22 de abril de 2010

Por aqui é assim:


Ando entupida, atolada, almariada e desaustinada de todo com o trabalho e mais trabalho e o mestrado e a vida pessoal e os amigos e a casa e médicos e consultas e mais não sei o quê...
(Post obviamente escrito sob os efeitos do delírio provocado pela necessidade urgente de férias, que surge nesta fase em que as últimas foram há tempo demais e as próximas ainda demoram a chegar e tudo o que me resta são os planos...)

16 de abril de 2010

Eu sou a favor!

Mesmo correndo o risco de ser apedrejada na praça blogótica, venho aqui afirmar que sou totalmente a favor da depilação masculina e mais, não acho que seja coisa de gay. E depois desta afirmação, pensam vocês que o Homem aqui do Cantinho é um adepto desta coisa que, pelos vistos, provoca muita celeuma por aí. Mas não, felizmente é um homem com o pêlo muito bem distribuído pelo seu 1.83m (e escrevo felizmente porque sei o quanto custa fazer a depilação e todos nós sabemos que os homens têm muito menos resistência à dor que nós, mulheres). Então porque é que eu sou a favor? Porque acho que os Tony Ramos deste mundo têm todo o direito de, se assim o entenderem, finalmente poderem ir à praia sem aquele tapete maciço característico e que deve provocar um calor horroroso, além do efeito visual pouco simpático e do potencial de transpiração e terríveis consequências que carrega. Ah pois é! Porque as meninas amam os anúncios com os Gianecchinis de peito ao léu, sem o vislumbre de um único pelinho, mas se o mesmo fosse com o Tony, queria ver quem gostava e suspirava e coiso - mas depois acham que o Tony, se é homem, se é macho, se os tem no sítio (oh que expressão horrorosa), tem que se aguentar. Por outro lado, sou completamente a favor da liberdade e se nós mulheres conquistamos o direito, há muito tempo atrás, de usar calças e de desempenhar tarefas até então exclusivamente masculinas, então não será tempo de abandonarmos os sexismos e deixarmos os homens terem mais cuidados com o seu corpinho, sem os catalogarmos imediatamente? Homem com pêlo ainda vá, agora pêlo com homem, não, obrigadinha!

14 de abril de 2010

Para mim...

Amigo para mim é aquele que me conhece de verdade e que gosta de mim em toda a dimensão do meu ser. É aquele que não tem problemas em ser sincero comigo, que me diz as verdades na cara. É aquele que me aponta os defeitos, que me diz o que fiz de errado quando eu realmente erro, que me diz que aquela peça de roupa me fica terrivelmente mal, quando realmente fica, que me alerta para a folhinha de espinafre que teimosamente se agarrou aos meus dentes, ou que me maquilhei mal, mais parecendo uma palhaça, sem pudor, sem receio de me melindrar. É aquele que sabe que pode confiar em mim, assim como eu lhe posso confiar o mais íntimo dos meus pensamentos. É aquele que me procura quando tem problemas, por piores que sejam, ou quando erra, porque sabe que eu não o vou julgar, mas sim apoiar, orientar, ajudar. É aquele que não tem problemas com a minha sinceridade e que não se chateia sempre que tenho opiniões diferentes das suas. É aquele que tem o seu telefone sempre disponível para ouvir um desabafo meu. É aquele que sabe que eu estou lá, sempre, aconteça o que acontecer. É aquele que me compreende, que me sabe ler e que sabe, mesmo sem o poder das palavras, quando estou bem, ou quando estou mal, porque sabe interpretar os meus sinais, porque conhece as minhas expressões, porque sabe que, por vezes, quando estou mais sorridente e brincalhona, estou apenas a afastar as nuvens que pairam sobre a minha cabeça. É aquele que me acalma quando estou nervosa e que partilha comigo as minhas alegrias, fazendo também minhas as suas alegrias e tristezas. É aquele que ri comigo, que chora comigo...é aquele cujo sangue que corre nas veias não é o mesmo que o meu, mas cujos laços de coração fortes, inquebráveis, eternos...

11 de abril de 2010

...um ano e meio depois...

E há um ano e meio atrás, era assim...




Parabéns a nós meu amor*...
*Perdoem a lamechice, mas pelo menos até aos 25 anos de casamento, vou festejar os anos e os meios e tudo a que tenho direito...

9 de abril de 2010

Noites minhas


Por vezes, depois de um longo dia de trabalho, não há nada mais reconfortante do que ter a casa todinha só para nós, tomar um longo banho, com aquele gel bem cheiroso e cremoso e com água muito quente, vestir aquela roupa confortável e deitarmo-nos no sofá a ver as nossas séries preferidas...esperando ser acordada com um beijo dele, depois de uma noite (que se espera longa) de jantarada e copos, just for the boys...

Angústias de uma Primeira dama


Neste momento, o Homem aqui do Cantinho é o administrador do prédio onde vivemos, o que faz de mim qualquer coisa entre a primeira dama aqui do sítio (coisa obviamente fina) e a secretária do administrador, que aponta todos os recados que quase diariamente lhe são passados. Pois é. Porque as vizinhas, todas elas bem mais velhas, gostam é de se cruzar comigo e partilhar as mágoas do elevador que fica preso, e da porta que ficou aberta, e o pagamento do condomínio e os cheques e os afins. Uma canseira, portanto, que normalmente decorre durante aqueles preciosos 5 minutos da manhã em que eu já deveria estar a subir a rua da escola e ainda estou a trancar a porta de casa, com o relógio por colocar e os brincos no bolso do casaco e um milhão de coisas nas mãos - as 32 chaves, o telemóvel, os óculos escuros, o iogurte líquido, o mP4 e a mala, já pesadíssima mesmo antes de levar com estas coisas todas lá dentro. Depois há o inconveniente de que qualquer barulhinho estranho ou indícios de obras nos são religiosamente comunicados, quais espiões de robe que me entram pela casa a dentro a horas impróprias (será que no Verão aparecem de pijama? Oh god!!) - normalmente quando eu já estou confortavelmente alapada ao sofá, com uma roupinha confortável ou com o pijama de 1995, os olhos abertos a muito custo e preparada para dormir ali os primeiros minutos da noite de sono. No meio disto, o gato Tobias, que gosta sempre de dar espectáculo, ainda se lembra de se deitar de barriguinha para o ar, com o ar mais meigo do mundo, não sabendo na sua ingenuidade felina que a mesma vizinha já insinuou que o gato dela é bem mais bonito que o meu - mastronça parva e mal-educada, para não escrever bem pior.
E ainda está para chegar o dia da reunião de condóminos, a qual, aqui no prédio, se realiza não na entrada do mesmo, mas na casa do administrador - é sempre agradável, o meu palácio invadido por vizinhos - e ainda vou ter que levar com a vizinha maluca do 2.º andar, de olhos alucinados e pernas por depilar desde 1987, que usa uns ténis 5 números acima do seu com saias rodadas e que cheira a tabaco que tresanda e da qual eu fujo sempre, porque uma pequena parte de mim (que viu demasiados filmes de terror na adolescência) acha sempre que ela me vai esperar à saída do elevador (que é daqueles antigos, com grelha, bem propensos a uma cena medonha) com um facão do mato, para me cortar as goelas, enquanto, impiedosamente apaga o cigarro em qualquer parte do meu corpo ensaguentado. Se algum dia eu desaparecer, de certeza que foi ela que me raptou! Fica aqui o aviso.
E depois há os vizinhos atenciosos e educados (mas cujo quarto é pegado com o meu, por isso morro de vergonha de cruzar o meu olhar com o deles) e há aqueles que nunca querem pagar nada e que são uns mal-educados do pior (e ainda são do Sporting, por isso tenho que levar com eles, uma vez ou duas por ano quando o seu clube marca um golito, credo).

Isto tudo para vos alertar, meus queridos, se puderem, não aceitem nunca ser administradores de condomínio - é uma carga de trabalhos daquelas que nunca se sabe como vai acabar...

8 de abril de 2010

No que eu me fui meter...


Agora também por aqui...Numa de psicologia barata daquela que não se encontra nos livros e não se sustenta em estudos, antes se depreende das experiências do dia-a-dia, de algumas leituras menos científicas ou das minhas observações por vezes certas e muitas vezes erradas, do mundo à minha volta.

7 de abril de 2010

O melhor do mundo!


Sabem quem é que tem o irmão melhor, mais lindo, maravilhoso e amigo do mundo? Sabem? Pois claro que sou eu! É que quase todos os dias me liga para me dar nas orelhas por descurar alguns problemazinhos de saúde (sou tão mais activa e preocupada com os outros do que comigo mesma). Podia ser chato? Até podia, mas para mim é tão doce e meiga, esta preocupação fraterna diária.

Até porque é sempre ele que me acompanha naquelas situações complicadas de exames difíceis e de recuperações em casa, não deixando que me falte nada. Basta uma pequena gripe e lá está ele no meu palácio, carregado de dvd's para me entreter e disposto a passar tempo com a pior companhia do mundo. E se em pequenos nos dávamos qual cão raivoso e gata assanhada, hoje em dia somos os melhores amigos e confidentes - porque a idade traz muitas coisas boas, uma delas a maturidade emocional com que lidamos com as pessoas que realmente nos são próximas.

2 de abril de 2010

Tesouros escondidos


Ontem, depois de um maravilhoso almoço de sushi com o atlântico como pano de fundo, foi dia de me dedicar, finalmente, a uma limpeza bem profunda e aprumada do meu veículo automóvel. Essa tarefa constantemente adiada e que nós mulheres tanto prezamos e à qual nos dedicamos uma vez em cada 5 anos, mais coisa menos coisa. Mesmo com a ajuda do P. e o incentivo de estar prestes a vender o meu carro, foi coisa para me custar imenso e me deixar afastada de tarefa igual para a próxima década - senão pelo esforço, pela quantidade de porcaria que ficou acumulada debaixo das minhas unhas e que demorou uma eternidade a limpar e pelo cheiro de detergente para carros que se entranhou no meu nariz para ali ficar por um bom par de horas. Mas, pior que o limpa limpa e esfrega esfrega, foi mesmo a arrumação de tudo o que fui acumulando com o passar dos anos - do porta-bagagens saíram umas botas lindas que nem me lembro como foram lá parar e que pensava ter perdido (como é possível?). Ao mesmo tempo tinha uns 5.237 talões de portagem da ponte 25 de Abril e uns quantos sacos de plástico com embalagens de iogurte para reciclar, mas que não viam a luz do dia há uns anos...Encontrei ainda umas fotografias, um postal com um bilhete da lotaria de 2000 e troca o passo (de certeza premiado), livros, encadernações de uma matéria que bastante falta me fez há um ano atrás quando estava a preparar uma formação em gestão de stress (e o que eu desarrumei a casa à procura destes documentos). Do porta-luvas saíram disparadas mais umas centenas de talões da portagem, o esqueleto de um telemóvel do início do século, livros, cartas, postais e no chão, por baixo do banco, um Mp3 que ofereci ao Homem aqui do Cantinho há uns 4 anos atrás e que ele perdeu há uns 3 anos e 10 meses e cuja perda tem sido bem usada por mim para me vitimizar sempre que necessário - até ontem, porque agora, para ele, a culpa é toda minha por nunca me ter lembrado de o procurar debaixo do banco DO MEU CARRO (como é que nunca me passou pela cabeça?). Mas, entusiasmada com esta descoberta, imaginei-me logo a encontrar uma série de outros tesouros há muito perdidos - como duas chaves do carro, ou dinheiro, ou cartões multibanco (sou perita em perder qualquer destas coisas). Infelizmente só encontrei muita porcaria, cotão e embalagens vazias de chocolate e pastilhas - resquícios das longas esperas que ali vivi.
Depois desta limpeza (acredito que o meu carro não estava tão limpo desde o dia em que saiu do stand), ficou tão bonito e cheiroso que quase perdi a vontade de o vender...Porque embora seja só um carro e neste momento não me faça falta (ainda temos o carro do P. e a mota e eu trabalho à porta de casa), já fui muito feliz dentro dele (não sejam marotos!!), já fiz muitas viagens (uma delas para ir buscar o Homem do Cantinho ao aeroporto de Faro, depois de uns longos meses de ausência na Alemanha), já ri lá dentro, já chorei, já cantei muito e já enfrentei longas horas de filas, ao som de músicas que me tocam. E eu tenho imensa dificuldade em desfazer-me das mais pequenas coisas, quanto mais de um carro que comprei com tanto esforço e que tem feito parte de tantos momentos da minha vida...Oh God!! Prevê-se um momento lacrimoso no dia da venda...
BTW - Têm ideia da quantidade de imagens badalhocas que aparecem na internet quando procuramos uma rapariga a lavar um carro?? E eu que me esqueci do biquíni em casa e fui de calças de ganga e camisola de manga comprida...Sinceramente!