27 de abril de 2009

Saudades tuas...

Tenho muitas saudades da pequena aldeia, no Baixo Alentejo que, em parte, me viu crescer. A aldeia onde passei tantos e tantos Verões e quase todas as minhas férias escolares até aos meus 16 anos. A aldeia onde cheguei mesmo a viver, durante o divórcio dos meus pais. Tenho saudades tuas, que, farias ontem 78 anos e que tantas e tantas vezes me amparaste nos teus braços. Tenho saudades da tua figura alta e forte, dos traços de mulher bonita que, para sempre ficaram. Dos teus olhos azuis e profundos. Da forma como me protegias e de como me passaste tantos ensinamentos. Tenho saudades da casa grande, de altas abóbadas e repleta de história da nossa família. Do quintal cheio de gatos, cães, coelhos, pássaros, árvores de fruto e plantas que faziam as minhas delícias. Do sótão, com cheiro a antigo, onde depositavam resquícios do passado: fotografias, roupas antigas, sapatos, livros e onde havia uma vista linda pela seara alentejana. Da braseira, no Inverno, sentando-nos todos à volta da camilha para ver televisão ou simplesmente conversar. Tenho saudades de quando me mostravas todas as fotografias antigas e me deixavas fascinada com a beleza das mesmas e com a história por de trás de cada uma delas. Lembro-me do amor com que falavas do avô, esse amor impossível pelo qual os dois lutaram. Lembro-me de, quando depois de ele partir, me deitava contigo e ficava a noite toda a ouvir-te respirar, com receio que também tu partisses, com a força do desgosto que eu sabia que te dilacerava por dentro.
Tenho saudades do sabor do pão acabado de fazer, do sumo feito com as laranjas do quintal, das noites perdidas ao luar, sentadas na porta de alguém, onde ouvia, deliciada, todas as histórias de meninice de cada uma das pessoas. Tenho saudades do cheiro a vela, nas tardes e noites de Inverno, quando trovejava e a luz faltava. Tenho saudades dos cheiros que nunca mais esqueci, dos sabores da minha infância, da casa na qual nunca mais consegui entrar, porque me lembra demasiado de ti…porque quero recordá-la com o teu cheiro doce, com o teu toque delicado, com o amor que depositavas em cada canto e em cada objecto. Tenho saudades das festas na aldeia, do cheiro a algodão doce, da alegria que se vivia intensamente nesses dias, em que parecia que a aldeia tinha acordado para o mundo. E mesmo das festas religiosas, onde tudo era feito com rigor e tradição. Tenho saudades de quando cozinhavas na grande cozinha e usavas a mesa branca de mármore para moldar a massa e me deixavas ajudar. Tenho saudades do teu sorriso e dos teus abraços. Tenho saudades de quando, paciente, me ensinavas alguns segredos da natureza, como o conseguir estar tranquila no meio de abelhas ou a tratar de um canteiro de poejos.
Tenho saudades tuas…muitas, porque não ficaste comigo, para viver ao meu lado, tantas coisas boas que me aconteceram. Sonho contigo com muita frequência e nos meus sonhos abraço-te sempre com muita força e digo o que não tive oportunidade de te dizer, pela forma repentina como me foste tirada: gosto tanto tanto de ti....

36 comentários:

  1. há pesssoas que nos ficam mesmo marcadas para sempre e que gostariamos que ficassem igualmente connosco nesse "para sempre"...mas como tal nao é possivel, resta-nos recordar com carinho e saudade as coisas boas que esse alguem deixou em nós...

    beijinho

    ResponderEliminar
  2. Muito bonito!
    A sério, fiquei mesmo à beirinha das lágrimas...
    Felizmente, tens muito boas recordações da tua Avó!

    ResponderEliminar
  3. Pois é,esta Saudade que fica para sempre connosco,também eu perdi a minha avó á pouco mais de dois anos e embora a dor da perda vá aos poucos diminuindo,a saudade,essa vai aumentado todos os dias,e em cada momento bom penso, que bom se estivesses aqui...
    Beijinhos
    Boa semana
    Rute

    ResponderEliminar
  4. Que texto bonito...De certeza que a tua Avó recebeu este beijinho*

    ResponderEliminar
  5. É muito bonito que tenhas uma imagem tão viva e ao mesmo tempo tão bela da tua avó. Os meus pais também se divorciaram e de seguida emigraram, pelo que desde mto cedo smp vivi com os meus avós, e smp fui mto próximo deles, tanto dos maternos, como dos paternos. Felizmente ainda os tenho a todos, mas quando forem desaparecendo (porque é a lei da vida) sei que tb desaparecerá um pedaço de mim.

    Texto muito bonito mesmo :)

    ResponderEliminar
  6. Saudade, essa palavra que corre em nós, como o sangue que calcorreia nosso corpo, num vai e vem alvoraçado. É bom conseguir recordar o passado com tanto detalhe, como tu o fizeste. Mas também doí sentir que o passado já lá vai e que dificilmente voltaremos a viver e sentir o que passou. Mas olha, ainda que a tua avó, que tanto amavas, tenha "partido", tu sabes e sentes que ela não te abandonou e que te consegue ouvir e ver, esteja onde estiver ;)Só assim se consegue superar a perda física dos que amamos!

    ResponderEliminar
  7. Tão lindo! Sempre ouvi falar muito da tua avó apesar de nunca a ter conhecido... Grande mulher sem dúvida! E porque recordar é manter para sempre vivos os nossos entes queridos...

    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  8. A todos, obrigada pelas palavras. Este é um assunto do qual não me é fácil falar, porque me toca e muito, mas resolvi escrever, porque a minha avó foi alguém que me marcou muito e que vai viver sempre na minha memória. Quis a vida que me fosse tirada demasiado cedo, mas, a verdade, é que sinto que está algures a olhar por mim...

    ResponderEliminar
  9. Sabes que não acredito na "outra vida", mas acredito que continuam a viver dentro de cada pessoa que as amava. E tenho a certeza que essa parte dela que vive dentro de ti, é muito importante para que sejas assim... linda!!! Adoro-te!

    ResponderEliminar
  10. Querido P. - a verdade é que ela contribuiu e muito para a pessoa que sou hoje :)
    (sabes que eu tb te adoro!)

    ResponderEliminar
  11. E agora? Fizeste-me chorar...
    Fiquei sem mãe quando tinha 7 anos, mas tive 2 avós maravilhosas.
    São as duas muito diferentes e eu amo-as de igual modo, mas com a minha avó materna, tenho um laço muito forte.
    Para mim ela é uma fonte de inspiração, dá-me força e em momentos dificeis soube sempre levantar-me a cabeça e fazer-me sorrir.
    Ás vezes fico triste de pensar que vou ficar sem ela, porque a vida é mesmo assim, mas sei que tudo o que ela representa para mim nunca desaparecerá.

    ResponderEliminar
  12. Que texto lindo! Deu para sentir cada uma das tuas palavras, imaginar os cheiros e a casa, sentir a tua nostalgia ao escrever isto..infelizmente, não podemos ter quem mais gostamos para sempre connosco mas podemos pelo menos relembrar..e sorrir com as memórias! Bjs*

    ResponderEliminar
  13. A tua avó sabe! Eles sabem sempre mesmo que por vezes as palavras não tenham sido ditas. Sabem apenas pelo olhar! ;)

    ResponderEliminar
  14. O meu avô se fosse vivo tinha feito dia 21 deste mês, 99 anos! Também tenho saudades...

    ResponderEliminar
  15. Tão lindo :´) que descrição magnífica!
    Encontrei por acaso o teu blog, e para ficar a ouvir até ao fim a tua 1ª música tive de ir lendo qq coisita ;) e gostei!
    Saudações psicológicas, colega! :)**

    P.S. Sia tb faz parte do meu mundo de sonhos!

    ResponderEliminar
  16. Uma linda dedicatória não hajam dúvidas. A tua avó iria adorar saber deste texto teu... Eu também tenho muitas saudades de pessoas que me foram tiradas e me eram próximas. A saudade dói...

    **

    ResponderEliminar
  17. Um beijinho no coração da tua avó, esteja ela onde estiver.
    Kitty

    ResponderEliminar
  18. Pó de arroz - a minha avó para mim, foi uma segunda mãe. Deve ser o que sentes pelas tuas avós :) - aproveita bem todos os momentos com elas!
    Ana Moreira - é algo que faço com muita frequência, especialmente nos momentos mais importantes da minha vida, os quais gostava de partilhar com ela.
    Sofizita - também quero acreditar que sim :)
    Inwhitelight - sabes então o que sinto. Eu já perdi os meus dois avôs e a minha avó materna....e há uma dor que não passa nunca...a saudade fica, mas também fica a memória dos momentos vividos.
    Dity - ainda bem que gostaste da música :). Obrigada pela visita!
    Burzum- eu sei que sim...:)
    Kitty - obrigada pelas palavras

    ResponderEliminar
  19. :)




    Nota: é um bom comentário, não é?

    ResponderEliminar
  20. Bê é preciso ter mesmo saudades para estar assim inspirada :)

    beautiful!!

    ResponderEliminar
  21. Minha querida, foi impossível conter as lágrimas... O teu texto lembrou-me imenso a minha avó que faz hoje um mês, a esta hora estava estava deitada num caixão... na igreja...connosco em volta...
    Eu tive a sorte de poder dar o abraço, dizer Adeus e acima de tudo Gosto de ti e Muito Obrigada!
    beijos e muita força para ti...

    ResponderEliminar
  22. Aprendiz - obrigada pelo comentário.
    Mimo - foi escrito com o coração. A minha avó foi e será sempre, alguém muito importante para mim.
    O Meu olhar - agora foi o teu comentário que me emocionou. Muita muita força para ti, porque eu sei o que estes momentos são, a forma como nos marcam e como a saudade fica...para sempre. Beijo grande deste lado do cantinho.

    ResponderEliminar
  23. Querida...acabei de ler seu lindo e maravilhoso poema com muitas lágrimas em meus olhos... que doce saudades...um abraço !!! visite meu blog ficarei feliz !!

    ResponderEliminar
  24. Bê agora fizeste com que ficasse arrepiada.. lembra-me a minha avó Maria que também se foi. A nossa infancia é tão bonita.. que saudades desse tempo em que o tempo corria devagar, em que as estações vinham na altura certa, que as portas de casa se podiam deixar destrancadas, das mãos marcadas pela tarefa do campo, da broa acabada de fazer e das conversas na soleira da porta sentada debaixo da sombra de uma "ramada" em pleno "querido mês de Agosto"..
    Escreves muito bem Bê, gostei imenso :)*

    ResponderEliminar
  25. Há pessoas que nos marcam tanto :)
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  26. Lindo B, fizeste-me chorar e lembrar a minha infância tão parecida com a tua....
    ao ler isto vlembrei-me de tanta coisa boa e da qual tenho saudades querida.
    beijinhos e força

    ResponderEliminar
  27. Perdi a minha há uns anos... Sofro tanto agora como naquele dia...

    Nunca passa...

    Amei este post!

    Beijinho, Bê

    ResponderEliminar
  28. Só conheci a minha avó paterna... E este texto levou-me até ela, porque em tudo ela tinha essas qualidades. Sempre me disseram que tudo dela herdei: os traços físicos, o nome, a determinação. Talvez para que a memória dela perdure no tempo.

    Somos habitáculos de memórias... E enquanto as mantivermos vivas, as pessoas vivem connosco. Mais perto que nunca - no coração.

    ;)

    ResponderEliminar
  29. Revi-me em tantas partes do teu texto como se estivesse a ler algo que fosse meu acreditas… até o Alentejo mas no meu caso é o alto =)
    nem sei muito o que dizer apenas que mexeu comigo e com os meus sentimentos, este assunto deixa-me sempre melancólica e com imensas saudades …muitas mesmo..

    Gostei mesmo muito do que escreveste


    Bjinhos********

    ResponderEliminar
  30. E depois sou bombardeada pelas vossas palavras maravilhosas e pelo vosso carinho e sinto-me feliz por ter este cantinho e por vos ter a vocês como parte dele...Porque é bom poder desabafar o que vai na alma...

    ResponderEliminar
  31. Bom, ou estou terrivelmente lamenchas hoje, ou não sei. Talvéz por identificar-me em tantas palavras com o que dizes; porque a minha também partiu cedo, e repentinamente; e pq também ela me fez e me faz tanta falta. Foi uma das Mulheres mais fortes que conheci, e esvaiu-se, assim... Fiquei c a lágrima no olho; e n foi quase, foi mesmo. Um beijinho Bê

    ResponderEliminar
  32. CF - fica o conforto de termos tido a felicidade de podermos ter pessoas maravilhosas e que nos marcam à nossa volta...

    ResponderEliminar
  33. Fiquei mesmo com as lágrimas nos olhos. Aconteceu-me uma situação parecida agora, há pouco tempo. Conseguiste mesmo despertar boas recordações :)

    ResponderEliminar

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins