora isso do magalhães, é mais um caso a juntar a uma lista imensa....


    Beijo


    Fênix

    ResponderEliminar
  8. É verdade Fénix. Há muitas pessoas que se disponibilizam, depois de um dia de trabalho, para poderem alcançar esta meta nas suas vidas.
    Em relação ao Magalhães, apenas acho absurdo uma ferramenta, supostamente didáctica, sair com erros - estes erros! Diria mais - inadmissível!

    ResponderEliminar
  9. Desculpa - Fênix - enganei-me, opssss

    ResponderEliminar
  10. Sei que existem pessoas que se esforçam, e tenho um caso bem perto, de um irmão meu. Agora como bem se sabe - e como foi bem referido pela Bê - o que interessa ao ME são as estatísticas, para mostrar à CE que Portugal é um país da linha da frente... Quando se sabe que tal não é verdade. Vivemos na era do facilitismo, porque para o Governo o que interessam são os números, as qualificações são para "inglês ver". São as "Novas Oportunidades" e Bolonha: dei couro e cabelo numa licenciatura de 5 anos e agora poderia tê-la em 3. E com 5 agora são todos mestres, enquanto que eu passei os meus últimos dois anos na demanda esforçada pelo "título".
    Posso estar a ser extremista... Mas para mim Portugal continua e continuará a ser um país de "analfabetos": querem-se mudanças de mentalidade e não apenas escolaridade.

    ;)

    ResponderEliminar
  11. Podemos até ir mais longe Maria: ainda hoje entrevistei um senhor cujo filho, com 8 anos, tem claramente dificuldades de aprendizagem e que na escola, apenas não passou por insistência do pai que não viu qualquer evolução no filho, muito pelo contrário. Aqui há meses entrevistei uma rapariga com a quarta classe mas que não sabia ler, nem escrever e mal compreendia as minhas questões e chegou à quarta classe como? Parece que, ao abrigo de um determinado decreto, todos passam - mesmo que não saibam ler!Os nossos pais e avós, apanhavam é certo (e não concordo com isso óbvio), mas ao menos aprendiam. E também eu me revolto com Bolonha, porque também sou do tempo dos 5 anos. Sou "apenas" licenciada...enfim, enquanto formos governados com preocupações estatísticas, não sairemos do "rabo" da europa, para não dizer pior...

    ResponderEliminar
  12. Mesmo à Sócrates! :)
    Parabéns pelo blog!

    ResponderEliminar
  13. Contratar um senhor que vive em França desde os 10 anos e apenas tem a 4ª classe.
    Fantástico.
    Cunhas? No shit sherlock...

    ResponderEliminar

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins