16 de maio de 2009

Relações

O difícil não é começar uma relação. Difícil difícil é manter uma relação. E mantermo-nos felizes, fazendo a outra pessoa feliz também.
A mim assusta-me a possibilidade (e a realidade) de as pessoas se acomodarem ao que têm, esquecendo-se que devem investir diariamente no sentimento em si, no amor. Não basta partilhar uma casa, uma vida, um cinema, uns quantos jantares fora e, por vezes, umas férias. Há que mostrar, nos olhares, nos sorrisos e nos pequenos gestos do dia-a-dia (ou num post it amarelo, no espelho da casa-de-banho, como faço, uma vez que, de manhã nem nos cruzamos), que o amor está lá, bem presente e que faz parte de nós. Claro que há discussões, fases menos boas, momentos em que, mesmo acompanhados, nos sentimos completamente sozinhos, como se ninguém no mundo, nem a pessoa que melhor nos conhece, compreendesse os nossos problemas. Mas quando o amor está lá, é possível dar a volta. E também isso se pode tornar difícil: perceber se ainda é amor, se há paixão, ou se já só resta amizade, carinho...ou nem isso. E é por isso que me assusta o comodismo, assusta-me que muitas pessoas optem por manter algo que está morto à partida, que desistam de ser felizes.
Sou uma pessoa observadora e gosto de analisar comportamentos. Por vezes, nos restaurantes ou cafés, observo casais que passam uma refeição inteira sem trocarem uma palavra, um sorriso, um gesto de carinho. Não dão as mãos, não têm o que conversar. Mas algo os leva a estar ali juntos...Assusta-me pensar que um dia me possa acontecer. Porque pode, sejamos realistas, pode acontecer a qualquer um de nós.
Sei que hoje sou feliz, sei que faço feliz a pessoa que está comigo, sei também que tenho uma relação que não é perfeita (isso existe?), mas em que somos perfeitos um para o outro. Sou aquela que invisto, que demonstro o que sinto, que ponho sentimento em cada palavra, em cada olhar. E espero continuar a ser, porque difícil difícil é manter...Espero um dia olhar para nós e ver um casal de idosos que passeiam nas ruas de mãos dadas...com um sorriso nos lábios e com o mesmo sentimento nas palavras que são partilhadas.

22 comentários:

  1. Como te compreendo. O pior de tudo é quando nos tomam como certas e não fazem mais nada para manter a chama, para se assegurarem de que estamos felizes e que o amor continua lá. Falo por experiência própria, foram 6 longos anos que terminaram...com muita pena mas dos quais guardo muito boas recordações. Há que haver comuniçação, respeito, confiança...e regar a "plantinha" do amor todos os dias ;)

    ResponderEliminar
  2. Num mundo onde impera a imagem, é cada vez mais difícil encontrar uma pessoa que se predisponha a isso... A lutar até ao fim. Falo por experiência própria. Banaliza-se a palavra amor, e até o próprio sentimento em si... Quando, na maior parte das vezes, tudo não passa de desejo. Um assunto para, um dia destes, esmifrar num post :)

    ;)

    ResponderEliminar
  3. Querida Bê,
    Isso, creio eu, é que esperamos sempre que amamos e somos amados, que a relação dure, dure muito - como Duracell ;)
    Mas penso que também é necessário encontrar uma pessoa que nos ame verdadeiramente e que amemos de igual modo, senão à 1ª contrariedade desmorona-se tudo.

    Grande beijinho

    ResponderEliminar
  4. Não gosto de comentar um post para dizer "Concordo com tudo o que dizes", mas, neste caso, é mesmo o que quero dizer. Também sou muito observadora e também me assusta transformar-me num elemento de um desses casais amorfos e com um ar enjoado.

    ResponderEliminar
  5. Antes de mais, deixa-me dizer-te que o teu texto esá muito bonito.
    Depois, que espero realmente que sejas esse casal de velhinhos, tu e o teu homem :)

    E também espero o mesmo para mim, adoro conversar com o B., e todos aqueles mimos e paixão que existe. Também espero conseguir manter!

    ResponderEliminar
  6. Os meus Avós estão juntos há 56 anos e nota-se o amor entre eles... Dão as mãos e tudo...

    Desejo ter isso...

    Desejo a ti também, Bê...

    =)

    ResponderEliminar
  7. Sakura - concordo. as pessoas tomam-se como certas de deixam "andar" - o que acaba por ser muito mal a médio longo prazo. Regar a plantinha foi exactamente a expressão que me passou pela cabeça enquanto escrevia isso mesmo.

    maria - parece-me um bom tema para esmifrar num post, a forma como banalizamos as palavras, até perderem o sentido.

    Metade da Laranja - é isso mesmo. E se não nos sentimos amadas, porquê continuar numa relação que não nos pode fazer feliz...

    Rita - :D agora fiquei com um sorriso, porque acabei de ler o teu comentário a um outro post meu. E podes (e deves) vir sempre discordar!Sim, de facto é assustador e triste a forma como o mundo está cheio de casais assim...


    Shopie - é maravilhoso conseguirmos manter a chama acesa, não é fácil, mas não é impossível! E espero que sintas o mesmo eternamente!POrque é sinal que és feliz na tua relação.

    *B* - em relação aos meus pais não posso dizer isso, mas em relação aos meus avós sim, quer maternos, quer paternos. Foram duas histórias de amor profundo e muito bonito, que eu espero repetir e que tu repitas também!

    ResponderEliminar
  8. O amor vai sofrendo várias metamorfoses ao longo da relação. Quando existe, realmente, amor entre as partes, as manifestações entre o casal vão alterando consoante a cumplicidade e a partilha construídas. Baste que um dos dois deixe de dar, de ser, de fazer, de estar....para que o "encanto" desvaneça. E isto não quer dizer que o amor tenha terminado, por vezes o comodismo e as falsas certezas é que nos atraiçoam!

    ResponderEliminar
  9. Concordo com tudo o que escreveste, infelizmente acho que as pessoas têm pouca disponibilidade para o tal investimento que falaste. Tenho muita pena que assim seja...

    ResponderEliminar
  10. querida Bê, sonho um amor desses para mim também. quem não sonha? temos sempre medo que a relação caia na monotonia, no marasmo... e nao pode ser so um a lutar para que isso nao aconteça. têm de ser os dois...

    beijinho, mais um lindo texto :)

    ResponderEliminar
  11. Que textxo tão bonito, Bê (como aliás, me habituaste!). Eu concordo contigo. O amor tem de se alimentar todos os dias. Com gestos, com palavras, com atitudes. Só assim é possivel manter o sentimento. O amor cultiva-se, o amor dá trabalho e é tão bom. Por isso é que, para mim, não existe "o amor à primeira vista". Então uma coisa que é preciso fazer crescer todos os dias, ali só, de repente, num olhar, num segundo? Naaaa...!

    Beijinho e bom fim-de-semana :) *

    ResponderEliminar
  12. o beijinho de boa noite é fundamental, por mais noites que já tenham passado ;)
    Agora que não é fácil não é...

    ResponderEliminar
  13. so tenho a dizer: gostei do que li! E não é preciso mais palavras ;)

    ResponderEliminar
  14. gostei muito do post! Confesso que me angustiava um pouco o facto de me ficar assustada com o que descreves, não suporto o comodismo!Mas afinal não sou a única
    sinto-me e estou bem na minha relação senão não dariamos o passo seguinte no próximo ano! Mas não consigo deixar de me preocupar com o facto de deixarmos as coisas se acomodarem, penso que o facto de me preocupar com isso á é meio caminho andado para evitar cair nesse tipo de situações!
    Tal como dizes, as relações fazem sentido para mim nos moldes que também descreves, baseadas no amor, confiança, respeito e povoada de pequenos gestos, esté é para mim o grande segredo! Não é oferecer um carro pelo o aniversário, mas sim o sorriso que se oferece de manhão, uma flor junto à nossa chávena do leite, lol
    Acho que já me estiquei no comentário!


    Beijinhos

    ResponderEliminar
  15. pois .. infelizmente tb conheço muita gente que prefere o comodismo do que procurar a sua verdadeira felicidade... n percebo, n entendo, mas sei que isso só pode partir delas, caso contrário não vale muito a pena...
    bjs

    ResponderEliminar
  16. Podia ter sido eu a escrever isto...podia mesmo.

    Beijinho.

    ResponderEliminar
  17. A relação nunca é perfeita porque ainda somos imperfeitos. Quando queremos, nos esforçamos e conseguimos dobrar nossos instintos egoístas. Temos que lutar e QUERER lutar contra o animal não racional que existe em nosso interior.
    Só dá certo quando ambas as partes tem a VONTADE de lutar pela manutenção do amor. Bê, também observo muito isso. Acho lindo casais idosos de mãos dadas, principalmente quando não estão a passear. No dia-a-dia mesmo. Claro que quero isto para mim também e, me pergunto como vou de Manutenção do Amor. Sinto que preciso melhorar. Sei muito a teoria e talvez até criticar outros. Mas eu, o artista principal de minha vida tem que se policiar. Foi muito bom ler os escritos da PSICÓLOGA amiga. Deu-me um "cutucão" para melhorar. Obrigado pelo singelo toque e seja muito feliz na aplicação de seus ditos. Beijocas especiais. Manoel Eduardo - Brasil.

    ResponderEliminar
  18. Já dei por mim a pensar nisso muitas vezes... Tenho amigas nessa situação... estão juntos por habituação... Também me custa pensar que pode acontecer comigo... Espero que não
    Jinhus

    ResponderEliminar
  19. A verdade é que há muitas pessoas que se acomodam e já não sabem muito bem o que sentem. Acho nisso tão assustador, quanto triste. POrque as pessoas não se permitem ser felizes...

    ResponderEliminar
  20. Não podia concordar mais..o difícil é mesmo manter a relação, o amor, o carinho, a partilha, todo aquele sentimento comum..há que manter o interesse, e mais do que tudo, o amor :) Bjs

    ResponderEliminar
  21. Eu gostava de ser como os meus avós, que são casados há 55 anos e revelam um amor e um carinho um pelo outro que eu até me pergunto como é isso possível passados tantos!

    ResponderEliminar

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins