3 de fevereiro de 2010

Traição


Já há algum tempo que penso escrever sobre traição. Mas começo a pensar sempre no assunto e concluo que não tenho as ideias bem definidas. E escrevei, rescrevi, apaguei e reli um milhão de vezes as linhas que se seguem. Porque como em tudo o que diz respeito às relações humanas, também aqui não podemos referir regras ou esperar comportamentos generalizados, nem tão pouco podemos antever como iremos reagir se tal nos acontecer, só porque já reagimos de determinada forma no passado. Apenas podemos imaginar. Eu nunca traí, mas já fui traída, num passado tão distante que as mossas que na altura me foram infligidas já se desvaneceram com o tempo. Não perdoei e não me arrependo. Imagino que se não perdoei um outro alguém, muito menos perdoaria o P. por ser o amor da minha vida, simplesmente porque não iria suportar. Mas posso afirmar com toda a certeza que não perdoaria? Não e não condeno, de forma alguma, quem perdoa e consegue vencer na relação - acho que é preciso uma coragem e uma força monumental. Depois fico sempre a matutar na velha questão quando é que começa uma traição - haverá algo mais difícil de determinar? E concluo que volto sempre ao início de todas as teorias e uma baralhação de momentos, de conversas sobre o tema, de artigos lidos, etc etc, tomam conta de mim e não consigo seguir uma linha contínua. A única coisa que sei é que para mim já será uma traição quando se deixa de amar, mas não se tem coragem para dizer porque essa falta de sentimento é, muitas das vezes, o motor que provoca tudo o resto. Faz algum sentido? Não sei se sim, mas sei que cada um de nós é um poço infinito de sentimentos, por vezes contraditórios, pensamentos, comportamentos e reacções sem regras ou códigos. Nenhum de nós sabe o que sentirá e como reagirá até o viver...

14 comentários:

  1. A unica vez qu soube, que fui traída, não perdoei... Acho, que não perdoaria ninguém que me fizesse isso, outra vez!! Mas a traíção, não existe só entra casais... Existe também entre amigos e por experiência propria, sei que doí tanto ou mais, que qualquer outrra traição!! Mas, como tu disseste e a meu ver, muito bem, não se pode generalizar... E aqui está um assunto, que daria pano para mangas!! 8)
    Bjinho*

    ResponderEliminar
  2. O problema, quando se perdoa uma traição, é que o amor pelo outro até pode voltar, mas o amor por nós próprios e a confiança no amor dos dois, dificilmente voltaria! Fool me once, shame on you! Fool me twice, shame on me! Eu já perdoei, também num passado pré-histórico,com alguém dinossáurico na minha vida! Não resultou! Por isso, posso-te dizer com toda a certeza, que agora, não perdoaria! Hey, mas isso sou só eu, com as minhas verdades "absolutas" e com a minha liberdade de as ver como tal! ;) Bom Post Bê! Já estava com saudades! Beijinhos!

    ResponderEliminar
  3. Bailarina - eu também sinto assim e tens razão quando referes a traição entre amigos, o que também já vivi e não conseguir perdoar, embora tenha tentado e muito.

    Mulher a 100/h - é exactamente o que eu penso. Perdemos amor próprio, perdemos a confiança em nós e no outro e perdemos muito mais do que ganhamos, por isso penso também que não perdoaria...embora sem certezas ;)

    ResponderEliminar
  4. Eu acho que tudo depende de tanta coisa. Somos todos diferentes, e não há uma situação que seja igual à outra.

    É um assunto que nada tem de preto e branco.

    Ao fim e ao cabo, no final, cada um sabe de si.

    bjinhos*

    ResponderEliminar
  5. sim, e depois não é só a traição física. é a deslealdade, é dares tudo de ti e depois seres traida. eu nunca fui traída, e se o fosse acho que não perdoaria. mas lá está. depende de demasiadas coisas, nao posso dizer desta agua nao beberei.
    beijinho Bê

    ResponderEliminar
  6. Custa tanta a traição entre Amigos... Ainda hoje, quando penso nisso, fico com um aperto no peito e com a lagrima no olho!! Foi a pior traição que tive até hoje e não perdoei...não conseguia!!!
    Bjinho*

    ResponderEliminar
  7. eu já traí...e a traição começou no momento em que percebi que não amava mais aquela pessoa mas continuei com ela, porque era mais fácil, porque era o que toda a gente esperava... não havia uma 3ª pessoa envolvida na altura...traí a pessoa com quem estava mas traí-me, principalmente, a mim mesma.
    Também já fui traída, não perdoei mas sei que a relação já não estava bem, e que isso também era culpa minha...

    atirar pedras e fazer juizos de valor? não... cada um sabe de si, e dorme com a sua consciência e a minha já me fez passar muitas noites em claro!

    ResponderEliminar
  8. Ser traída é como ter de engolir o sapo maior do mundo e este ficar, para sempre, entalado na garganta.

    Trair, não sei como é!

    Beijos

    MD

    ResponderEliminar
  9. Eu já fui traída e, mal soube, terminei a relação. No entanto, não sofri pela pessoa, sofri pelo meu orgulho que foi ferido e, principalmente, pela falta de respeito, pois a relação já tinha acabado há muito tempo, já não havia sentimento...
    Se eu gostasse dele... não sei que atitude tomaria, provavelmente a mesma... Só vivendo a situação...

    Beijinhos

    Helena

    ResponderEliminar
  10. Eu já fui traída (também num passado que agora já parece distante e enterrado). Na altura, chorei, esbracejei, não perdoei, acabámos, perdoei (ou quis acreditar que sim) e voltámos. Mas acho que nunca se perdoa mesmo. Que é só uma tentativa desesperada que se faz de nos anularmos a nós próprios, de elevar outra pessoa acima da nossa dignidade, da nossa auto-estima, de tentar salvar algo que, só mais tarde, se compreende que não tinha salvação. A conclusão foi que nunca ficámos bem depois disso, uma relação com uma traição, fica para sempre com mossa. Eu acho. E, no fim, acabámos definitivamente.

    E se me perguntarem hoje... por mais tempo que tenha passado e já nem sequer fazendo sentido nenhum pensar nisso agora... acho que, até hoje, não consegui perdoar. Marca mesmo.

    ResponderEliminar
  11. Por vezes, confundimos infidelidades com traição, mas quem ama de verdade, perdoa... é algo que aprendemos com o tempo.
    Quando tinha 30 anos pensava como pensas, foi o amor e uma experiência limite que me ensinou a perdoar...

    ResponderEliminar
  12. Oi Bárbara querida, depois de longo tempo, este post foi pra mim e pto, deixo meus afazeres de lado e venho comentar. Passei metade do ano passado em dor e sofrimento. Emagreci e fiquei cadavérica, doeu muito, chorei rios e lagos, parei literalmente a minha vida por dor de "corno" (usam este termo aí em Portugal?). Eu era apaixonada, depois do Tuca achei que tinha encontrado alguém que eu realmente tinha paixão, um amor enorme, fazia tudo por ele e achava que tudo corria bem, que éramos felizes. Viajávamos, nos divertíamos, enfim. E eis que a verdade vem à tona, certo? Não busquei nada. Peguei uma mentirinha e quando dou por mim era uma mentirona com várias meninas, muitos flertes, encontro com a ex, trocas de sms de madrugada com frase do tipo: "saindo do banho? hmmmm" e a totó aqui era motorista, levava e buscava, fazia km por amor. Um amor que não me merecia! Ok, adoeci, precisei de médico pq não conseguia acomodar tudo na mente. Era a mesma pessoa que eu estava o tempo todo? Graças a Deus, levei muitos meses, até há pco tempo meu coração ainda doía por ele. E talvez goste desta criatura, não desta ruím, daquela que eu namorei, até hoje. Mas não perdoei. Passei por louca, porque é assim que ele me chama: "louca. Nada disso aconteceu. Não fiz nada". Mas tenho provas lícitas, li toooodos os e-mails, então não há mto como negar. Perdi mtos amigos que acreditam nele, ok, e a vida pra mim caminhou, andou .... e hoje sou super feliz da minha escolha madura, de ter seguido minha intuição e consciente que não teria dado certo NUNCA, porque se o perdoasse estaria sempre insegura e no fundo, lá no fundo não perdoaria alguém que não teve respeito por mim, pelo meu coração. Estou a espera de um novo amor, que não precisa ser rico, lindo, nada disso, só quero que seja fiel comigo e leal ao nosso compromisso, ao nosso amor. No mais, antes, quero passar naquele concurso que estudo há 1 ano e meio, mas que já tô quase lá, depois papai-do-céu pode mandar o "querido". Hahaha! Ufa, ufa! Pois é, depois de um Tuca que era a coisa mais amorosa do mundo, adorável, de quem eu não tenho nada de feio pra falar, mas que infelizmente eu não gostava o suficente para casar e ficar em Portugal pra sempre, vou namorar um ordinário destes que eu entrego meu coração, ai a gente tem um funcionamento estranho às vezes, né? Xiiiii ... Mil beijos!!

    ResponderEliminar
  13. Que mote Bé.
    Estou a viver o tema a quente por estes dias, se bem que ele se tenha anunciado sem perceber.
    A primeira reacção foi a de aceitar...depois veio a quase raiva de não a entender...e agora agora mesmo depois de te ler... o ficar a pensar se a causa valerá o tentar apagar a memória que me belisca a vontade de não perdoar.
    Abraço

    Miguel

    ResponderEliminar
  14. dizemos que quem ama perdoa...
    Mas perdoar não será um tiro no escuro!?
    Perdoar não será dar asas a que essa traição se perpectue arrasando a nossa dignidade e auto-estima?
    Não condeno quem perdoa, já eu por mais que sofresse não o faria.
    Quando cai a primeira pedra do muro da confiança.... as que estão por cima não o suportam mais.

    ResponderEliminar

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins