30 de novembro de 2009

Pessoas bonitas #4


Com algum atraso na hora (peço desculpa, mas ainda ando a por as ideias no lugar e os neurónios a trabalhar como deve ser, centrados em coisas que realmente importam), a rubrica de hoje vai ter um contexto um pouco diferente...
A pessoa bonita desta semana é a minha querida Minie, que hoje faz a bela idade de 31 anos (pois é, mais uma doce maravilha da colheita de 78).

E porque és linda, maravilhosa, com um grande coração, inteligente, trabalhadora, doce, divertida e porque fazes parte da minha vida há tantos anos que nem vou dizer quantos porque só me lembra que estamos muito crescidas, (e que juntas já vivemos muito, já partilhámos muito, já rimos e chorámos muito) PARABÉNS minha querida - sê tão feliz quanto o mereces ser. És única e tu sabes isso.

29 de novembro de 2009

Hoje é dia de...


E hoje é dia de dar início a essa demanda que são as compras de Natal. E sabem que mais? Eu adoro...adoro escolher A Prenda para cada um daqueles que amo. Por isso, aqui vou eu, com a minha listinha, de botas rasas e muito confortáveis e cheia de vontade de comprar as prendas mais lindas de sempre, em troca de um sorriso e da felicidade de cada um dos meus. E vou ainda comprar um papel lindo que só ele e fitas de tecido, para os meus próprios embrulhos, uma das coisas que mais gosto de fazer (a propósito, não consigo entender as pessoas que ficam horas e horas numa fila interminável à espera de um embrulho, igual a tantos e tantos outros) e que se tornou uma tradição de anos, minha e do meu pai. Conto ainda fazer a árvore - já tenho tudo preparado na sala: árvore*, enfeites, estrela, luzinhas e fitas, prontas a compor a árvore mais linda de sempre. Além dos bonecos de neve, uma das minhas imagens preferidas do Natal. Então com licença e até já ;)
* Claro está que os meus gatos, felinos típicos de apartamento, ficam doidos com esta novidade - uma árvore na sala! E cheia de bolas e coisas- e competem entre si para ver que é o primeiro a deitar tudo ao chão. Já faz parte da nossa tradição!

27 de novembro de 2009

Partilha

Os leitores mais atentos e antigos do meu blog (lindos que só eles) saberão que entre final do ano passado e início deste ano tive alguns problemas de saúde que me levaram a ser operada e a viver uns dias de ansiedade mais do que justificada, enquanto aguardava os resultados de análises e biopsias e sei lá mais o quê. E viveram comigo o dia em que soube que estava bem e que era tudo benigno. Partilharam a minha alegria e alívio, assim como a lição que retirei dessa experiência, nomeadamente a forma como passei a valorizar a minha saúde. Ainda me recordo do som das lágrimas de alegria da minha mãe, enquanto partilhava com ela os resultados por telefone. Mas, em vésperas de ser operada, os mais variados receios e pensamentos negros passaram-me pela cabeça. Por isso, podem imaginar que meses depois, numa aparente consulta de rotina, tenha ficado quase em choque ao descobrir que um problema do qual eu já mal me recordava, tinha voltado e a uma escala diferente. Segue-se um período de análises, biópsias, consultas, exames e um rol de procedimentos que só de pensar me põem os cabelos em pé e os olhos em bico. Porque pode não ser nada demais, mas pode ser muita coisa. Soube de tudo no início da semana e depois de uns dias a digerir toda a informação e a ver todos os pensamentos negros a quererem voltar (enquanto eu os empurro energicamente), resolvi partilhar com aqueles que me acompanham, que me apoiam, que me lêem e que me aconselham tanto e tão bem, que neste momento estou assim um bocadinho em baixo. E escrevo um bocadinho, porque não sou de me deixar abater completamente e porque sei que tudo ficará bem. Sei sim. Sou optimista demais para me deixar levar pelas notícias inesperadas que me chegaram.
Mas não estranhem uma Bê mais ausente daqui para a frente, ou post's do mais parvo que há (sim, porque eu sou daquelas que quanto mais tristinha, mas para cima se tenta por, com parvoíces do pior). E já agora, alguém se digna a explicar ao Homem Aqui do cantinho que uma operação não tem garantia, como os electrodomésticos e os carros?? É que ele quer levar-me ao médico que me operou e dizer qualquer coisa como "isto ficou mal arranjado Dr. tem que fazer a revisão e colocar tudo como antes, ou então devolva-nos o dinheiro". Só que seria qualquer coisa como o médico ter-me mudado o óleo e o que está mal é o depósito do mesmo...Enfim, homens! (sim, eu sei que é por amor =D)
Bom fim-de-semana a todos, cheio de sorrisos.

Para o Natal, de presente...


Eu quero conseguir estar, em pleno, com: o P., pai, mãe, padrasto, irmãos, avó, sobrinho lindo, Catariska (sim, já fazes parte da família), tios e primos e com pais, irmã, tios, primos, primas e priminhas e do P.

Porque este ano está mais difícil do que nunca conseguir gerir todas as famílias e tudo o que eu queria era mesmo estar com todos - numa única, grande e feliz família! E a um mês do Natal já ando a fazer ginástica mental para saber como me dividir entre todas as casinhas, todas as paróquias e todas as cidades (sim, porque entre Lisboa e Porto, há muitos km's a percorrer), distribuir prendinhas, sorrisos e mimos até mais não...

26 de novembro de 2009

Abaixo os chico-espertos!


Às vezes sinto-me perfeitamente farta da "chico-espertice" das pessoas. Da onda do "deixa-me cá enganar mais uns quantos", das tramóias e rambóias que parecem tudo e não valem nada. Dos encostos e da falta de responsabilidade (não) assumida quando as coisas apertam e correm mal...Dos discursos longos, cuidados e dourados, sem qualquer conteúdo ou intenção. Das dissimulações mal intencionadas, que enganam os mais desatentos ou que se deixam levar pela ingenuidade e pela força do bem-falante. Que me tomem como parva e que tentem comer papinha cerelac na minha cabeça ou na cabeça dos outros. Daqueles que são os primeiros a receber os louros mas também os primeiros a fugir com o rabinho à gilhotina, quando os planos e os esquemas e as historietas saem furados, enquanto empurram todos os outros na sua direcção, sem qualquer discernimento e sentimento de culpa. Da política do desenrasca que enrasca todos os outros. Da leviandade com que muitas pessoas passam por cima de tudo e todos, em benefício próprio. Da forma como se riem de cada vez que que o fazem, espezinhando sentimentos e necessidades e quase cuspindo em cima. Farta...mas é que estou mesmo...
Porque há dias assim, em que fico menos tolerante e nada como poder escrever o que me vai na alma, em jeito de desabafo.
*Nota: mas o gatinho da imagem é de uma chico-espertice deliciosa!

25 de novembro de 2009

Nova imagem...


E depois tenho a outra mana, a M., mais do que linda e maravilhosa, que retocou a imagem* do blog, dando-lhe novas cores, novos adereços e um tom bem natalício! Amei! É talentosa, ou seu eu que sou mais do que babada?
Penso que já tinham percebido que sou eu, o P. e o Tobias ;)
* A passear por aqui até Janeiro de 2010.

Há dias assim...

Uma das vantagens de termos à nossa volta pessoas que nos conhecem e nos querem muito bem, é o facto de com base em simples gestos, palavras e olhares, elas saberem se estamos bem ou mal. A desvantagem, por vezes...é exactamente o facto de, com base em simples gestos, palavras e olhares elas saberem se estamos bem ou mal. Porque às vezes só nos apetece mesmo estar no nosso mundinho, recarregar baterias e esperar o dia seguinte, mais fortes e sorridentes. Porque não podemos sorrir todos os dias com a mesma intensidade e sentimento. Poque há dias menos bons, há dias em que as coisas não correm como nós queríamos e só nos apetece isolar do mundo. Porque há dias em que, mesmo sabendo que tudo na vida tem uma solução e que as quedas da vida, apenas nos permitem crescer e aprender, por vezes precisamos de um tempo para nós, para gritar, para chorar, para pensar. E hoje, para mim, é um desses dias.


E porque para mim é muito importante sentir que as pessoas à minha volta se preocupam comigo e que estão atentas, mas às vezes prefiro mesmo estar sossegadinha, quietinha, porque com o tempo , tudo passa.

24 de novembro de 2009

Diálogos perfeitamente parvos entre duas irmãs


Bê: Pintaste outra vez o cabelo?!*

C: Sim. O que é que achas?

Bê: Hum (momento em que vacilo entre a sinceridade e a piedade) gosto mais da tua cor natural (ai esta mania de ser sempre sincera com estes jovens de hoje em dia, que levam sempre a mal e entendem como crítica).

C: (irritada e defensiva) Eu não gosto. É cor de ...cocó. É feio.

Bê: (depois de olhar para o meu próprio cabelo e de tentar visualizar uma recordação já muito remota da cor original do cabelo da minha irmã) - Obrigadinha. É mais ou menos a cor do meu.

C: É pah, oquéquequeres? Tipo, não gosto. Tipo, fica-me mal com os meus olhos (azuis). Tipo, ao menos os teus são da mesma cor (de cocó).

Bê: Obrigadinha. É que agora fiquei mais descansada. Ao menos temos match.


Não foi bem bem isto, mas anda lá perto. E pronto, isto de conversar com as irmãs bem mais novas sobre cores e tendências tem disto - fiquei a saber que não só os meus cabelos, mas também os meus olhos têm cor de m/&$#. Desculpem...de cócó. E eu que não quero pintar o cabelo enquanto os brancos não derem notícias, que chatice!

* isto não daria direito a um post se a minha irmã não escolhesse as cores mais estranhas para o fazer - neste momento algo entre o cor-de-laranja fogo e o pôr-do-sol num dia de tempestade..- .
E se o meu cabelo e os meus olhos não tivessem cor de... cocó...

Dia 1# - parte II

E o dia de hoje não correu exactamente como gostaríamos, como queríamos...não ouvimos as palavras tão desejadas, muito pelo contrário. Há agora um longo caminho a percorrer. Se no início do ano recuperei a 200%, agora senti-me a andar para trás, mas, como sou teimosa, persistente e forte (uma chata do piorio, portanto), vou tratar já já de navegar contra a maré.

Obrigada a todos pelas palavras e pela energia positiva que se fez sentir aqui pelo Cantinho, a qual, não faz milagres, mas faz-me sorrir e sentir abraçada por todos vocês.


Dia 1#


E porque hoje é um dia muito, mas mesmo muito importante para mim e para o P. e porque acredito em todas as teorias que apostam na energia positiva e no optimismo como ponte para conseguirmos o que queremos, aqui vou eu, cheia de esperança, cheia de pensamentos positivos e cor-de-rosa e tudo, embora com os pés bem assentes na terra, como já é meu hábito - as potenciais quedas são bem menores assim. Torçam por mim, por nós...


E que daqui a uns tempos eu possa partilhar com todos vós as razões por trás deste post de hoje...

23 de novembro de 2009

Sai um bónus para mim, por favor!


Acredito verdadeiramente que merecia um prémio no meu ordenado quando estou cerca de uma hora a entrevistar alguém que, de vez em quando, limpa o nariz com o dedo indicador, por vezes imprimindo mesmo alguma fúria e atenção ao gesto, escrutinando com particular minúcia o dedo, após tão árdua tarefa, como se eu não estivesse ali. Ninguém merece! Diga-se de passagem que fiquei sem vontade de lanchar...

Se fosse uma criança, como na imagem, eu ainda aceitava, não gostava, mas aceitava...(sim, porque só não me importaria mesmo nada nada se fosse um filho meu, todos os outros desculpem lá, mas vão entregar os macaquinhos aos papás, ok?).

Felizmente esta pessoa não tentou sequer apertar-me a mão no fim da entrevista, senão nem sei como reagiria...

Pessoas Bonitas #3


Aristides de Sousa Mendes
19 de Julho de 1885 — Lisboa, 3 de Abril de 194

Cônsul de Portugal em Bordéus no ano da invasão da França pela Alemanha Nazi na Segunda Guerra Mundial, Sousa Mendes desafiou ordens expressas do seu ministro dos Negócios Estrangeiros, António de Oliveira Salazar, (cargo ocupado em acumulação com a chefia do Governo) e concedeu 30 mil vistos de entrada em Portugal a refugiados de todas as nacionalidades que desejavam fugir da França em 1940.
Aristides Sousa Mendes salvou dezenas de milhares de pessoas do Holocausto. Chamado de "o Schindler português", Sousa Mendes também teve a sua lista e salvou a vida de milhares de pessoas, das quais cerca de 10 mil judeus. (retirado da Internet).
Cliquem aqui e fiquem a conhecer a fundação Aristides de Sousa Mendes.

Entre 1930 e 1938, Aristides de Sousa Mendes foi cônsul de Portugal na Antuérpia. Licenciado em direito, foi um desobediente consciente, que, ao invés de cumprir ordens e de manter a neutralidade que marcou a postura portuguesa durante a II Guerra Mundial, optou por mostrar o seu lado humano e salvar milhares de judeus aos quais concedeu vistos que lhes permitiram fugir ao extermínio nazi, mesmo pondo em risco a sua vida e a da sua família. Nasceu aristocrata e morreu com sérias dificuldades financeiras. Foi perseguido até ao fim da sua vida, por ter seguido o seu lado humanitário. Foi ostracizado por todos, incluindo familiares e amigos e os filhos tiveram que emigrar para poderem ter uma vida digna. Mais tarde Salazar apropriou-se do seu acto salvador. Só nos ano 80, lhe foi reconhecido publicamente o gesto…muito depois da sua morte.
E porque de gestos bonitos se fazem pessoas bonitas, perante gestos grandiosos como este não há palavras que descrevam tamanha coragem e bondade, por isso fica aqui a minha singela homenagem neste Pessoas Bonitas a esse grande português.

20 de novembro de 2009

Lembrança

E porque segunda-feira é dia da rubrica Pessoas Bonitas, toca a enviar sugestões! O meu e-mail aguarda-vos.

Bom fim-de-semana, cheio de sorrisos!

18 de novembro de 2009

Que susto!

Estou sozinha em casa, enroscada em mantas na chaise longue e cheia de livros à minha volta, preparada para meter as mãos no teclado do portátil e finalizar o trabalho inicial que tenho que entregar amanhã no mestrado: tenho que escolher o tema a trabalhar, definir instrumentos, metodologias, encontrar problemas que tenham solução (e cuja solução serei eu a encontrar, espera-se) - entusiasmo-me e vou longe demais, acho que estou a ser demasiado ambiciosa com o trabalho, com o tema. Perco-me no meio de tantas leituras que só me dão ideias para ir ainda mais longe, para querer ainda mais. De repente, o meu coração dispara assustado: a selecção acabou de marcar um golo e eu, completamente absorta na minha vidinha, distraída que só eu, só me apercebi porque os vizinhos do lado, de baixo, de cima, do prédio em frente e da rua ao lado desataram aos pulos e aos gritos - e eu não estava nem aí e ainda tenho muito que trabalhar. Mas vá, força, venham mais uns gritos e mais uns pulos e tudo e tudo e tudo, porque um início de Verão com cheiro a Mundial tem outro sabor!

(sim, sou mulher, mas adoro futebol ;) - os estereótipos estão fora de moda! E agora vou só dar mais um olhinho no jogo antes de me dedicar de corpo e alma ao meu documento...)
E volvidos 90 minutinhos muito suados, Portugal vai ao Mundial e o Dexter vai à África do Sul!!Yeiiiiiiii!E se o (quase) impossível foi conseguido, o difícil é alcançável!

17 de novembro de 2009

E hoje é dia de...


Hoje é dia de fazer uma visitinha ao médico. Vou sobretudo para fazer a vontade à minha mãe, que não me deixa descurar a saúde nem por um minuto, sobretudo depois do problema que tive no início do ano e do susto que ela, mais do qualquer outra pessoa, apanhou comigo. Agora, perante qualquer sinal, por mais insignificante que seja, lá vai a Maria Bê medir a tensão, marcar consultas e fazer análises desenfreadamente, como se não houvesse amanhã, para garantir que está tudo bem. E como ultimamente não me tenho sentido grande coisa (ele é tonturas, indisposição quase crónica, dores de cabeça e um som chatinho - um zunido nos ouvidos, como se tivesse um apito nos confins da minha cabeça - e não, não estou grávida), vamos ver o que o senhor dr. tem a dizer.

(E como todos nós, que damos conselhos, não os seguimos normalmente, e eu não sou excepção, fui à internet pesquisar o que poderiam ser estes sintomas todos juntos e posso afiançar que fiquei com os cabelos em pé - porque sei que não se deve ir nunca à internet pesquisar estas coisas, porque de dois ou três sintomas, começamos a sentir outros tantos, psicossomáticos e a achar que estamos já com um pezinho para lá para o outro lado. )
Então, com licença e até já!

16 de novembro de 2009

Pessoas Bonitas #2


Embora já tivesse uma pessoa (uma grande pessoa e do mais bonita que há) destinada à rubrica de hoje, achei que deveria dar destaque e escrever sobre o primeiro e-mail que recebi, da Psipages, pela forma como o mesmo me tocou por se referir à beleza das pessoas diferentes com as quais trabalha no seu dia-a-dia. E porque, por vezes, também eu, no meu trabalho, me deparo com pessoas diferentes, lindas, maravilhosas, cheias de força, mesmo vivendo numa realidade nem sempre adaptada a si, mas à qual se adaptam perfeitamente, aqui fica a transcrição do e-mail que recebi:

De vez em quando passo pelo teu blog e devo dizer que gostei muito desta tua ideia em homenagear pessoas verdadeiramente bonitas.
Todos os dias trabalho com jovens que, de acordo com os parâmetros distorcidos de beleza que vigoram actualmente, nunca seriam considerados bonitos. Todos têm limitações ao nível cognitivo e, alguns deles, a nível físico também. Lembro-me bem do meu primeiro dia de trabalho. Senti-me desconfortável, quase incomodada por estar ali, mas bastaram apenas umas horas para perceber que estava rodeada pelas pessoas mais bonitas que alguma vez conheci. Estes jovens receberam-me com o mesmo à-vontade com que se recebe um amigo de longa data, confiaram imediatamente em mim e, acima de tudo, aceitaram-me de uma forma enternecedora.
Agora que escrevo estas palavras, percebo o quanto mudei neste último ano graças a eles. São eles que me fazem sentir bonita todos os dias, mesmo de jeans e sapatilhas. São eles que me recebem sempre com um sorriso, mesmo quando o mundo à sua volta só lhes coloca obstáculos. São eles que me ensinam que ser diferente pode ser tão especial. E são eles que me ensinam que os únicos obstáculos intransponíveis são aqueles que colocamos a nós próprios.
Sei que pediste sugestões de pessoas famosas, mas já que trabalho com pessoas tão bonitas, resolvi falar sobre elas. Já pensaste quantas pessoas bonitas são olhadas com ‘desdém’ só por serem diferentes?

E a Psi tem toda a razão, a sociedade vive ainda muito presa aos padrões da dita "normalidade" e muitos olham ainda de lado ou sem saber como reagir a quem foge a esses padrões. Tenho um amigo de infância tetraplégico há uns anos, depois de um acidente e que é das pessoas mais bonitas e maravilhosas que conheço. Com um coração do tamanho do mundo e um sorriso como se não houvesse amanhã. E o que ele valoriza os amanhãs...Por isso, o destaque de hoje é para ele, para as pessoas com quem a Psi trabalha, para pessoas com problemas cognitivos e físicos e com os quais podemos aprender tanto...
Obrigada Psi, pela partilha...

15 de novembro de 2009

14 de Novembro de 2009


Acabadinha de chegar, estou sem palavras...(e sem voz também). Amanhã postarei qualquer coisa que faça um pouco de justiça ao concerto.

PS: Já de manhã, depois de umas horinhas de sono e de ter acordado com o Personal Jesus na cabeça, posso avançar que foi fabuloso, maravilhoso, contagiante, enérgico, único, num concerto em que o público esteve ao rubro e não parou um segundo!Valeu a pena a espera ;) Quando é que voltam??

9 de novembro de 2009

Elogio do dia:


O do meu cabeleireiro, hoje, enquanto me cortava (e cortava e cortava*) o cabelo: O teu cabelo é topo de gama!
E eu fiquei um bocadinho vaidosa e aqui me confesso. Porque às vezes, um simples elogio, vindo de quem já nos conhece, sabe muito bem. (Mas os melhores elogios para mim são, sem dúvida, os que reflectem as minhas características enquanto pessoa. ..)

* E como ele cortou hoje, estava imparável! Mais um bocadinho e passava de topo de gama a carrito de dois lugares...=D - porque embora eu ame cabelos curtos, a mim não me ficam mesmo nada bem...

8 de novembro de 2009

Pessoas bonitas #1

Se há coisa que por vezes me faz pensar, é a cada vez maior vontade de melhorar o aspecto físico - ele é maminhas, barrigas lisas, lábios carnudos, dietas loucas, rinoplastias, extensões no cabelo, quilos e quilos de maquilhagem e correctores e afins - e o cada vez menor esforço por mudar ou melhorar o nosso interior. Não paramos para reflectir sobre as nossas atitudes, sobre os nossos valores, porque vivemos numa sociedade demasiado centrada em si mesma, sem tempo para olhar para o outro. E embora compreenda a necessidade que algumas pessoas têm de melhorar um ou outro aspecto físico (e não sou nada contra operações de estética quando isso implica melhorias físicas e emocionais: como ter as maminhas demasiado grandes e poder diminui-las, ou dificuldades respiratórias por causa de problemas no nariz, ou dietas necessárias para quem tem excesso de peso), sinto que a sociedade em geral está cada vez mais consciente e atenta para a beleza física, como se fosse o aspecto mais importante e determinante de cada um de nós e das pessoas que temos à nossa frente, perdendo-se a importância de padrões verdadeiramente importantes para a qualidade das relações que queremos estabelecer ao longo da vida e que nos fazem realmente felizes.

Desde jovem que guardo para mim uma máxima em relação a esta condição e ainda hoje acredito que a beleza exterior é a primeira a ser notada, a interior, a última a ser esquecida. E acredito profundamente que qualquer pessoa, por mais bonita que seja, se for má pessoa (e claro que os critérios que definem uma má pessoa podem variar consoante cada um de nós, mas há alguns que são indiscutivelmente comuns, como a maldade, a mesquinhez, a inveja, a falsidade, a mentira etc, etc) rapidamente se torna feia aos meus olhos. Assim como qualquer pessoa aparentemente feia ou desinteressante fisicamente, facilmente se torna bonita assim que revela a sua beleza interior. E por isso decidi criar uma nova rubrica aqui no cantinho, mas para isso conto também com a vossa ajuda. Agradeço sugestões de pessoas conhecidas que se destaquem sobretudo pela sua força e beleza interior, pela grandiosidade dos seus actos, ou pelo talento. Pessoas que vocês admirem, que deixaram uma marca indelével na história, no cinema, no teatro, na cultura, na política, enfim, em qualquer área.

O e-mail para onde podem enviar as vossas sugestões é o seguinte: paudecanelaementa@gmail.com. Devem identificar a pessoa e justificar a escolha. A ideia é que a rubrica seja publicada todas as segundas-feiras (à exepção desta primeira) para embelezar o início da semana e contará, claro, com sugestões minhas também, a começar pela de hoje. Na foto, em cima, está Oscar Shindler, homem que destaco, pela grandeza dos seus actos em plena II Gerra Mundial. Pelos riscos que correu para ajudar os outros, pelas hipóteses que deu a tantos e tantos judeus. Pela sua grande beleza e pela forma como a sua história me tocou...

6 de novembro de 2009

Finalmente - sexta-feira!


E com o tão desejado fim-de-semana à porta, devo dizer que os planos são muitos, mas a vontade de os mandar às urtigas e passar dois dias numa onda de dolce fare niente é mais que muita: não só pelo terçolho horrível que tenho, que dói, dá comichão e que está mais que inchado, (tendo originado já as típicas boquinhas de que ele queria ovos mexidos e eu fiz estrelados) mas porque a minha vida social tem andado tão preenchida que me apetece encerrar a agenda pelos próximos dois mesinhos ou fingir que não estou - Amanhã o dia vai ser de almoçarada para os lados de Óbidos, mas cheira-me, a avaliar pelo grupo de amigos, que vai começar às 10:00 da manhã e termina lá pela hora do jantar! E dormir, como e quando??

E quando não são os encontros, saídas, jantares, concertos, baptizados, etc, são as leituras obrigatórias para o mestrado, nas quais estou super atrasada! Mas, confesso, que se estivesse em dia nas mesmas, não seria eu mesma, Maria Bê ;) - que funciona bem sobre pressão e que não sabe o que é fazer as coisas com tempo, antes espera pela última da hora para as atacar vorazmente, como se não houvesse amanhã!

Bom fim-de-semana, cheio de sorrisos e mantas e sofá e bons livros e muitas castanhinhas assadas!

3 de novembro de 2009

Perigos matinais


E quando se acorda cheia de sono, depois de uma noite muito mal dormida, com as obras irritantes e mega barulhentas na casa do vizinho do andar de baixo, o que é que acontece? Abre-se o pacote de leite com a tesoura, abre-se o microondas e põe-se o pacote lá dentro. É o que dá quando o corpo acorda primeiro que a cabeça...felizmente fez-se clique a tempo, a cabeça despertou com os miados melosos da gata que se roçava nas minhas pernas a exigir mimos e não cheguei a ligar o dito.

Se fosse no tempo em que ainda não tinha microondas, há um ano atrás, provavelmente teria feito a mesmíssima coisa, no fogão...Cruzes! E a seguir punha a roupa interior usada no caixote do lixo e guardava a caneca suja no frigorífico - é assim que eu funciono com sono - um autêntico perigo. Meee-dooo!