11 de janeiro de 2010

Haja paciência...

Pl'Amor da Santa, haja paciência para notícias como esta:

Há conservadores dos registos civis que admitem alegar objecção de consciência para recusar a realização de casamentos entre pessoas do mesmo sexo.

«Já ouvi colegas perguntar se poderiam recusar-se a fazer este tipo de casamento», afirmou ao Diário de Notícias um funcionário de uma conservatória, que preferiu manter-se no anonimato.

Uma questão para a qual o responsável jurídico da Federação Nacional dos Sindicatos da Função Pública (FNSFP), Paulo Taborda, tem resposta clara: «o dever dos conservadores é cumprir a lei».

«Esta não é uma questão para pedir objecção de consciência, porque é um acto puramente administrativo», esclareceu, em declarações ao mesmo jornal.

É que só faltava esta. Imaginemos cada um de nós alegar objecção de consciência perante cada caso que nos vem parar às mãos. Eu, que já entrevistei desde toxicodependentes, a perfeitos maluquinhos, a tarados e sabe-se lá mais o quê, porque eles não me contam tudo e que nem por isso deixo de fazer bem o meu trabalho, aquilo que é a minha responsabilidade e a trabalhar em prol do direito que essa pessoa tem de ser bem atendida e bem orientada. E não estou ali para julgar ninguém, com base nos meus próprios valores, antes para fazer bem o que me é exigido. Imaginemos um médico a negar o atendimento a uma pessoa por não concordar com a sua orientação religiosa, ou um advogado a recusar defender uma pessoa por ser de outro partido político. A sério que não consigo perceber, em pleno século XXI, como é que ainda temos estas discussões e estes comportamentos...

16 comentários:

  1. Concordando ou não, é verdadeiramente vergonhoso!

    ResponderEliminar
  2. Me, a questão é exactamente essa - é uma questão de direitos! ;)

    ResponderEliminar
  3. a abstenção na altura dos votos é sempre alarmante mas depois em assuntos destes, que são direitos básicos de cada um de nós, como indivíduo, todo opinam e assinam manifestos e ficam muito revoltados... e parece que lhes dizem respeito... e parece que não têm mais em que pensar!
    há quem viva demasiado intensamente a vida dos outros... por isso é que as telenovelas têm tantos adeptos no nosso país...
    vou-me calar
    isto revolta-me.

    estou contigo Bê

    ResponderEliminar
  4. Então mas eles não têm de cumprir a lei e pronto?

    ResponderEliminar
  5. Sinto vergonha, pura e simplesmente!!!

    Felizmente eles vão ter de cumprir a lei.

    ResponderEliminar
  6. É assim este país! É por estas e outras mentalidades que este país não anda nem desanda.
    Pena é que esse infeliz, na sua entrevista para este emprego, não lhe tenha sido perguntado a sua cor política, se era católico ou não e depois o entrevistador, lhe dizer - Olhe, não vai ser admitido, porque as suas convicções não estão de acordo com os nossos valores!

    ResponderEliminar
  7. só dá para rir, isto para não chorar de tão triste que é a mentalidade de parte da nossa sociedade...

    ResponderEliminar
  8. e respeitar os outros? não somos todos iguais e com os mesmos direitos? A mente de algumas pessoas é de uma tacanhez...

    ResponderEliminar
  9. Bem, se eu tinha algumas dúvidas, depois de ler este texto deixei de as ter !!!

    MD

    ResponderEliminar
  10. Isso tem uma explicação muito simples: tacanhice e ignorância.

    Por isso é que este país não anda para a frente.

    ResponderEliminar
  11. Oi, passei pra conhecer o blog e desejar bom dia
    bjss

    aguardo sua visita :)

    ResponderEliminar
  12. "Imaginemos um médico a negar o atendimento a uma pessoa por não concordar com a sua orientação religiosa.": infelizmente esta situação acontece muitas vezes. Tudo o mais já não admira. Enfim...

    ResponderEliminar
  13. Bêzinha, não podia estar mais de acordo!


    Tenho ouvido/lido cada coisa na televisão e jornais que me faz impressão!... Enfim...

    ResponderEliminar
  14. Oh pa! É a primeira vez que vejo isto! Tão, mas tão tão, ridículo.

    ResponderEliminar

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins