31 de dezembro de 2010

50%??


Serei a única neste mundinho que odeia os saldos? Não pelos preços, claro, mas pelo espírito tresloucado que toma conta das pessoas, sobretudo (sejamos sinceros) das mulheres. Se juntarmos os saldos aos dias após Natal, nos quais as pessoas têm dinheiro e cartões oferta para gastar então é a loucura, o horror, o fim-do-mundo. É certo que eu estive lá (mas porque queria comprar uma prenda para o meu sobrinho, que esgotou antes do Natal!), é certo que, quando me apanhei lá dentro, até comprei umas coisinhas para mim (tudo tão rapidamente quanto possível, que nestas coisas sou muito eficaz: um pijama polar - a delícia das delícias - e uma lingerie muito fofinha e a um preço espectacular), sem enfrentar uma filazinha sequer, mas de cada vez que ponho o pezinho num centro comercial em alturas de saldos, fico pelos cabelos: são as mulheres completamente vidradas a mexer em tudo quanto é roupa, não interessa a cor, o tamanho ou o padrão. Está em saldo, é para mexer, cheirar, experimentar e, sobretudo, desarrumar. E empurram os cabides para cá e para lá, sem quererem saber das pessoas à sua volta. As lojas começam o dia todas arrumadinhas, como em qualquer outra altura do ano, mas as pessoas que por lá passam em jeito de furacão, fazem questão de deixar tudo como na feira da praça S. João Baptista, do ano de 1996 (a minha referência de feira, que nunca fui à de Carcavelos). E depois são as criancinhas, cansadas, fartas, longe das lojas de brinquedos, que pedem colo, que pedem xixi, que se deitam no chão e fazem birras. São os maridos à porta, encostados, fartos, cansados, saturados, a deitar o olho às meninas que passam. São os próprios trabalhadores das lojas, que chegam a perder a noção das coisas e se queixam de uns clientes à frente de outros clientes e perdem o sorriso habitual e a disponibilidade, para adoptarem uma postura rígida e fria, como que com vontade de nos expulsar a pontapé.
Assim não gosto de ir às compras. Por isso, fechei para balanço e volto quando as novas colecções começarem a espreitar nas montras e tudo voltar ao seu ritmo normal.

2011 Sorrisos


E para ser diferente, em vez de espetar aqui com as minhas resoluções para 2011 (daquelas que acabam por nunca se concretizar*), opto por reconhecer aquilo que de bom 2010 teve:

- O meu amor;

- A minha família;

- A saúde dos que me rodeiam (ou a recuperação dela, no caso do meu pai, ainda que tenha ser operado);

- Os meus amigos (dos melhores que há);

- Tudo o que me fez sorrir;

- O meu trabalho;
- As viagens que pude fazer, os livros que pude ler e a música que pude ouvir...

Para 2011 pedem-se doses iguais ou superiores de sorrisos e saúde e tudo o resto será bem vindo!



E para todos, um ano pleno de alegrias e cheio de sorrisos!


* Este mês tratei de me inscrever na natação e pagar já 12 aulas (os meus costados assim o exigem), cumprindo assim um desejo de 2007/2008, mais coisa menos coisa, de regressar à actividade física uns 5 anos depois, pelo que, a este ritmo, se continuo a planear desejos e resoluções, a coisa vai correr mal!

30 de dezembro de 2010

De volta


Já há muito que o planeava fazer, mas nunca me parecia o momento indicado. Muitas vezes abri o blogue e fiquei a olhar para este quadrado em branco, sem saber como começar. Faltava-me a inspiração, a alma e a vontade de escrever que sempre tive, desde que comecei a dar os primeiros passos na escola primária. Mas como sou de impulsos, hoje decidi que era o dia de voltar, antes que isto se perca na imensidão da blogsfera (a propósito, acho mesmo que alguém tentou ficar com os meus leitores, ao enviar uns comentários estranhos, que eu não publiquei, obviamente), até porque já perdi uns leitores pelo caminho (fracos!).
Assim, hoje comprometo-me comigo mesma a não abandonar de vez o blogue, só não me comprometo com a qualidade dos textos, uma vez que isto aqui para estes lados não tem abundado em criatividade. A ver vamos. Têm sido uns meses de valentes odisseias que importa partilhar.

Nos próximos dias promete-se o regresso aos meus blogues preferidos, os quais tenho visitado, ainda que "silenciosamente". Até já!

21 de outubro de 2010

Pausa justificada...

Nem sei muito bem como começar este post, no qual penso há tanto tempo, por isso, nada como começar com uma incerteza e várias realidades...Não sei quando voltarei a escrever aqui, porque estou numa fase da minha vida em que não se justifica, por tanto que já partilhei aqui e um pouco por muitos dos textos que tenho escrito, há algo de maior na minha vida no qual me quero concentrar a 1000% e com uma nova etapa a chegar, nem me lembro que o blog existe. Isto, a par de uma fase crítica no trabalho (apenas por excesso do mesmo, o que me obriga a trazer trabalho para casa, ao qual acresce ainda o mestrado), dos problemas de saúde do meu pai e do pouco tempo realmente livre, impedem-me de ter tempo para debitar por aqui os textos que frequentemente nascem na minha cabeça, mas que não duram o suficiente para os conseguir colocar no papel ou no computador - estou demasiado cansada. Estou focada noutros objectivos. Estou numa fase em que me quero dedicar a mim e ao meu futuro, à minha família. E como a blogsfera é um mundo sem fim e o meu futuro não passa necessariamente por aqui, o meu blog será apenas mais um de muitos a fazer uma pausa, sem tempo definido, sem sequer a certeza de um dia voltarei, apenas com a certeza de que jamais deixarei de escrever.
Mas se um dia voltar, que seja com um sorriso do tamanho do mundo e, a todos vocês, os que passam por aqui, os que me lêem, os que me comentam, os que me criticam, os que me escrevem e-mails doces e encorajadores, o meu obrigada, do fundo do coração - desejo-vos uma vida plena de sorrisos, de conquistas, de felicidade.

11 de outubro de 2010

E há dois anos atrás foi assim...





Acordámos relativamente cedo e estupidamente serenos. Tratámos dos últimos preparativos e, tranquilos e debaixo de uma chuva teimosa, fomos à quinta preparar os últimos detalhes. Juntos...anormalmente juntos para o dia em questão, como todos fizeram questão de frisar. Depois fomos até casa e ainda tivemos tempo de deixar as chaves do lado de dentro, a poucos minutos da minha marcação no cabeleireiro. Tive que te abandonar do lado de fora, agora sim, um pouco stressado, enquanto eu me permiti abandonar-me nas mãos do cabeleireiro e do maquilhador experiente. Bem cronometrados, cheguei a casa da minha mãe super penteada e pintada, mas de roupa informal e confortável. E depois...foi tudo muito rápido. Mãos stressadas ajudaram-me a vestir e a calçar, máquinas fotográficas pulavam de mãos e mãos e a típica frase "estás tão bonita" que já se espera nestes momentos saltava da boca de todos, mas era mais efusiva na da avó B, orgulhosa do primeiro casamento entre os seus 5 netos. Muitos sorrisos, beijos e abraços, da família mais próxima e dos amigos mais chegados que seguiram comigo até ao local onde tu me esperavas. Passava pouco das 17h, a hora combinada, quando, qual noiva bem comportada, cheguei, sem ligar ao habitual atraso de horas que caracteriza estes momentos. O meu pai acompanhou-me ao altar onde tu me esperavas e, no caminho, conversámos tranquilamente sobre a música que escolhemos para marcar este momento: o instrumental do Somebody, dos Depeche Mode. Em todas estas fotografias e imagens o sorriso não me larga o rosto e os olhos, sobretudo quando finalmente te vi: lindo, moreno, bem vestido, com esse sorriso lindo que me aquece o corpo e a alma, à minha espera, à espera do momento em que, perante todos os que amamos, todos os que nos são próximos, fomos declarados marido e mulher.
Os momentos seguintes foram, para mim, únicos, mágicos, alegres, de partilha, de felicidade, nossa e dos que estavam connosco, mas perdem-se em momentos difusos, de necessidade constante de estar junto de todos, de visitar as mesas, de brincar com as crianças e de dançar abraçada a ti, a dança da vida. Como já referi antes, não foi o dia mais feliz da minha vida, porque seria reduzir a importância de todos os dias vividos contigo, mas foi um dia maravilhoso, único, quente e especial, que eu não vou esquecer nunca. Porque tu és o homem da minha vida, o meu amigo, o meu marido, a melhor metade de mim...Parabéns a nós meu amor.

9 de outubro de 2010

2 Dicas simples e úteis para quem considera fazer uma tatuagem:


1. O mais importante é o desenho em si, pelo que deve ser cuidadosamente pensado e, quanto a mim, algo que tem que fazer muito sentido (emocional) para que nunca nos arrependamos. Cuidado com as bonecadas e com nomes de pessoas que não os dos filhos ou dos animais de estimação, não esquecendo nunca que um dia seremos velhinhos e...com uma tatuagem (o que eu penso nisto agora - toda engelhadinha, de bengalinha e carrapito e com a minha gata sentada numa meia lua e estrelas a descerem pela nuca);
2. O local - importância máxima. Pensem muito bem onde fazer e pensem sobretudo nas 4 estações do ano, nos trabalhos que têm ou podem vir a ter e nas roupas que gostam de usar e, se conseguirem, tentem prever a moda para os próximos 40 anos, no mínimo. Acima de tudo, cuidado com o pescoço - que eu acho o máximo como local para a tatuagem, mas que condiciona os penteados e cortes de cabelo e também com os pés, por causa dos sapatos que as deixam bem expostas e pouco adequadas a algumas entrevistas de trabalho e empresas mais formais. O ideal será escolher um local onde só seja visível a todos na praia, para não vos acontecer como a mim que vesti esta semana uma blusinha de alças e de costas baixas com um casaco de malha fininha e que depois tive tanto calor que me esqueci da malvada e descasquei-me perante toda a comunidade escolar (estava num seminário onde estavam presentes a minha e muitas outras escolas) -felizmente a chefe não viu senão ainda me tinha uma síncope logo ali;
Mas, mesmo depois de tudo isto, não estou nada arrependida, apenas a adaptar-me e é só quando temos a certeza de que queremos mesmo para sempre, que devemos avançar com esta decisão que nos marca para a vida.

8 de outubro de 2010

Obrigadinha!

Ao ritmo alucinado a que a minha vida tem andado, ainda bem que o facebook me avisa que na segunda-feira faço anos de casada...

2 de outubro de 2010

Facto:

Cada vez mais tenho a certeza de que não existem relações mais honestas, sinceras e bonitas do que aquelas que os animais estabelecem connosco...Uma verdadeira dádiva.

28 de setembro de 2010

A serenidade dos trinta


Há pouco tempo apercebi-me que, quase inconscientemente, comecei a pintar-me menos e a perder menos tempo com a indumentária diária, a deixar o meu cabelo ficar wild, como ele é, sem preocupações de combater diariamente a sua natureza loucamente ondulada. E não é por estar menos preocupada comigo mesma, não é por me estar a desleixar, é por ter chegado a uma serenidade e alcançado uma confiança que, sinto, só se alcança com os 30, numa fase em que aprendemos a gostar realmente de nós, com todas as nossas qualidades e defeitos, numa fase em que a celulite deixa de ser uma preocupação, em que as estrias se tornam uma realidade e as primeiras rugas se instalam sem dó, mesmo por baixo do primeiro cabelinho branco, teimoso que só ele e em que a lei da gravidade corporal funciona exactamente ao contrário da nossa vontade - mas em que aprendemos a viver e a conviver com tudo isso, porque sabemos que somos muito mais do que o nosso aspecto físico, porque sabemos que a nossa principal beleza vem de dentro. É também uma fase em que sabemos quem somos e o que queremos, bem como o que definitivamente não queremos e por isso, quando se fala em idade e na maravilha dos vinte, penso, com toda a certeza, que estou a adorar os 30 - e pensava eu que seria impossível tal coisa!

24 de setembro de 2010

Constatação de sexta-feira à noite

Descobri que, quando estou mesmo muito cansada*, sou má...e ultimamente tenho andado tão, mas tão cansada...
*E isto de não dormir nada de jeito, nem à pala do anti-histamínico mais forte de sempre, não ajuda mesmo nada.

Ainda em relação à MRP

Desculpem, desculpem, desculpem, mas juro que pensava que já todos tinham lido. Segue o link, aqui.

22 de setembro de 2010

Por norma, neste blogue, não se fala mal, mas hoje abro uma excepção

Afinal, anda tudo a espingardar com a Margarida Rebelo Pinto e eu também quero escrever alguma coisa. Li o texto dela no dia em que foi publicado e na altura ainda me apeteceu comentar no blog dela, mas depois resolvi que não valia a pena - provavelmente ia categorizar-me como parece que faz às mulheres, na generalidade - uma bitchzinha portanto, e mal-amada, a meu entender (e agora dou-me o direito de ser eu a categorizar).
Ao contrário de todos os que falam mal e dizem nunca a ter lido, eu li, nos distantes fins dos anos 90, um ou dois livros dela (ou li um e tentei ler outro, qualquer coisa assim) e acabou tudo ali. Livro fácil, de personagens pedantes, tudo muito giro e estiloso e cheio de marcas e afins, daqueles que se esquecem passado umas horas e duas ou três linhas de um outro livro mediano (nem precisa de ser bom). Sei que há quem goste e respeito isso, mas eu não gostei e não tenciono pegar em nenhum outro livro dela, nem que me paguem para o ler. Mas não foi por não me agradar a leitura que passei a não gostar dela, mas sim quando comecei a ouvi-la na tv e a ler entrevistas nas revistas e a perceber o quão pedante-arrogante-convencida-tiazoca-armadaemboa que a senhora consegue ser. Por isso, a única coisa que quero dizer é que a mim, ao contrário do que leio por aí, o texto dela não me espanta minimamente, afinal é da MRP que estamos a falar e aquele texto é a cara dela...

21 de setembro de 2010

Constatação da semana


Não fazer perguntas cuja resposta pode não ser exactamente o que estávamos à espera...e o que gostaríamos e o que precisávamos de ouvir.
Seria de esperar que, com esta idade, esta lição estivesse aprendida de vez, mas, com um bocadinho de sorte, pode ser que seja desta!

15 de setembro de 2010

Mal posso esperar!!

É já (só...) no dia 30 de Setembro que sai o novo livro do Carlos Ruiz Zafón e eu vou logo logo a correr à livraria mais próxima comprar o meu, para ler assim, num fôlego, como já vai sendo habitual com as obras deste escritor fabuloso! Mal posso esperar por me perder na sua leitura, acompanhada daquele cheiro maravilhoso que só os livros novos, não folheados, têm! Weeeeeee!!

14 de setembro de 2010

Today is:


B- Day!
Vou só ali apagar umas velinhas, comer bolo (o melhor bolo de chocolate do mundo, as always), acompanhado de uma taça de champanhe (Möet Chandon, de preferência, que a menina gosta e merece), receber umas prendinhas e muitos mimos e um mundo de sorrisos e já volto!

13 de setembro de 2010

11 de setembro de 2010

Facebookices


Despachei o primeiro pseudo-"amigo" do meu facebook, assim, sem dó nem piedade. E muitos lhes seguirão as pegadas- esta mania de aceitar desconhecidos, apenas porque temos algumas dezenas de pessoas (também elas desconhecidas) em comum, é de um perfeito disparate - depois levo com comentários e publicações no mural do tipo "és muita gira, onde é que moras" e "tens cara de malandra" (quêeee??? MEDO) entre outros assim do género, que até me deixam envergonhada e a pensar se terei alguma fotografia menos decente que origine estas malandrices e que acontecem mesmo tendo montes de fotografias com o P. e a indicação de que sou casada. E depois é o chat que não pára de piscar, perante a tentativa de iniciar uma conversa, daquelas a lembrar os anos 90, quando os primeiros passos nestas andanças começaram a ser dados, pelo que tenho que o manter quase sempre desligado - só ligando quando preciso de falar com alguém, com quem quero realmente falar. Por isto e muito mais, segue-se a "Operação Limpeza" e a certeza de que hoje em diante não aceito pessoas assim, com tanta facilidade! Não há pachorra para estas coisas...

9 de setembro de 2010

Para os melhores leitores de sempre:


Eu não tinha grandes dúvidas que a blogsfera pode ser algo muito fantástico, mas depois de todas as palavras carinhosas que me têm dedicado nos últimos dias - quer aqui, quer noutros blogs, quer por e-mail ou facebook, tenho mesmo a certeza que vale a pena andar por aqui, porque este mundo tem algo de muito bom. Sinto-me abraçada por todos vocês, sem dramas desnecessários e isso é um privilégio único ;-)

8 de setembro de 2010

Mais de mim...


Conforme vamos crescendo, as pessoas vão esperando sempre algo de nós: que sejamos estudantes aplicados, que tiremos uma licenciatura, que encontremos alguém que nos faça felizes, com quem casamos, que arranjemos um bom emprego, com um contrato de trabalho, que tenhamos filhos e mais tarde netos. Confesso que eu mesma tracei todos estes planos (excepto a parte do casamento que, até há poucos anos atrás, não fazia parte dos meus objectivos de vida). Quando comecei a trabalhar "a sério" (porque trabalho desde os 16 anos), sentia-me de facto privilegiada, por ter um óptimo trabalho, por ter comprado um carro, por ter ido viver sozinha aos 24 anos, ao contrário de todos os meus amigos, que ainda viviam com os pais. Por essa altura, o meu futuro ideal seria ter o primeiro filho aos 27 anos e, neste momento, em que caminho para os 32, já estar à espera do terceiro - era esta a minha conta perfeita: eu, o P. e três filhos, além dos gatos, claro. Esperava eu e o mundo inteiro à minha volta: mundo esse composto por amigos, família, conhecidos, colegas de trabalho, conhecidos da família...Sempre fui apaixonada por crianças e elas sempre foram apaixonadas por mim. Mas a vida troca-nos as voltas e nem sempre nos permite ter tudo o que queremos. E isso é o que nunca passa pela cabeça das pessoas que insistem em perguntar-nos quando teremos filhos - é que nem se atrevem a imaginar que poderíamos nem querer, tão convictos que são dos padrões exigidos pela sociedade, o que não é o caso, mas que, pelo menos para já, não podemos, porque a natureza é tão mais forte do que nós e ainda não nos proporcionou essa dádiva. Houve até já alguém que referiu a uma das minhas irmãs que eu estava a ficar velha...e embora não o sinta, eu sei que o meu corpo está cada vez menos preparado para isso, mas o próprio tem-me preparado uma série de surpresas desagradáveis - os leitores mais antigos lembram-se da minha operação e da reincidência de um problema de saúde, que ainda me levará à mesa de operações e ao corrupio de exames novamente - e por isso ainda é um processo que se espera longo e com um fim inesperado.
Já não conto ter três filhos - espero pelo menos um e, quem sabe, adoptar outro, se a vida mo permitir. Mas estou cada vez mais preparada para o pior, nesta batalha que é longa e ingrata, porque pouco há que possamos combater...resta-nos esperar.
E mesmo assim sou feliz em todos os momentos da minha vida, apoiada numa aprendizagem que fiz com o P. - não me deixar abater com possibilidades, apenas reagir quando tenho dados concretos. E é por isso que em Setembro se espera uma nova fase desta nossa batalha, que já vai bem longa, acreditem...

E porque é que resolvi escrever sobre isto, tanto tempo depois? Porque o blog é uma extensão de mim e porque sei que tenho leitores que podem estar a passar pelo mesmo e embora não os conforte saber que eu também estou a passar por isso, talvez conforte eu saber exactamente o que sentem e porque tento passar a mensagem de que podemos ser felizes, mesmo quando alguns dos nossos sonhos não correm exactamente como esperávamos. Porque devemos agarrar-nos ao que a vida nos dá de bom e, se olharmos para o mundo à nossa volta, há tanta coisa boa que nos pode fazer felizes!

6 de setembro de 2010

Diálogo entre pai e filha

Eu: Pai, este ano não festejo os meus anos porque...(aqui sou prontamente interrompida pelo meu pai).
Pai (com ar de pena compreensiva): Pois é, já chegaste àquela idade em que não queres contar os anos...
Eu (algures entre um estado atónito e a dúvida): Não!! Porque tenho um relatório para entregar na faculdade no dia seguinte e vou passar esse dia enclausurada, a trabalhar!
Agora digam-me, vou fazer 32 anos, é caso para me preocupar? É que receio que, tal como não consigo ver os quilos a mais quando me olho ao espelho, também não consiga ver razões para deixar de contar os anos. E depois do próprio pai dizer uma coisa destas, com tanta sinceridade, uma pessoa fica a modos que a pensar no assunto...

5 de setembro de 2010

O livro da vossa vida


Gostava de vos pedir uma coisinha...coisa pouca - que partilhassem comigo qual o livro da vossa vida e a razão pelo qual o escolhem. Aquele livro que vos marcou de tal forma que gostariam de ler novamente com a mesma emoção, que gostavam de poder esquecer, para sentir novamente o prazer inigualável da sua leitura, aquele que vos faz arrepiar sempre que recordam determinados aspectos, aquele que vos marcou de tal forma que se tornou O livro.


No meu caso, sinto imensa dificuldade em escolher apenas um, mas se tivesse mesmo, mesmo, mesmo que o fazer, seria o "Amor em tempos de cólera" do grande, maravilhoso e único Gabriel García Márquez*...


*De realçar que eu sou uma verdadeira apaixonada pela escrita latina, tão quente, apaixonada, crua e real...

4 de setembro de 2010

A minha estação preferida...


A partir do momento em que as minhas férias de Verão terminam, torno-me instantaneamente, a pessoa mais egoísta do mundo, almejando a chegada rápida do Inverno - essa estação tão odiada, mas que eu adoro profundamente. Adoro o frio, adoro o som da chuva teimosa lá fora, adoro beber um chá quente que me aquece a alma, adoro as tardes curtas de fim-de-semana, as trovoadas insistentes, as roupas quentes e confortáveis, o cheiro das castanhas assadas e das lareiras, o colinho da mãe, poder abraçar o corpo dele, enquanto dormimos quentes e confortáveis na nossa cama, as comidas caseiras mais típicas desta estação...adoro os meus gatos quentes e gordinhos, confortavelmente deitados no meu colo ou junto a mim. Assim, mais ou menos a partir do início de Agosto, é ver-me num canto qualquer, a maldizer o calor horroroso que me tolda o corpo e o espírito, que me faz sentir mal, que me provoca tonturas e que me leva a tomar dois banhos por dia (ou mais) e a preparar-me para a chegada de dias mais frescos e mesmo da chuva - e do cheiro maravilhoso a terra molhada, que eu tanto adoro. É também por esta altura que deixo de comprar peças de roupa, sapatos e acessórios de Verão e sou mesmo capaz de comprar coisas mais quentes, ainda que não seja possível usá-las, coisas essas que depois ficam abandonadas no roupeiro até dias mais outonais. Tudo em mim tenta atrair o Inverno.
Palavras para quê? I'm a Winter person - e agora podem mandar pedras, que o próprio P. fica com vontade de me bater sempre que falo no assunto...

...


Em poucas palavras...Fiz uma tatuagem! Uma homenagem a uma das paixões da minha vida e sabem que mais? Adoro!



Nota: não, não é o P. (que diz que agora eu sou menina do bairro - preconceito!! ) e também não é o Benfica ;-)

2 de setembro de 2010

Ser mulher é...




Passar meses e meses desejosinha que a franja que cortei finalmente cresça e assim que isso acontece, cortá-la outra vez, exactamente da mesma maneira...(vá, talvez um cm menos curta - está assim bem ao género da da lindíssima Natalie Portman)

1 de setembro de 2010

Setembro

Quando nos ausentamos durante tanto tempo do blog, espera-se, no mínimo dos mínimos, um post de arromba, cheio de notícias e fotos e fofoquices e tudo e tudo, não é? Pois desenganem-se, que eu não tenho nada de especial para contar. Apenas que estou (espero eu) de volta...depois de um mês cheio, mas mesmo cheio de trabalho (esta é para quem pensa que, nas escolas, em Agosto, não se trabalha), cheio de estudo, cheio de neurose com o estudo e com o calor que nunca mais acaba, de atenção com o pai (que esteve bem doente) e com a mãe (que foi operada) e com a melhor amiga (cuja gatinha está a morrer...) e com o cão, o gato e o periquito do vizinho...Digamos que estou um verdadeiro caco, daqueles despenteados e de olheiras a roçar os joelhos cansados e esquecidos da agilidade de outros tempos que já lá vão - sim, que a acumular a tudo isto, caminho, a passos bem largos, para os 32 aninhos de vida.
Mas, como gosto muito do mês de Setembro - um mês de recomeço para mim - resolvi que nada melhor do que o dia de hoje para voltar, esperando que, nos próximos dias, a minha mente seja assaltada por ideias absolutamente geniais e espectaculares de post's para colocar por aqui.

13 de agosto de 2010

Pois é...

Não, não morri, não estou doente e nem sequer estou cheia de trabalho (embora esteja numa fase importante da dissertação de mestrado), simplesmente ando sem vontade, sem inspiração, a viver uma daquelas fases em que parece que tudo me acontece bem como às pessoas à minha volta...
Eu volto...um dia...espero...

6 de agosto de 2010

A origem...


Há já muito tempo que eu não ia ao cinema. Tempo demais, mas que se explica pela minha, cada vez maior, intolerância à falta de educação e de respeito de muitas das pessoas que lá estão, a partilhar uma sala comigo...
São as pipocas a saltar, os telemóveis a tocar e a brilhar no escuro (ainda estou encadeada com um ecrã gigante que brilhava três filas abaixo da minha) são os pontapés na minha cadeira e as conversas a alta voz, que me tiram do sério e me fazem suspirar com o aconchego do lar, o conforto do sofá e o maravilhoso sistema de som que tenho em casa. Mas ontem, nem tudo isto (e mais algumas coisas) me estragaram este filme, que adorei. Talvez porque sempre fui fã de tudo o que diz respeito a sonhos, talvez porque sonho praticamente todos os dias e alguns dos meus sonhos têm enredos densos e complexos, como se de um filme se tratassem, talvez porque adorei os efeitos e os cenários, as interpretações e o enredo, talvez porque acho que o Dicaprio está cada vez melhor actor. Talvez...não talvez não, de certeza, o melhor da sua (minha) geração.

Numa palavra: fenomenal.
Em várias: não é confuso como se diz por aí, apenas exige que estejamos bem atentos e que sejamos tão imaginativos como a mente criativa do Cristopher Nolan - que grande génio pá!! Caracinhas!

4 de agosto de 2010

Só para quem vê a Anatomia de Grey!


Passa pouco das 9:00 da manhã, estou a ver, pela milésima vez e antes de ir para o trabalho, a cena do casamento da Izzie e do Alex, de lagriminha no canto do olho (não podia faltar, pois claro), mas estou aqui incomodada a pensar como é possível um vestido que era para a escanzelada da Meredith ter servido à gigante e cheia de curvas Izzie*??




* Quase tão grave como os flashback's em que vemos a infância das personagens morenas de olhos castanhos, louras e de olhos azuis...pfffff! Sinto-me enganada com estas falhas!

2 de agosto de 2010

02/08/2010

Parabéns PAI!

Hoje é dia de te cantar os parabéns no hospital, mas amanhã...amanhã é dia de te levar para casa - finalmente!

30 de julho de 2010

António Feio


Saber da sua morte tocou-me profundamente. Vi tantas peças dele, que já lhes perdi a conta e, em todas, saí sempre com um sorriso de orelha a orelha e profundamente rendida ao seu encanto, à sua simpatia e ao seu talento. A última foi há bem pouco tempo e relembro o seu profissionalismo quando o José Pedro Gomes se rendeu a um ataque de riso. Acho mesmo que foi a primeira vez que as lágrimas me caíram ao saber da morte de alguém que não conhecia pessoalmente...

Acima de tudo, simpatizei sempre muito com o homem por trás das personagens...



28 de julho de 2010

(sem título possível)


E depois há aqueles dias em que, temos que levar um familiar para o hospital - daqueles que amamos com todas as nossas forças e que queremos ao nosso lado para sempre, porque nem concebemos um mundo onde essa pessoa não exista - e o nosso coração fica pequenino, pequenino...Hoje foi um desses dias...


Sei que ele está entregue nas melhores mãos possíveis, mas custou tanto tanto vir-me embora e ter que o deixar lá...

27 de julho de 2010

Ménage à trois

Hoje voltei as costas ao P. e dormi bem agarrada a ti. Tenho a certeza de que o meu sorriso nos lábios, provocado pelo prazer que me fizeste sentir, se manteve a noite toda. Tu dás-me algo que ele não pode dar, por isso resignou-se e deixou-me perder nos teus encantos. E numa noite de calor memorável, daquele tão forte que não permite dormir e em que a roupa se nos cola ao corpo e à alma, indelevelmente afectada pela transpiração contínua e teimosa, eu dormi maravilhosamente bem, porque tu...tu mexes com a minha temperatura. Tens o poder de me aquecer quando tenho frio e de me refrescar quando tenho calor. Sem ti já não viveria...Meu querido comando de ar condicionado!
Só lamento o pi pi pi de quando o ligo e desligo, capaz de acordar o prédio todo, mas era uma questão de vida ou morte...Não fui feita de material suficientemente resistente que me permita sobreviver a este calor sem ajuda!

26 de julho de 2010

Mudanças drásticas


Para quem não me conhece informo que, basicamente todos os anos, me dá uma vontade louca de mudar drasticamente o visual, o que, normalmente passa por sonhar, dias a fio, com um cabelo bem mais curto, tipo o da belíssima Charlize aí em cima. E qual o problema? Bem, em primeiro lugar eu não sou a Charlize, não tenho a cara, o cabelo e o corpo dela - linda de morrer que só ela. Ainda para mais tenho a cara pequena, a contrastar com uma testa assim para o grandita (eufemisticamente falando). Em segundo, tenho um cabelo cheio de personalidade própria (e nada fácil, por sinal), uma entidade que vive à margem da minha vontade e que acorda sempre para o lado errado - tipo adolescente. A juntar a tudo isto, ainda tenho este calor horroroso que me faz olhar para as pessoas de cabelo curto com uma inveja desmedida. Ora, conhecendo-me bem, também sei que, o mais provável é, se me submetesse a este corte radical, arrepender-me logo no momento da primeira tesourada - aquele em que já não é possível voltar atrás (e não me venham falar que depois posso colocar extensões, que eu não o faria). Por isso, meus queridos, o que eu preciso é que me convençam a não ceder ou a ceder à minha vontade horrorosa (até já dei comigo a ver cortes lindos e a olhar para o número de telefone do meu cabeleireiro n.º 2 - que o n.º 1 jamais me permitiria levar avante tamanha loucura)...



PS: os que me conhecem, por favor, digam de vossa justiça - acham que iria ficar com cabeça de espanador? Ou de esfregona ressequida?

Ilha de S. Miguel - Açores

Tal como prometido, aqui ficam algumas das muitas fotos que tirámos pelos Açores...



















Seria simpático da minha parte colocar legendas, mas neste momento não tenho tempo - tenho que ir às compras antes de ir trabalhar (e hoje tenho um longo dia de trabalho até às 22h) porque não tenho nada comestível no frigorífico e o que tenho está para lá de potencial veneno só de cheirar!

24 de julho de 2010

Último dia...

Último dia no Algarve, antes de um dia que se prevê tão atribulado quanto possível, tendo em conta que levamos três gatos connosco, dois dos quais com intestinos nervosos e miados esganiçados e outra que anda apaixonada por um chinelo do P. há dois dias, duas malas de roupa que andam connosco há três semanas, sacos de praia com tudo o que os mesmos implicam (desde bola de volei, a raquetes, cremes e cremes de factor altíssimo e livros) e restos e restos de comida, bebida, pedras e casa de banho de gatos. Vai ser memorável...
Vou queimar os cartuchinhos todos a que tenho direito - o que implica uma bela praia, petiscos daqueles de babar e vinhaça fresquinha- e já volto!
Ia dedicar-me agora à partilha das fotos da viagem aos Açores, mas, como sempre, não encontro o cabo...

22 de julho de 2010

Psssstttt...

Pois é, estou de volta...pelo menos, assim parece. Mas como estou um pouco (muito) deprimida com o fim das férias (os próximos diazinhos são só lá para Dezembro, em que se prevê uma viagem aos Pirinéus) e com a segunda-feira que se avizinha e completamente embrenhada nas leituras do Stieg Larsson (mas como é que ainda não me tinha apercebido que por trás daqueles títulos esquisitos e capas obscuras, estava um escritor, já precocemente finado, infelizmente, capaz de me cativar e de me fazer ler mais de 500 páginas, em menos de dois dias?) volto a sério, mesmo a sério lá para dia 26 - ao meu e aos vossos cantinhos! Até lá, um bom fim-de-semana, cheio de sorrisos!

30 de junho de 2010

Passei só para dizer...

Que me tiram do sério as pessoas que, depois do jogo de ontem, só sabem dizer (e escrever) "até que enfim, agora acabou a febre e acabaram as vuvuzelas e já podemos falar sobre outras coisas e ver outras notícias nos jornais e na televisão" e depois só sabem falar sobre banalidades e futilidades que não interessam a ninguém. A sério que sim! Porque eu respeito o gosto dos outros e respeito as "febres" que por aí se vêem (e lêem) e não ando a apregoar aos sete ventos que quero o fim do "sexo e a cidade" e afins, e que metam os cremes caros num sítio que eu cá sei e que ridículo e de mau-gosto é gastar balúrdios em roupa de marca, com logótipos gigantes, que se usam três vezes.
Porque, quanto a mim, o futebol tem o poder de unir as pessoas, tem o poder de as fazer esquecer algumas amarguras da vida, porque o futebol não é só desporto é também arte (basta ver o Messi a jogar) - com esta é que me vão bater. O futebol é energia, é alegria partilhada e quem não gosta, não é obrigado a ver...
Mas respeitem quem gosta...respeitem os que ficaram tristes porque gostariam de ver a selecção ir mais longe, representando a nossa bandeira e defendendo as nossas cores. Respeitem os que hoje não sabem falar de outra coisa, porque embora isso não vos aconteça com o futebol, acontece com outras coisas tão ou menos importantes (veja-se, uma vez mais, o exemplo do SATC 2 - que não vi, não quero ver e do qual já me irrita ler o que quer que seja - e eu até gostava da série).
Por isso, deixem-me estar tristinha hoje e deixem-me ver em paz os jogos interessantes que se avizinham...Deixem-me estar irritada com os que não fizeram nada de jeito e enaltecer os que foram verdadeiras surpresas (Eduardinho do meu coração, que com certeza lês o meu blogue, ontem só me apetecia dar-te abracinhos para te acalmar as tristezas), deixem-me agora torcer por outra selecção, pela qual nutro uma grande simpatia e que terá o condão de levar muita alegria a um país que merece... ;-) - deixem-me fazer isto tudo sem vos ter sempre à perna, a tratar-me como se fosse uma mentecapta porque gosto e vibro e grito e sofro (e bebo muita cerveja) com este desporto, ok?
Nota: o out of service (ainda que intermitente) vai manter-se até 15/16 de Julho! Até lá, boas férias aos que também vão e tudo de bom também, para os que ficam... Com muitos sorrisos!

17 de junho de 2010

...

Blog* out of service!



Até meados de Julho. Até lá tenho um relatório muito importante e muito atrasado para entregar na fac, um milhão de consultas pelo meio e férias por ilhas açorianas. Mas - I will be back, for sure ;-)
* e facebook e e-mail também. Não há nada para ninguém...

11 de junho de 2010

Por esta hora...

No momento em que lêem estas linhas, estou, muito provavelmente dentro de um avião, a caminho de Praga, cheia de expectativa e desejosa de conhecer esta cidade que se adivinha maravilhosa. Prometo fotografias e muitas partilhas no meu regresso. Até lá, um fim-de-semana cheio de sorrisos - o meu vai ser com toda a certezinha!
Nota: esta que vos escreve adora e odeia andar de avião - é daqueles sentimentos ambíguos que me domina e não há nada a fazer...

9 de junho de 2010

Delícias

Poucos sabores são deliciosamente tão perfeitos como estes dois juntos: queijo e vinho tinto...sabem-me pela vida e hoje, dia de chuva e vento teimoso por terras a sul, a juntar a uma conversa repleta de memórias quase esquecidas, de quando ainda nem sequer nos conhecíamos, foi assim que passámos um fim de tarde fantástico.
Aviso: Post escrito ainda com vestígios de álcool a borbulhar intensamente no sangue, pelo que se espera que esteja tudo nos conformes...senão...olhem, azar!

Dúvida...


E depois, o que é que é mais importante, mais determinante para a qualidade de uns dias inesquecíveis: o local onde passam as férias, ou a companhia que levam nas férias?

Tenho cá para mim que, com a companhia do P. até numa roulotte na Costa da Caparica, naquele parque que se vê a caminho das praias, sempre apinhado de gente, eu seria muito, mas mesmo muito feliz! E eu já fui feliz em tantos lugares...

8 de junho de 2010

Cá dentro...

Não obstante o meu pequeno saltinho a Praga, no próximo fim-de-semana e por mais que goste de viajar "lá fora" sou totalmente fã deste nosso país à beira-mar plantando, repleto de beleza natural, de praias maravilhosas e de monumentos cheios de história. Por isso fico assim a modos que arrepiada quando me lançam o típico comentário "Mas vais para o Algarve? Está tão batido!" ou o já habitual "uma semana de férias nos Açores? Aquilo é só verde e vacas". Porque, sabem que mais? Eu adoro o Algarve, sobretudo a zona entre Lagos e Sagres - mais tranquila, mais fresca é certo, mas cheia de zonas bonitas para visitar e de praias onde não temos que nos sentar no colo do vizinho. E os Açores? Tem muito verde, tem muitas vacas e tem as paisagens mais bonitas, arrebatadoras e surpreendentes que já vi. De cada vez que lá vou é um renovar de sensações causadas pela maravilha que é a natureza, num palco soberbamente pleno de magia.
Claro que a minha paixão é e sempre será, independentemente de todas as viagens que possa fazer, a paisagem alentejana, região onde habita o meu coração e embora não tenha nascido lá, é de lá que vêm as minhas origens, a minha história e é lá que espero, um dia, terminar a minha passagem por aqui. É lá que me encontro, na serenidade das planícies, nos cheiros típicos, no sotaque que amo do fundo do coração.
Fazer férias cá dentro? Hoje e sempre...Há um mundo de tesouros por descobrir e eu ainda só vou a meio...

Diário das férias 3#

Com toda a certeza que não foram os meus queridos leitores, mas alguém nos rogou uma praga. Depois de descobrirmos que a nossa praia desapareceu, hoje chegaram nuvens e mais nuvens aqui a estes lados. Como tem estado vento, é provável que hoje não façamos praia, como habitualmente, porque praia com frio (ou com calor a mais) nem pensar! Além do mais, este ano a água parece mais fria do que nunca - já alguém sentiu o mesmo? Custa tanto, mas tanto entrar...o que me leva a fazer as figurinhas mais tristes e estranhas, quando mesmo ao lado as criancinhas de 2 e de 5 anos entram com a maior das tranquilidades.
Os planos para hoje passam então por descansar (e o que temos posto o sono em dia - uma delícia), ler, fazer umas comprinhas para o jantar (temos comido uns peixinhos maravilhosos, que o P. cozinha divinalmente bem) e namorar por estas paisagens relaxantes.
Quinta-feira rumamos à capital para logo na sexta-feira viajarmos até Praga, onde contamos passar quatro dias inesquecíveis na companhia do A. e da A.L. Durante esses dias não irei postar, mas fica a promessa de contar tudinho no meu regresso ;-) .
As fotografias ficam para depois, porque esqueço-me sempre de alguma coisa quando venho de viagem e, desta vez, uma delas, foi mesmo o cabo da máquina...Mas pelo menos consegui trazer a carteira e o telemóvel - que, para quem não sabe, esqueci o ano passado, no fim-de-semana do aniversário do P. assim como das suas prendas. Tipicamente Bê...

7 de junho de 2010

Diário das férias 2#

O dia de ontem ficou marcado pela desilusão de descobrir que a nossa praia favorita desde sempre (ali para os lados de Sagres), foi literalmentente engolida pelo mar. Bah! Claro que há muitas mais praias na zona, locais fantásticos, mas aquela era a nossa praia, onde já vivemos os dias mais maravilhosos e onde já li os melhores livros e ainda milhares de cusquices e fofoquices - que eu só leio revistas cor-de-rosa quando estou de férias - -se lá entender. Amuei!

6 de junho de 2010

Diário das férias 1#

A viagem...marcada, como sempre que rumamos a sul, na companhia dos nossos felinos, pelos desarranjos intestinais do Tobias que, desta vez, nem chegou a meio da viagem. Era ver-nos na bomba ali para os lados de Corroios, de gato na mão, toalhitas na outra, a limpar quilos e quilos de cocó (como é possível?), com a cara mais enjoada de sempre. Quase que nos arrependemos sempre que trazemos os gatos...quase, porque assim que chegamos fica o alívio de não os deixar tantos dias em casa sozinhos. Meus ricos meninos!
Depois de duas horas de viagem (ainda com alguns avisos por parte do Tobias, que, segundo o P. faz uma "cara" específica na hora H) foi tempo de o por na banheira, dar-lhe uma banhoca e fugir até junto dos sogros (embora casadíssimos, cada um tem a sua casa aqui para estes lados e assim deixam uma para nós) para jantar um belo churrasco.
O dia de ontem foi passado entre a praia e um jantar romântico, regado a bom vinho. Tal como prometido, a palavra de ordem é namorar, muito!Com vidas tão díspares e horários tão trocados, por vezes sobra-nos pouco tempo, por isso há que aproveitar ao máximo.
E agora, vamos a caminho da nossa praia preferida, munidos de saladinhas e bebidas frescas e um bom livro. Logo partilho algumas fotos...

4 de junho de 2010

Finalmente!

Sem tempo sequer para tirar a franja dos olhos, venho aqui num saltinho só mesmo para avisar que.. É HOJE! Vou de férias! Estou que nem posso - tão, mas tão contente, que ainda mal me consciencializei de que o dia de hoje vai ser o horror, de tanta coisa para deixar organizada e preparada para o meu regresso.


A novidade é que vou ter internet durante parte das férias, pelo que decidi que, os próximos dias, vão ser dedicados à partilha das mesmas, numa de diário das férias, assim a modos de dar numa de nojentinha para quem fica a trabalhar.


Para abrir o apetite, vou estar por aqui:
Só eu e o P., para namorarmos muito e recarregarmos as baterias, para depois, com um casal amigo, darmos um saltinho até aqui:
Bom fim-de-semana para todos, cheio de sorrisos!