21 de abril de 2009

Nem tudo está mal...

Hoje tive que ir às finanças. E o que eu gosto de ir às finanças é à segurança social e afins. Tudo começou mal, muito mal, porque antes de me dirigir ao serviço, telefonei para colocar uma questão e a senhora que me atendeu, entre "hum", "oh" e "pois..." não me soube responder e deixou-me exactamente na mesma. Depois disto, prevejo logo uma longa espera, num lugar sujo, escuro, no qual os odores a bafio, a papel velho e a axila mal lavada se confundem. Um lugar onde ainda abundam as pastas de tons castanhos em pilhas e mais pilhas e os mobiliários e as cadeiras são de 1973 e acusam o desgaste do tempo. Ia preparadinha para me chatear, para rodar a baiana e até ameaçar descalçar o chinelo, de dedo espetado, caso fosse necessário (brincadeira, que eu, nestas coisas, sou muito educada e não gosto de cenas. Mostro a minha cara n.º 31 e uso um ou dois argumentos fortes e estonteantes, pois claro). Ia preparada para pedir o livro amarelo e aproveitar a situação para chamar uns quantos nomes ao senhor primeiro-ministro, que diz que é engenheiro de qualquer coisa. Ia preparada para apanhar uma trombuda qualquer, com um penteado perdido algures nos anos 80 e roupa a condizer, com ar enfadado e mais preocupada em manter uma acesa conversa com as colegas sobre novelas, ou famosos, ou algo do género, do que em cumprir o seu papel, isto é, atender-me e que ainda olha para mim como se tivesse vindo em má hora.
Ia com todos os comprovativos de isenção do IMI até 2012 e duas notificações (uma para mim e outra para o P.) em como tínhamos que pagar, ainda este mês, 140 € cada um, de algo de que estávamos isentos. Algo que para mim é incompreensível e portanto, razão suficiente para eu ir aborrecida.
Pois que eu tenho um problema - posso até querer ser antipática, mas não consigo, sobretudo, se do lado de lá está um senhor, prestável, que não me deixou esperar nada, que me pediu imensas desculpas pelo sucedido (wtf - eu sou do tempo em que eles ainda olhavam para nós como se fossemos culpados de algo), explicou-me o funcionamento do sistema informático e mostrou-me que se tratava de um problema do mesmo, que não está ainda aperfeiçoado e que apagou o diferimento da nossa isenção. Em 5 minutos preenchi apenas um papel, o problema ficou resolvido e ainda fiquei isenta até 2014.
E saí satisfeita e sorridente por saber que há pessoas competentes a trabalhar na minha nova repartição de finanças! Upa upa!

14 comentários:

  1. nem tudo é mau... existem sim sr.ª pessoas simpáticas e muito prestáveis...

    ResponderEliminar
  2. Por acaso os funcionários das finanaças surpreenderam-me pela positiva. Desde que comecei a trabalhar que tenho de tratar de mtos assuntos lá, e smp apanhei pessoas competentes, prestáveis e solícitas, umas mais simpáticas que outras, como é normal. Mas nunca me deixaram ficar mal.

    Tb n gosto nada de ir às finanças, mas eu tenho uma vantagenzinha...basta apresentar a minha cédula profissional e passo à frente de toda a gente :D...mas só faço isso se estiver mm com mta pressa, pk dps sinto-me mal em deixar pessoas p trás que já lá estão há horas lol.

    ResponderEliminar
  3. Dexter - emprestas-me essa cédula=passe livre da próxima vez que lá for??
    @me@@ - está a melhorar, menos mal ;)

    ResponderEliminar
  4. Ainda ha funcionários competentes... mas acho que estão em vias de extinção...

    ResponderEliminar
  5. Se conseguires arranjar maneira de ficares parecida com a foto que lá está é com todo o gosto LOL!

    ResponderEliminar
  6. Não sei Dexter...olha para a minha foto - achas possível?
    Izzy_Mel - obrigada pela visita!

    ResponderEliminar
  7. Dou-me por tão feliz por ainda não ter de ir a sitio nenhum desses, nem pagar impostos, nem nenhuma coisinha burocrática. A coisa mais burocrática que tenho de fazer tds os anos é... sei lá, matricular-me na faculdade :P

    Ainda bem que tiveste sorte, pelo que ouço dizer, foi um achado esse senhor :)

    ResponderEliminar
  8. Bem... Antes de se questionar a competência, acho que se deve equacionar o sentimento tão português do "está tudo mal". Porque o português nunca está contente com o que tem nem com nada, e para cúmulo dos cúmulos, é comodista q.b. para nada mudar.
    Post's como este são bem-vindos, no sentido em que mostram que existe alguma competência - profissionalismo e simpatia nunca fizeram mal a ninguém. No entanto são ilhas num panorama que se vislumbra mau, dada a preguiça - e não o pessimismo, como defendem alguns - portuguesa.
    As Finanças e a Saúde são excelentes exemplos...

    ;)

    ResponderEliminar
  9. Bêzinha, onde é mesmo a Repartição?

    =D

    ResponderEliminar
  10. Ainda bem que é possivel encontrar pessoas competentes paras exercer as suas funções! Principalmente nesse genero de sectores! lol

    Beijinho

    ResponderEliminar
  11. Cat - nem imaginas as chatices que se vivem em determinados serviços...
    Maria - concordo plenamente que o português está sempre insatisfeito. E de facto as áreas das finanças e saúde são as que mais sofrem fragilidades - ainda ontem, no centro de saúde, as coisas não me correram assim tão bem, mas preferi ficar-me pela experiência positiva!
    *B* - numa cidade junto ao mar ;)
    No Meu Mundo Mágico - é mesmo, porque são sítios onde normalmente vamos resolver coisas já de si chatas, por isso, encontrarmos pessoas competentes é uma forma mais simpática de lidarmos com a situação.
    Dexter - também me pareceu ;)

    ResponderEliminar
  12. coisas chatas mas q tem d ser fazer. e desta vez com 'final feliz' :)

    ResponderEliminar
  13. epa, pessoal competente e disposto a ajudar, a trabalhar nas finanças? Andamos a evoluir... upa upa

    ResponderEliminar

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins