5 de setembro de 2009

Prazos de validade

Nas relações, assustam-me os prazos de validade atribuídos a cada uma das suas fases. 6 meses é quanto dura a paixão, diz-me uma grande amiga, psicóloga clínica, que bebe tudo quanto são estudos e teorias dos amores e desamores. 7 anos é o tempo médio de uma relação de qualidade, tempo após o qual os sinais de desgaste surgem e normalmente o casal entra em crise, dizem…(não sei se os especialistas, ou se é a voz do senso-comum).
E eu pergunto-me: como podemos dar um prazo de validade ao amor, à paixão, ao desejo? Nas emoções humanas tudo e nada vale. Não há regras. Cada um é única e simplesmente igual a si próprio: com os seus desejos, as suas angústias, as suas fantasias, as suas frustrações, a sua forma de amar, ou de não amar. Pelo menos é essa a minha crença e a minha esperança.
Perto de festejar os sete anos de namoro (e, pouco depois, 7 anos de coabitação), quase que dou por mim a procurar sinais que indiquem que estamos em crise. Quase, porque não acredito nisso. Não posso acreditar, não enquanto me levanto de manhã, feliz pela pessoa que tenho ao meu lado e quando passo o dia inteiro a fazer planos para programas a dois, a ansiar pelo fim-de-semana, ou por tempo para nós. Não, enquanto sei e sinto que, do outro lado, se passa a mesma coisa. Não, quando dou connosco, a fazer planos para o futuro. Claro que temos pequenas crises, pequenas discussões, fases mais complicadas na nossa relação em que podemos até por em causa algumas coisas. Mas isso faz parte. Porque além da relação, há todas as condicionantes que pesam no dia-a-dia da mesma, como o stress no trabalho, o cansaço físico e emocional, problemas com a família, desmotivação no trabalho and so on...E isso tem impacto na relação, porque, normalmente, os que nos são mais próximos são os que levam com as nossas frustrações e mau-feitio.
Acredito no amor para sempre, assim como acredito na força apaixonante das relações fugazes e puramente físicas. Acredito também em relações de amor forte e intenso, mas que pode não ser eterno. Acredito que não é possível viver sempre em harmonia e que há sempre obstáculos a ultrapassar na vida a dois. Não acredito em contos de fadas nem em relações perfeitas, mas sim que há pessoas perfeitas uma para a outra. Por isso mesmo, não acredito em timings nos assuntos do coração, acredito sim e sei que as coisas devem durar enquanto nos fazem bem, enquanto nos fazem felizes e enquanto nos fazem querer ser pessoas melhores.

Crise dos 7 anos? Não me parece. Não reconheço os sinais na minha relação…Sou feliz ;)

23 comentários:

  1. Também estou perto de fazer os 7 anos e apesar de uma ou outra chatice de vez em quando, coisa que acho perfeitamente normal, também ainda não consigo ver o fim, nem os sinais do fim.

    BJS*

    ResponderEliminar
  2. Qual desgaste qual quê?!? :x
    Agora que já os conhecemos de ginjeira... agora que já se fizeram as adaptações, os ajustes, as concessões e yada yada yada... é que a coisa fica desgastada?!?
    No way!

    nah nah nah nah

    *great timing o teu post* :p

    E btw... tu nunca me vais apanhar porque eu vou estar sempre á frente. =|

    eh eh eh

    ResponderEliminar
  3. enfim... diz-se tanta coisa! mas o que importa é amar no dia-a-dia...e assim tudo avança lindamente! digo eu! que tnho uma realção de anos e meio! mas que lhe vejo um grande futuro! mas no entanto já tive uma relação de 6 anos que mandei para o espaço... antes que me visse doida e com a vida a passo de caranguejo!Coisas da vida! Tudo por boas causas... hije ou mais completa e mais Feliz! LOL


    * beijocas

    ResponderEliminar
  4. Sempre que passo por aqui, sinto uma lufada de ar fresco... Seja em que contexto for :)
    Acredito na capacidade de amar e ser amado - uma das qualidades que nos lembra da nossa peculiar humanidade, assim como todas as outras características menos boas. Como disse uma vez, há que procurar um equilíbrio entre as partes... Que eu sinto que é possível.
    O meu cisne anda por aí, a "bater as asas"... É só uma questão de eu as "bater" também. O segredo de qualquer relação está no movimento harmónico, no mesmo sentido.

    I'm a believer :)

    ;)

    ResponderEliminar
  5. Olá Bê
    Sou casada á 11 anos e faço no próximo ano 20 anos de namoro,e não sinto nem nunca senti a crise no meu casamento,discussões, chatices sim,mas quem não as têm??
    E ainda somos apaixonados,ainda trocamos "aquele"olhar,e o meu coração ainda bate mais depressa,quando ele me sussurra ao ouvido que me ama...a nossa cumplicidade cada vez é maior,eu não sei viver sem ele,nem ele sem mim.
    Não acredito portanto nessas teorias...
    Beijinhos e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  6. Eu acredito que as relações podem resultar desde que ambos trabalhem para isso, tudo se supera, apenas a maioria não está para fazer esforços. Tu melhor que ninguém tens todas as "ferramentas" para que a relação resulte. Basta trabalhar todos os dias mais um pouquinho e ser feliz :)

    ResponderEliminar
  7. Penso que em matéria de amor, não há teorias ou estatísticas que digam tudo. É de tal forma complexo esse sentimento que delimitá-lo em tempo, é apenas ridículo!

    Gostei do texto...
    Abraço

    ResponderEliminar
  8. Acho que essas datas não podem ser assim tão generalizáveis. Cada relação é única..!

    ResponderEliminar
  9. Pois ai se assusta.
    Eu até acredito nalgumas dessas teorias (secalhar foram feitos estudos e chegaram á conclusão que nessas datas(1,7,11,19 e por ai fora), é quando os casais se queixam que existe mais distanciamento entre o casal.
    Nem de prepósito, fizeste este post para eu te dizer, que amanhã comemoro 23 anos de casada e tivemos algumas crises (oh se tivemos), que penso serem normais numa relação a dois, mas continuamos a acreditar que ainda vale a pena, que ainda nos amamos muito, que ainda temos muito para aprender e muito para fazer, enquanto marido e mulher.

    Exista respeito, compreensão, partilha e muito amor, que essas "crises" só vêm demonstrar que mesmo assim vale a pena ser feliz, ao lado de quem escolhemos para casar e formar uma família.

    Mais uma vez, parabéns pelo teu excelente olhar, sobre mais um assunto pertinente.
    Adorei *BÊ*zinha

    ResponderEliminar
  10. Miss Kitty - ainda bem que assim é :)

    Ginger - é isso mesmo.. Na verdade, os anos mais difíceis, são muitas vezes, os primeiros, nos quais há uma maior necessidade de adaptação ao outro. Agora já estamos moldados/encaixados ;)

    Jojozinha - é verdade, é amor ;)

    Tixa - quando nos sentimos bem e felizes, independentemente de quantos anos tem a relação, acreditamos que é para sempre e esse sentimento é maravilhoso :)

    Maria - que bom ver-te por aqui. Adorei a comparação com os cisnes - acredito ter encontrado o meu e acredito igualmente que o teu anda por aí ;)


    Rute - obrigada pela paretilha e pelo excelente exemplo de como o amor e a paixão podem ser duradouros e felizes :)

    Sandy - nem mais- É açgo de parte a parte e que tem que ser mútuo. Se for um esforço unilateral, deixará de ter impacto...


    Paula - nem mais. No amor não há teorias apçlicadas à practica...:)obrigada pelas palavras;


    Maria - é bem verdade, cada relação é única, assim como cada pessoa;


    Rotax - que exemplo maravilhoso que és! Obrigada pela partilha e parabéns a ti e ao amo que te une ao teu marido- Que se sigam muitos e bons anos, cheios de amor e sorrisos!

    ResponderEliminar
  11. Ninguém é igual a ninguém, muito menos no toca a sentimentos, ou à medição destes! Acredito no amor, e nos seus vários estádios. Crises todos temos, faz parte do crescimento e conhecimento mutuo. Cada dia é um dia de descoberta, passem os anos que passarem. O segredo de uma relação assenta na intensidade do amor que se sente entre as partes, mas também no respeito e na vontade e empenho que se tem no cuidar esse amor.

    Tudo é para sempre, até ao dia em que termina, se tiver que terminar ;)

    ResponderEliminar
  12. Only words - concordo com o que dizes. É para sempre, enquanto tiver que ser, enquanto somos felizes ;)

    ResponderEliminar
  13. Cada vez mais acho que esses prazos são treta... "Felizes para sempre" é TÃO possível:D

    ResponderEliminar
  14. Eu sinto-me exactamente assim. Apesar dos momentos maus, é o amor que nos faz ter vontade de passar a vida toda com essa pessoa :)

    ResponderEliminar
  15. Eu tive a crise dos sete anos.
    Coincidencia ou nao... lá passou =)

    ResponderEliminar
  16. Isso é que é amor, que bom ;) concordo ctg bê* se já é dificil definir o amor de tantas formas e contextos em que é vivido, imagina generalizar e delimitar prazos!! O que importa é ser feliz e fazer feliz quem está do nosso lado...!

    gosto mt do teu blog, apesar de o seguir recentemente (gostei do que ouvi na comercial;))

    Beijinhos**

    ResponderEliminar
  17. Concordo co cada palavra do teu texto... Ninguém pode colocar um prazo de validade numa relação. O assuntos que dizem respeito ao coração são misteriosos... Lá diz o ditado: o coração tem razões que a própria razão desconhece... :-)

    A vida de um casal é um misto de alegria e pequenos desentendimentos...mas estes desentendimentos não sõ sinónimo de crise... É algo normal em 2 pessoas que partilham um vida!

    Como tu acredito em amores eternos, ao estilo de Notebook... Não acredito em principes encantados. Mas acredito que existe sempre alguém perfeito para nós...

    Bjx

    ResponderEliminar
  18. Amei este post, mas quero apenas acrescentar um sorriso à frase final!

    ;)

    ResponderEliminar
  19. Olha linda se é verdade ou nao, nao sei.. só sei que namorei 11 anos com o meu primeiro e unico namorado, casei com ele, dele tenho uma filha e ao fim de 8 anos de casados separamo-nos.. enfim...
    Verdade ou nao???Falta de capacidade para superar as tais crises?? É provavel.. quando há filhos pelo meio há que preservar a estabilidade emocional deles.. comigo foi o que aconteceu... para salvaguardar a minha filha dessas crises muito ruidosas por sinal, separei-me!!
    Bjitos
    Até já :):)

    ResponderEliminar
  20. não acredito em nada desses estudos... já lá vão 14 anos, existiram momentos menos bons é um facto, mas em nada teve a ver com os 7 anos... venham mais 14 iguais a estes e serei muito feliz!


    :-)

    ResponderEliminar

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins