24 de setembro de 2009

Maus conselhos...

Durante as minhas férias e como sempre faço quando o tempo é passado na praia, comprei algumas revistas, daquelas bem femininas, com dicas de moda, de beleza, testes parvos (para os quais não tenho qualquer paciência) e novidades culturais, entre outros, para me actualizar e passar o tempo sem pensar em coisas sérias. Numa das minhas leituras, ainda distraída entre os mergulhos divertidos do P., um sol maravilhoso e uma praia calma, típica de Setembro, dei comigo a ler um artigo, no qual sobressaía a foto de um rapazinho de corpo bem-feito a tomar banho. Embrenhei-me na leitura, sem dar qualquer atenção ao título, certa de que viriam aí algumas dicas de sedução (não que eu precise, mas informação desta nunca é demais) mas, quando dei por mim, estava prestes a ser bombardeada com truques, dicas, conselhos de autêntica espionagem relacional, daquela que mete investigação passional no telemóvel, nas facturas de almoços e compras, na conta do banco, no computador, nos bolsos dos casacos e das calças e mesmo, pasmem-se, nos boxers deles (!!), etc, etc, etc, sem se ser apanhado – cada subtítulo, cada dica.
Nesse momento, atirei com a revista para o lado, incrédula e cheia de pontos de interrogação na minha cabeça. A minha grande dúvida prendeu-se com a ideia de que estas revistas tinham como objectivo dar dicas para que as mulheres, no geral, se sintam mais confiantes, saibam tirar partido de si mesmas, conheçam novos truques e mesmo que identifiquem alguns sinais de que uma relação pode não estar bem (nenhum deles envolvendo o CSI do coração), entre outros milhentos objectivos, mais ou menos relevantes. Ora um artigo desta natureza vai contra tudo o que referi na frase anterior. Serve para minar a cabeça de uma mulher, colocar dúvidas na sua cabeça e mesmo estragar a sua relação. E não, não vou aqui fazer juízos de valor sobre quem usa estes “truques”, sobre quem controla, porque cada um sabe de si, cada um tem a sua história e os seus fundamentos (ou não). Já conheci muitas pessoas que o faziam, a maioria das vezes sem qualquer razão, apenas porque sim, inclusive eu, já fui “investigada” numa relação passada. Não o faço. Acho feio. Acho que é uma grande invasão da privacidade do outro e acredito que existem sinais bem mais óbvios de que uma relação não está bem, do que a conta de um almoço num restaurante, ou uma mensagem aparentemente suspeita. Acredito na força do diálogo, nos sinais emocionais que se transmitem nos momentos do dia-a-dia. Se algum dia o farei? Adorava poder dizer que não, mas a verdade é que não sei. Espero nunca chegar a esse ponto, espero nunca ter razões para o fazer…mas, se tal acontecer, espero ter a capacidade de conseguir sempre resolver tudo através do poder da palavra.

19 comentários:

  1. Olá *BÊ* zinha.

    Mais um fantástico post que nos deixa a pensar. Tens muita razão no que dizes em relação a esses truques de nos tornarmos umas CSI, em busca de nem sei bem o que! Também não gosto nada e até acho uma enorme falta de consideração pelas mulheres, julgam essas revistas/jornalistas, que as mulheres não tem mais nada de útil para fazer do que ver facturas, bolsos, telemoveis e que? boxers? vai lá vai, ao que chegamos.
    E o pior de tudo é que muitas vezes é mesmo como tu dizes, só serve mesmo para criar macaquinhos nas nossas cabecinhas.
    Acredito como tu, que existem outros sinais, mas acima de tudo acredito que hoje em dia só estamos ao lado de alguém porque amamos e porque queremos.

    Um bom dia de trabalho e excelente fim de semana, *BÊ*zinha

    ResponderEliminar
  2. Tens toda a razão, e eu acredito que se há contas de almoço, mensagens suspeitas ou seja o que for, é porque a relação já não está bem, e isso nota-se, digo eu!
    Sei as passwords dos mails do meu namorado, geralmente sou eu que ando com o telemovel dele na mala e não sinto a minima necessidade de ir ver o que lá há!
    Talvez um dia, mas espero que não!

    ResponderEliminar
  3. Bê,

    maus conselhos mesmo.É um facto que todos nós, em algum momento da vida, já tivemos uma desconfiançazinha e até poderemos ter chegado perto de fazer algo menos nobre, acontece a todos. Mas daí a criar-se um manual sobre (não como apanhar o/a companheiro/a em infracção) mas sim, levar-nos à loucura e à falta de vida própria, é um exagero. Um exagero, mas que convenhamos, vende... E, quando assim é, escreve-se tudo.

    Beijos!

    ResponderEliminar
  4. Uma relação a dois deve pautar-se sempre pela sinceridade. Esse tipo de artigos que referiste só servem para minar uma relação. As coisas até podem estar bem, mas ao ler essas coisas pode dar-se o caso de começarmos a ver suspeições em tudo o que o outro diz/faz, mesmo que não haja motivos para tal. Quando assim é, corre-se o sério risco de degradar seriamente a relação e, onde não havia nada, passa a haver qualquer coisa. É mau.

    Beijitos,
    Nuno.

    ResponderEliminar
  5. Essas revistas, de assuntos superfulos, são elaboradas para esse tipo de pessoas, superfulas. Pessoas que não têm confiança nelas muito menos nos outros. Por isso quem as compra não pode depois ficar admirada com a maneira como os temas são abordados. Não achas?

    ResponderEliminar
  6. Brown Eyes, percebo o que dizes, mas não me considero supérflua e comprei a dita revista, apenas para me distrair e ver algumas dicas de moda. O que é certo é que os assuntos abordados, são, muitas vezes de bradar aos céus! :D

    ResponderEliminar
  7. Também concordo contigo. A desconfiança não abona nada em favor de uma relação.

    ResponderEliminar
  8. Concordo Bê uma relação deve-se acima de tudo basear na confiança e na sinceridade, para mim isto é a base para uma relação dar certo. Quando as desconfianças começam é porque alguma coisa já falhou… mas não devemos andar à procura de nada… se tivermos que saber alguma coisa iremos saber mais cedo ou mais tarde… e isso só faz mal às moleirinhas =)

    Bjinho grande e bom fim-de-semana***

    ResponderEliminar
  9. Confiança, respeito, amizade... Bases de uma relação. Quase como uma cadeira de três pernas. É mais estável que outra qualquer e sem uma dessas pernas, cai.


    Beijinho, minha Bê*

    ResponderEliminar
  10. Essas revistas apresentam cada vez mais artigos que eu considero um pouco "agressivos" sobre truques e dicas nas relações e não só... um bocadinho exagerados!

    BJS*

    ResponderEliminar
  11. Enfim, quem faz isso tipo de coisas entra numa espiral de destruição da relação e da pessoa. Esses comportamentos fazem muito mal. Sempre digo que a base de uma relação será, para além do amor, a confiança.
    KissKiss

    ResponderEliminar
  12. essas revistas são assustadoras mesmo. tb as compro no verão, a parte da moda, beleza e coiso e tal é agradável em tempo de férias... mas esses artigos fazem-me questionar como é possível haver assinaturas mensais das ditas...

    tb eu acredito e pratico o dom da palavra... se um dia isso acabar acho muito mau sinal.
    beijocas!

    ResponderEliminar

  13. passei por um carro com publicidade a isto:
    http://www.lojadabe.com/

    conhecias?
    lol

    ResponderEliminar
  14. tens um miminho em forma de abraco no nosso cantinho!!


    um beijinho muito grande

    charlotte

    ResponderEliminar
  15. toda a razao Bê, eu acho que uma relaçao so é possivel com confiança. diria que é tao importante como o amor. tambem espero nunca cair em 'obcessoes' como essa... beijinho :)

    ResponderEliminar
  16. Ai Bêzinha, tu por acaso serás minha soul sister? concordo plenamente!! em grau, em género e em número!

    ResponderEliminar
  17. Detesto essas coisas...
    Isso só serve para fomentar a insegurança e trabar guerras desmedidas!

    ResponderEliminar
  18. Querida, só para dizer que recusei o teu cometário sem querer... :(

    Oh God.

    Desculpa.

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins