8 de setembro de 2010

Mais de mim...


Conforme vamos crescendo, as pessoas vão esperando sempre algo de nós: que sejamos estudantes aplicados, que tiremos uma licenciatura, que encontremos alguém que nos faça felizes, com quem casamos, que arranjemos um bom emprego, com um contrato de trabalho, que tenhamos filhos e mais tarde netos. Confesso que eu mesma tracei todos estes planos (excepto a parte do casamento que, até há poucos anos atrás, não fazia parte dos meus objectivos de vida). Quando comecei a trabalhar "a sério" (porque trabalho desde os 16 anos), sentia-me de facto privilegiada, por ter um óptimo trabalho, por ter comprado um carro, por ter ido viver sozinha aos 24 anos, ao contrário de todos os meus amigos, que ainda viviam com os pais. Por essa altura, o meu futuro ideal seria ter o primeiro filho aos 27 anos e, neste momento, em que caminho para os 32, já estar à espera do terceiro - era esta a minha conta perfeita: eu, o P. e três filhos, além dos gatos, claro. Esperava eu e o mundo inteiro à minha volta: mundo esse composto por amigos, família, conhecidos, colegas de trabalho, conhecidos da família...Sempre fui apaixonada por crianças e elas sempre foram apaixonadas por mim. Mas a vida troca-nos as voltas e nem sempre nos permite ter tudo o que queremos. E isso é o que nunca passa pela cabeça das pessoas que insistem em perguntar-nos quando teremos filhos - é que nem se atrevem a imaginar que poderíamos nem querer, tão convictos que são dos padrões exigidos pela sociedade, o que não é o caso, mas que, pelo menos para já, não podemos, porque a natureza é tão mais forte do que nós e ainda não nos proporcionou essa dádiva. Houve até já alguém que referiu a uma das minhas irmãs que eu estava a ficar velha...e embora não o sinta, eu sei que o meu corpo está cada vez menos preparado para isso, mas o próprio tem-me preparado uma série de surpresas desagradáveis - os leitores mais antigos lembram-se da minha operação e da reincidência de um problema de saúde, que ainda me levará à mesa de operações e ao corrupio de exames novamente - e por isso ainda é um processo que se espera longo e com um fim inesperado.
Já não conto ter três filhos - espero pelo menos um e, quem sabe, adoptar outro, se a vida mo permitir. Mas estou cada vez mais preparada para o pior, nesta batalha que é longa e ingrata, porque pouco há que possamos combater...resta-nos esperar.
E mesmo assim sou feliz em todos os momentos da minha vida, apoiada numa aprendizagem que fiz com o P. - não me deixar abater com possibilidades, apenas reagir quando tenho dados concretos. E é por isso que em Setembro se espera uma nova fase desta nossa batalha, que já vai bem longa, acreditem...

E porque é que resolvi escrever sobre isto, tanto tempo depois? Porque o blog é uma extensão de mim e porque sei que tenho leitores que podem estar a passar pelo mesmo e embora não os conforte saber que eu também estou a passar por isso, talvez conforte eu saber exactamente o que sentem e porque tento passar a mensagem de que podemos ser felizes, mesmo quando alguns dos nossos sonhos não correm exactamente como esperávamos. Porque devemos agarrar-nos ao que a vida nos dá de bom e, se olharmos para o mundo à nossa volta, há tanta coisa boa que nos pode fazer felizes!

46 comentários:

  1. B, acima de tudo, e tal como referes, tens imenso a que te agarrar. E sim, podemos ser felizes mesmo não concretizando todas as métas a que nos propomos, no entanto devemos nunca esquecer, que nada é impossível, e que surpresas chegam quando menos contamos.
    um beijinho enorme.

    ResponderEliminar
  2. Curioso este post... fez-me recordar um período da minha vida, em que também eu, tive todos esses sonhos e esperanças.
    Só que, aquilo que só acontece aos outros, também a mim aconteceu.
    Tive um primeiro casamento durante 15 anos e como todas as outras pessoas, os filhos faziam parte dos meus planos, mas os anos passaram e nada... engravidei uma primeira vez, 8 anos após casar e às 11 semanas um aborto espontâneo. Engravidei a segunda vez 2 anos depois, novo aborto espontâneo. Exames para cá, exames para lá e o veredicto... Não posso ter filhos, pois tenho o útero sub-septado (retirei o septo antes da primeira gravidez).
    A minha vinha "desmoronou" nessa altura, os meus sonhos desvaneceram-se e o meu "castelo" ruiu!
    Divorciei-me uns anos depois e refiz a minha vida novamente.
    Hoje, passados mais de 10 anos, já me habituei, e não mais faço um cavalo de batalha o não ter filhos. Tenho pena, claro que tenho pena, mas o meu destino não era ter filhos biológicos.
    O ser humano tem essa capacidade de se adaptar e aceitar as situações, as privações, as alegrias e tristezas.
    Não sou infeliz por não ter filhos, pelo contrário, sou igualmente feliz, um casamento estável, dois enteados (tinha de existir crianças na minha vida) e vou tendo alguma saúde.

    Minha querida Bê, cada caso é um caso, e acredito que irás ultrapassar os problemas de saúde e quem sabe, num futuro bem próximo nos anuncies que vais ser mamã?

    Peço desde já desculpa pelo comentário extenso, mas senti necessidade de o partilhar :-)

    Um beijinho.
    Ana Rita P.

    ResponderEliminar
  3. como eu te entendo!
    estou nos 30 e, segundo os meus sonhos, devia estar à espera do 2º filho e estar a dar aulas numa escola perto de mim!
    Nem o primeiro filho tenho (tenho o filho do meu namorado, mas só de 15 em 15 dias não é bem a mesma coisa) e estou a dar explicações a recibos verdes...
    Se alguém me pergunta quando tenho filhos, tenho vontade de chorar porque as pessoas "pressionam" mas não sabem como é a vida! Se não tenho, não é porque não queira, não é porque não tente! É porque coisas más acontecem, abortos espontâneos também e não me apetece explicar isso a ninguém (aliás, acho que não o conseguiria fazer sem chorar)

    E assim saiu um comentário quase do tamanho de um post e onde falei de coisas que nem falei no meu blogue! Agradeço pelo teu post porque, não sendo bom (saber do sofrimento dos outros não me alegra), conforta saber que há pessoas que sentem o mesmo que nós!

    ResponderEliminar
  4. Bê,

    não sei muito bem entender ainda o que estás a passar. Talvez porque ainda estou no início da fase jovem adulta e ainda não tenho a persepção (ou pelo menos, grande parte dela) de que a sociedade nos vai impondo, quer queiramos, quer não, a ideia de que para termos estabilidade na vida temos,obrigatoriamente, de ter filhos.
    Como dizes, a ideia de casar surgiu porque, felizmente, encontraste a pessoa certa. Penso que com o factor 'filhos' será a mesma coisa.
    Sou nova por aqui, na parte do comentar, mas já sigo o teu blog há algum tempo. É daqueles que me dá imenso prazer ler. Parabéns!

    ResponderEliminar
  5. Todos projectamos a nossa vida e raramente vemos os fracassos do futuro. Em relação aos filhos isto não me aconteceu, mas aconteceu em relação a muita coisa, muito importante que ainda não foi alcançada e que em parte podera ficar pelo caminho... Mas por um lado perdemos, doutro ganhamos. Ouvi dizer que é isso a vida ...

    ResponderEliminar
  6. PS : Boa sorte para os teus sonhos e projectos !

    ResponderEliminar
  7. tu és uma pessoa espectacular.
    toda esta tua forma de pensar, acredita, será muito útil no que venha a seguir, para teres o teu pedacinho de amor "Bê+P." e eu acredito que vais conseguir.
    porque as pessoas determinadas e com paixão pela vida não baixam os braços nem fazem de um problema um lema de vida, apenas o encaram como um obstáculo... e respiram fundo para, com muita força e muito amor, darem o maior salto da vida. a caminho do sonho.

    um beijo grande.
    sabes que percebo muito do que estás a passar e estou "por aqui" para o que precisares.

    beijos

    *e sim, as pessoas conseguem ser muito cruéis...

    ResponderEliminar
  8. A mensagem que deixaste é bonita. Tens razão, devemos agarrar-nos ao que temos de bom para nos dar força para o menos bom. E eu torço do fundo do coração para que tu e o P consigam o filhote logo que possível =).
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. Como senti este texto... Sei o que sentes e sei como é difícil por vezes nos focarmos nas coisas boas quando nos tiram algo de tão grande e valioso. Mas nós conseguimos sempre:) Muita força. Beijinho

    ResponderEliminar
  10. Foste uma corajosa em falar no assunto e, só por isso, parabéns.
    És uma mulher de luta.
    Recordo-me da nossa infância e esta é sempre marcada pelas nossas posições díspares relativamente ao tema : tu querias um rancho de filhos e eu nenhum... A vida prega-nos destas partidas. Mas aprendi que, o que à primeira vista são partidas, não são, é somente o nosso destino. Se tens tido este caminho para trilhar, acredito e sei mesmo, que muitas outras compensações se têm cruzado por ele e te têm feito sorrir mas, sobretudo acredito, que no final encontrarás a justificação e compensação para tudo.
    Um grande beijo e, como sempre, espírito positivo, não deixes que nada ofusque a tua alegria natural e tudo o que de bom te rodeia.

    ResponderEliminar

  11. sei exactamente o que sentes.
    Semre sonhei ser mãe, mas infelizmente sempre me disseram (medicos) que seria impossível.
    Tinha sonhado tudo isso, ter filhos aos 25 o mais tardar 30, 2 e um "suplente" como costumava chamar aos 3 filhos que queria ter.
    A vida não me proporcionou isso e fui vivendo, feliz com o que tinha e com a vida que levava, sonhando adoptar uma criança.
    Mas a vida prega-nos partidas, umas piores e outras, como a minha, do melhor.
    Aos 38 anos conheci o amor da minha vida e aos 39 engravidei!!!
    A própria médica que me seguia há algum tempo ficou parva, mas a verdade é que agora, aos 40, tenho uma princesa linda!!! E ainda não desisti do sonho de adoptar!
    Não há idades certas e erradas... há que aproveitar a vida e o que tem de bom e o que tiver de ser será :)
    beijinhos e que corra tudo bem com a tua saúde e possas vir a gozar a maternidade (biológica ou de coração com um bebé adoptado)

    ResponderEliminar
  12. Só há poucos dias tomei contacto com este blogue. E gostei tanto que voltei.

    Também faço por valorizar o que tenho de bom na minha vida.

    Quando tive o meu filho, disse ao meu médico, ainda na maternidade, que passados 2/3 anos lá estaria outra vez. Mas, contra todas as vontades e expectativas, não tive mais filhos. E agora, passados quase 4 anos desde que a extirpação dos dois ovários me fizeram entrar na menopausa precocemente, continuo a amar a vida e a aproveitá-la bem. Só tenho um filho, é certo, mas vivo intensamente o que tenho de melhor.

    Desejo-lhe tudo de bom e que consiga, rapidamente, ter o seu bebé. Faço votos para que recupere, rapidamente, a saúde.

    Agora que entrei aqui, de certo venho espreitar mais vaezes.

    Um beijinho e um abraço apertadinho

    ResponderEliminar
  13. Be,
    Eu leio-te no reader e acho que nunca comentei, mas quis apenas vir dizer-te isto. 31 anos? Nao és velha para ser mãe! Nao des ouvidos a essas pessoas... infelizmente as pessoas nao sao sensiveis suficiente para perceber que as vezes as coisas nao acontecem porque nao, e nao por egoismo... é mais facil julgar. Mas estou a torcer por ti e que Setembro te traga optimas noticias.
    Beijo!

    ResponderEliminar
  14. Foi um gosto visitar o teu blog. Estive a ler alguns post e para não me esquecer de voltar já sou seguidor. Se possivel passa no meu e torna te seguidor também. abraço

    As aventuras de um empregado gourmet

    http://ohpirussas.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  15. Bê, acho viver é ir aprendendo os nossos próprios timings.
    A vida é nossa, só nós é que a vivemos, portanto por que deixaríamos que os outros nos dissessem o que é certo? Certamente a vida das outras pessoas também não correu 1+1=2 e isso não nos deu o direito de criticar o que quer que seja. Assim, também é legítimo esperar que ninguém emita juízos de valor.
    Uma coisa é a opinião das pessoas que nos amam, que, quer concordemos ou não, respeitamos, também porque sabemos que só querem o melhor para nós. Outra coisa é a ideia que as pessoas têm que podem simplesmente dizer o que querem, sem se preocupar com os sentimentos e razões dos outros.

    Espero que corra tudo bem nesta fase, o resto vai chegando aos poucos, especialmente se nos permitirmos ir sendo felizes no processo, o que acredito que é o caso.

    ResponderEliminar
  16. Tenho uma colega que demorou três anos para conseguir engravidar. Nós sabíamos que ela andava a tentar e perguntávmos sistematicamente se já tinham conseguido. Hoje ela confessa-nos que o mais duro foi passar pelas interrogações constantes das pessoas. Diz que se sentia muito desconfortável qd tinha de dizer o não, sentia que estava sempre a falhar.
    Aprendi essa lição e nunca mais interroguei ninguém sobre o assunto!
    Quando menos esperares, vais ser mãe, uma linda mãe :)
    Concordo ctg, apesar de os nossos planos não se concretizarem com a precisão que gostarámos, o importante é sermos felizes!
    bjs

    ResponderEliminar

  17. Não posso dizer que sei o que sentes! A vida não me pregou essa partida! Mas gosto sempre de pensar numa frase tão cliché e popular "Quando se fecha uma porta, abre-se uma janela" na qual cada vez mais acredito, porque a própria vida assim mo tem mostrado! O teu sonho vai-se realizar, acredito nisso! E pelo que vou lendo (e que até hoje nunca comentei, sou mais de ler pelo prazer!) és uma mulher doce, mas forte, e tenho a certeza que a vida te vai abrir uma janela bem rasgada e com um sol imenso a espreitar! O caminho pode não ser o mais fácil e pode ser o mais sinuoso possível! Mas vai valer a pena! Torço por ti! Bjo

    ResponderEliminar
  18. Querida, a tua postura perante a vida e perante as situações é maravilhosa, de louvar mesmo. Continua assim, a apoiar-te nas coisas boas e que te fazem bem.

    Beijo grande

    [ AMO o novo layout! :D ]

    ResponderEliminar
  19. Nem tudo se alcança e temos de estar preparados para falhar.

    ResponderEliminar
  20. Para ti é esta a minha resposta : http://saltosaltosvermelhos.blogspot.com/2010/09/nao-somos-as-unicas.html

    ResponderEliminar
  21. Obrigada a todos pela partilha, pelas palavras que me fazem sentir acarinhada. Ponderei durante meses se devia ou não fazer este post, se estaria a expor-me demais, se me arrependeria. Mas como em todos os momentos que partilho aqui, foi bom sentir-me abraçada por todos vocês. Tenho os melhores leitores do mundo :D

    A ti Saltinhos Vermelhos - deixaste-me quase sem palavras...:)
    És um exemplo para mim

    ResponderEliminar
  22. Sempre sonhei que a minha vida seria de uma determinada forma também. Tinha planos de nesta altura, com 29 anos, ser já mãe e acima de tudo uma mulher independente. A vida trocou-me as voltas por volta dos 20, brindado-me com uma depressão grave que me fez perder 15kg e muitas capacidades. Até hoje recupero e às vezes acho que vou passar a vida a recuperar. Não é tão grave como a tua situação mas quis partilhar.

    Há muito que sigo o teu blog e sabia que tinhas esse problema de saúde mas nunca quis fazer perguntas.

    Por aquilo que conheço de ti, sei que és uma pessoa forte e hás-de conseguir ficar boa de vez! Quanto aos filhos, é relativo. Quem tem essa vontade de ser mãe tão forte como tu tens, vai encontrar uma forma. Mãe é aquela que protege e dá amor. Isso vais sempre poder fazer.

    Um grande beijinho e sabes que estou aqui para o que precisares.*

    ResponderEliminar
  23. Adorei o Cantinho da Bê! Muitos parabéns por um blog tão fofinho!

    Muitas felicidades e saúde*

    ResponderEliminar
  24. Olá.
    Tenho que confessar que já por aqui passei algumas vezes, sem no entanto comentar.
    Mas hoje não podia deixar de o fazer.
    Percebo tudo aquilo por que estas a passar e é verdade que as pessoas conseguem ser muito cruéis.Passo pelo mesmos e realmente não é fácil, mas temos que levantar a cabeça e seguir em frente, não é verdade?

    Beijo
    Susie

    ResponderEliminar
  25. Passo por aqui muitas vezes, leio, sorrio, dou gargalhadas, e outras tantas vezes fico a pensar. Hoje tenho que parar e comentar, nem que seja simplesmente para dizer:

    Há finais felizes e com a tua força o teu vai ser um deles.

    Big Kisses

    ML

    ResponderEliminar
  26. Vi o post da SAV e fiquei sensibilizada... não podia deixar de vir deixar uma palavra de apoio. Ao ler o teu post emociono-me - mesmo sendo nova e tendo longe (por agora) os planos de ter filhos.

    Imagino como deve ser difícil para ti, mas gostava mesmo de deixar uma palavra de apoio - para não desistires dos teus sonhos e para te assegurar que, sem dúvida alguma (e como disse a SAV) o mais importante mesmo é, definitivamente, ser mãe de coração. E, com o coração bom que não duvido que tenhas, tenho a certeza que serás uma benção para a criança que tiver a sorte de te chamar de mãe - seja biologicamente tua ou não. Portanto, força e coragem, porque ser mãe é muito mais do que passar por uma gravidez - e tu sê-lo-ás, fazendo um trabalho perfeito! Um grande beijinho*

    ResponderEliminar
  27. Fiquei tão emocionada com o teu testemunho que nem sei o que te dizer... Nós estamos a passar por algo idêntico pelo que "reconheço" os sentimentos que descreves. No fundo, no fundo sei que será apenas uma questão de tempo e por isso apenas tenho de aproveitar o "hoje" já que tenho tantos motivos para ser feliz...
    Beijinho

    ResponderEliminar
  28. Deixo, apenas (mas de forma muito honesta e sentida) um enorme beijo de força e de admiração. Qualquer que seja o caminho, desejo-te a maior felicidade. Tenho a certeza que a continuarás a alcançar.

    Filipa

    ResponderEliminar
  29. querida Bê, fazer planos é importante mas a vida nem sempre nos permite concretiza-los tal como imaginado. a grandeza das pessoas vê-se na forma como dão a volta às situações. não te conheço pessoalmente, mas do que conheço de ti acho que tens a força necessária para secar as lágrimas, levantar a cabeça e move on. e com o P. ao teu lado, como deve ser sempre no amor.

    um grande beijinho, força!

    ResponderEliminar
  30. Que Deus ilumine o teu caminho e o teu coração!

    Nunca pares de sonhar e ter esperança!

    Um beijinho

    ResponderEliminar
  31. Adorei este post. realmente por vezes pressionam as pessoas com determinadas perguntas que sao incómodas. eu já passei por essa situação . Foi na passa da segunda feira num jantar de amigos, sabendo que uma amiga estava grávida e já tinha perdido um bebé, mas que com este estava esperançada, fiz logo a pergunta (idiota):então ? e a barriguinha está a crescer? Ou qualquer coisa dentro disto.
    de repente ela olha-me com uma dor que eu própria fiquei sem palavras.
    "perdi o bebé. está em fase de expulsão"
    fiquei muito mal e por mais desculpas que lhe pedisse nada me fazia melhorar.
    por isso..nem sei o que te diga.
    kis :(

    ResponderEliminar
  32. Embora já tenha passado dos 30 e embora considere que não há prazos definidos para sermos mães, o que é certo é que a sociedade impõe-nos determinados padrões e quando não os cumprimos já somos uns seres estranhos. Mas não ligo a isso. O que interessa é que te sintas bem, quando e se acontecer.
    Tenho uma amiga que sofreu imenso porque se até a determinada altura nem pensava em filhos, quando resolveu tentar e falhou várias vezes, ficou obsessiva com isso e passou anos a sofrer. Ao fim de muito tempo e com tratamentos de fertilidade conseguiu ter um casal de gémeos. Uma coisa te digo: não te preocupes com isso porque quando relaxares irá acontecer. Boa sorte. Bj

    ResponderEliminar
  33. Parabéns pela tua determinação, confiança e optimismo.
    Concerteza que nunca vais deixar de lutar. E a vida vai reservar-te boas surpresas.
    Felicidades.
    beijinhos

    ResponderEliminar
  34. Estava a ler o blog da saltos altos e cliquei no link para o teu. Só li, ainda , este post mas é impossível não te querer desejar toda a sorte do mundo.
    Não tive qualquer tipo de experiência do género, fui mãe há 7 anos e engravidei 15 dias depois de ter começado a tentar mas uma amiga minha passou por um processo talvez parecido com o teu (e já tem uma menina).
    Hoje, depois dum divórcio, não tenho dúvidas que a minha filha é o melhor do mundo e que tenho muita sorte mas a minha felicidade não pode vir só de a ter. Temos que dar valor a tudo o que temos e só assim nos preparamos para tudo o que nos acontece.
    Por algum motivo ainda não foi a tua altura mas se quiseres muito e acreditares terás. Nunca deixes é que a tua felicidade dependa de algo que não sejas tu própria.
    abracinho e parabéns pela coragem
    :)*

    ResponderEliminar
  35. Eu que devo ser a mais velha que por aqui anda, revejo-me em muita coisa que escreveste.
    Ja passei por muitas coisas menos boas mas so me fizeram crescer e no final o que realmente conta e sermos felizes com o que vamos conseguindo alcancar.
    Tens um longo caminho pela frente e nunca te esquecas que nao estas sozinha nesta jornada.
    Beijinho.

    ResponderEliminar
  36. Oi

    Sabes... ao ler este texto, fez-me recordar todo o meu percurso da minha vida, o de também querer ter 3 filhos, ironia da vida, não é?
    Também como tu comecei a trabalhar cedo, também sai de casa com 26 anos, para viver sozinha, comprei carro, estudei sempre de noite, tirei , bacharelato, licenciatura e pós graduação, o sonho de ter um filho existia, mas ia ficando para trás, quando me decidi a isso, pelos 30 anos, foi tentanto e nada entretanto essa minha relação de 14 anos acabou, fim do mundo para mim, passado poucos anos apaixonei-me pelo meu marido, tentamos e tentamos, e nada, fizemos uma ICSI, mas não aconteceu nada, não desistimos , viramo-nos para a adopçção.
    Nós queremos um filho, não me interessa que seja meu filho biologico, estamos à espera à 3 anos na adopção, já tenho 43 anos.

    Se sou feliz? Sou, não vivo amargurada com isso, as pessoas que me rodeiam, sabem que estamos na adopção, agora perguntão sempre é pela adopção (mudou o tipo de pergunta :))
    Quero ter um filho e vou o ter, quando não sei, mas um dia ele vai chegar a nossa casa.
    Um dia também vais ter os teus.
    Beijos queridos

    ResponderEliminar
  37. Concordo tanto contigo! É exactamente assim que penso e tento estar na vida. Posso não ter tudo o que desejo, mas sou feliz com o que tenho.
    Desejo-te tudo de bom. E que sejas feliz, sempre! ;)

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  38. é essa a forma com a qual se deve encarar a infertilidade... PARABÉNS!

    O Pedro resultou de uma batalha contra a infertilidade... passamos por momentos muito maus... os amores fortes resistem e os menos fortes acabam por se desgastar perante tanta injustiça!

    Continua a acreditar, por favor! Por vezes a vida surpreende-nos... como com o André!

    Espero que o processo que estás a iniciar vos traga o filho que tanto merecem!

    Beijocas

    ResponderEliminar
  39. Não te sigo há tempo sufuciente para perceber ou saber esse teu problema de saude.
    Mas desejo-te toda a força e felicidade do mundo, porque com força tudo se consegue, nem que seja um simples sorriso nos lábios.

    ResponderEliminar
  40. Admiro a tua força e coragem =)
    Vais ver que tudo corre pelo melhor querida!
    A vida prega nos partidas ingratas mas ofereçe-nos uma surpresa logo no virar da esquina! =)

    ResponderEliminar
  41. Continuo a admirar esse teu espírito e forma de encarar a vida! Todos nós sabemos que a vida dá muitas voltas, quem sabe o que está reservado para ti... ou para mim (que também quero um filho mas ainda não conheci o pai :))

    ResponderEliminar
  42. Parabéns por assumires com coragem um assunto que é tabu para muitas mulheres. Desde muito pequena que sabia que queria muito ser mãe um dia...talvez por isso sempre tive medo de não conseguir engravidar. Este receio foi totalmente infundado e hoje estou grávida de 5meses e meio, antes até daquilo que euu previa/queria. Contudo, sempre foi muito claro para mim que, se tal não acontecesse, optaria rapida e imediatamente para um processo de adopção. Aliás, não coloco de parte a hipótese de o vir ainda a fazer um dia... Ser mãe/pai é muito mais do que o processo biológico inerente, e tenho a certeza que uma criança que não é do nosso sangue nos pode fazer tão ou mais felizes do que aquela que nasce de nós. Tenho a certeza que de uma maneira ou de outra vão encontrar a vossa felicidade...

    ResponderEliminar
  43. É mesmo. A vida dá com cada volta.
    Em um ano a minha ficou de pernas para o ar.

    ResponderEliminar
  44. Eu ainda acredito em finais felizes... Mesmo quando não aqueles que inicialmente idealizamos.
    A ti Bê, desejo-te toda a sorte e felicidade do mundo. Estou a torcer por ti e o P.
    Beijinhos grandes

    ResponderEliminar
  45. Minha querida! Ainda não tinha lido este post, mas prefiro dizer-te o que penso só a ti... :)

    ResponderEliminar

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins