9 de abril de 2010

Angústias de uma Primeira dama


Neste momento, o Homem aqui do Cantinho é o administrador do prédio onde vivemos, o que faz de mim qualquer coisa entre a primeira dama aqui do sítio (coisa obviamente fina) e a secretária do administrador, que aponta todos os recados que quase diariamente lhe são passados. Pois é. Porque as vizinhas, todas elas bem mais velhas, gostam é de se cruzar comigo e partilhar as mágoas do elevador que fica preso, e da porta que ficou aberta, e o pagamento do condomínio e os cheques e os afins. Uma canseira, portanto, que normalmente decorre durante aqueles preciosos 5 minutos da manhã em que eu já deveria estar a subir a rua da escola e ainda estou a trancar a porta de casa, com o relógio por colocar e os brincos no bolso do casaco e um milhão de coisas nas mãos - as 32 chaves, o telemóvel, os óculos escuros, o iogurte líquido, o mP4 e a mala, já pesadíssima mesmo antes de levar com estas coisas todas lá dentro. Depois há o inconveniente de que qualquer barulhinho estranho ou indícios de obras nos são religiosamente comunicados, quais espiões de robe que me entram pela casa a dentro a horas impróprias (será que no Verão aparecem de pijama? Oh god!!) - normalmente quando eu já estou confortavelmente alapada ao sofá, com uma roupinha confortável ou com o pijama de 1995, os olhos abertos a muito custo e preparada para dormir ali os primeiros minutos da noite de sono. No meio disto, o gato Tobias, que gosta sempre de dar espectáculo, ainda se lembra de se deitar de barriguinha para o ar, com o ar mais meigo do mundo, não sabendo na sua ingenuidade felina que a mesma vizinha já insinuou que o gato dela é bem mais bonito que o meu - mastronça parva e mal-educada, para não escrever bem pior.
E ainda está para chegar o dia da reunião de condóminos, a qual, aqui no prédio, se realiza não na entrada do mesmo, mas na casa do administrador - é sempre agradável, o meu palácio invadido por vizinhos - e ainda vou ter que levar com a vizinha maluca do 2.º andar, de olhos alucinados e pernas por depilar desde 1987, que usa uns ténis 5 números acima do seu com saias rodadas e que cheira a tabaco que tresanda e da qual eu fujo sempre, porque uma pequena parte de mim (que viu demasiados filmes de terror na adolescência) acha sempre que ela me vai esperar à saída do elevador (que é daqueles antigos, com grelha, bem propensos a uma cena medonha) com um facão do mato, para me cortar as goelas, enquanto, impiedosamente apaga o cigarro em qualquer parte do meu corpo ensaguentado. Se algum dia eu desaparecer, de certeza que foi ela que me raptou! Fica aqui o aviso.
E depois há os vizinhos atenciosos e educados (mas cujo quarto é pegado com o meu, por isso morro de vergonha de cruzar o meu olhar com o deles) e há aqueles que nunca querem pagar nada e que são uns mal-educados do pior (e ainda são do Sporting, por isso tenho que levar com eles, uma vez ou duas por ano quando o seu clube marca um golito, credo).

Isto tudo para vos alertar, meus queridos, se puderem, não aceitem nunca ser administradores de condomínio - é uma carga de trabalhos daquelas que nunca se sabe como vai acabar...

10 comentários:

  1. q horrroooorrrrrr.
    eu la na minha rua q graças a deus vou deixar para ir morar num lugar bem mais aprazivel...
    também tenho dessas vacas q adoram atrapalhar e perguntar de tudo um pouco.
    e olha q nao administro prédio nenhum.
    Mas eu querida e simpatica q sou digo:
    Minha senhora sei k nunca fez nada na vida..
    desde q nasceu...
    eu fiz e faço tenho horários.
    e ja q nao os pode cumprir por mim... va fazer nas suas rendinhas q eu tenho de ir a minha vida!
    Já disse isto, e com outras palavras a mistura q nao posso escrever aqui. beijo

    ResponderEliminar
  2. Bem, realmente a vida complicou um bocado!
    Quando for grande, vou tentar não morar em prédios para não correr o risco de ser " a primeira dama". Ou de ter medo daquela vizinha (ahahah, se tu desapareceres já sabemos). Ou de me sentir envergonhada ao ver aqueles que têm um quarto pegado ao nosso. Ou de aturar os vizinhos sportinguistas...

    Beijinho*

    ResponderEliminar
  3. E eu que ando a pensar meter-me numa empresa de administração de condomínios...

    ResponderEliminar
  4. Fónix, eu dou graças a Deus de viver numa vivenda.

    ResponderEliminar
  5. eu nunca fui a uma reuniao do condominio.... fujo disso como o diabo da cruz!

    ResponderEliminar
  6. Adorei a descrição fez-me lembrar um filme do qual não me lembro o nome, em que ele é um escritor ou está a escrever um livro e alugam uma casa muito gira e mora no segundo andar uma velha que lhes inferniza a vida,
    e no final eles acabam por vender a casa e a velha morre, acho que é mais ou menos isto,
    beijinho e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  7. pois...os vizinhos ao lados dos nossos quartos são sempre complicados! ;)
    Eu já tive um senhorio psicopata...e também cheirava a tabaco que tresandava e não fazia a barba também desde 1900 e tal, se calhar a tua vizinha das sais e ele são a alma gémea um do outro!

    ResponderEliminar
  8. hahahh!!!
    Tem mesmo piada,
    Eu sei bem o que isso é.
    Três anos administradora, mas as reuniões são na garagem.
    A vizinhança na minha casa, nã, nã! Isso é que não.

    Jinhos

    ResponderEliminar
  9. AHAHAHAHAHA onde é que vives my love? No inferno? ahahahaahah quero uns vizinhos assim :D lollol
    olha, quanto aos vizinhos do lado, quando passares por eles piscas o olho e dizes "hmmm que cara de invejosos" ahahahahahahahah

    ResponderEliminar

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins