22 de setembro de 2010

Por norma, neste blogue, não se fala mal, mas hoje abro uma excepção

Afinal, anda tudo a espingardar com a Margarida Rebelo Pinto e eu também quero escrever alguma coisa. Li o texto dela no dia em que foi publicado e na altura ainda me apeteceu comentar no blog dela, mas depois resolvi que não valia a pena - provavelmente ia categorizar-me como parece que faz às mulheres, na generalidade - uma bitchzinha portanto, e mal-amada, a meu entender (e agora dou-me o direito de ser eu a categorizar).
Ao contrário de todos os que falam mal e dizem nunca a ter lido, eu li, nos distantes fins dos anos 90, um ou dois livros dela (ou li um e tentei ler outro, qualquer coisa assim) e acabou tudo ali. Livro fácil, de personagens pedantes, tudo muito giro e estiloso e cheio de marcas e afins, daqueles que se esquecem passado umas horas e duas ou três linhas de um outro livro mediano (nem precisa de ser bom). Sei que há quem goste e respeito isso, mas eu não gostei e não tenciono pegar em nenhum outro livro dela, nem que me paguem para o ler. Mas não foi por não me agradar a leitura que passei a não gostar dela, mas sim quando comecei a ouvi-la na tv e a ler entrevistas nas revistas e a perceber o quão pedante-arrogante-convencida-tiazoca-armadaemboa que a senhora consegue ser. Por isso, a única coisa que quero dizer é que a mim, ao contrário do que leio por aí, o texto dela não me espanta minimamente, afinal é da MRP que estamos a falar e aquele texto é a cara dela...

17 comentários:

  1. Bom. Terei que ler um livro dela para poder comprovar o que aqui foi dito. Passadas umas 10 páginas no máximo poderei então fazer aqui novo comentário. (Já fiz o bookmark desta página pra poder voltar aqui de novo)

    ResponderEliminar
  2. Querida Bê, olá!
    Gostei do teu post. Pela reacção de indignação das pessoas parece que foi escrito pela Madre Teresa...mas não, foi escrito pela Rebelo Pinto. Tal e qual à linha dela.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. eu li um livro dela que me ofereceram e não me deu vontade de comprar mais nenhum! Se tenho algo contra? Nada! A sra lá saberá de si, do que diz e do que acha!
    Não concordo com as suas opiniões mas ela que as dê à vontade! Sempre ouvi dizer que vozes de burro não chegam ao céu...

    ResponderEliminar
  4. O que é que se passa com a MRP, ando completamente a leste. Aliás, justifica-se porque ela é-me indiferente. Não me aquece nem arrefece. Também li dois livros dela e, olha, já me esqueci das tramas...
    Beijinhos,Sofia

    ResponderEliminar
  5. Subscrevo tudo o que dizes. Não me interessou, não me interessa nem me interessará qualquer coisa vinda dessa senhora. Uma vez, a curiosidade falou mais alto, e cheguei a folhear um livro dela... Entrei em choque, com direito a espasmos e convulsões. Portanto - e perdoem-me os que apreciam a dita -, não, obrigada.

    ;)

    P.S.: Quando pensa que escreve, já não é recomendável... Mas quando cai no erro crasso de pensar em falar... Jasus!

    ResponderEliminar
  6. Acho que quase todas lemos pelo menos 1 livro.
    Acho que como em muitos casos o sucesso subiu-lhe a cabeca e acha-se o maximo quando na realidade nao tem classe nenhuma e tem muito mau gosto relativamente as observacoes que faz.
    Olha que na blogosfera tambem ja vamos vendo isso, posso dizer frontalmente que a Pipoca ja nao e o que era, tambem anda a tomar umas doses excessivas de presuncao e agua benta.

    ResponderEliminar
  7. Ainda não li, nem esse texto, nem livro algum dela - já estive tentada, mas durou pouco. Tenho lido alguns excertos e fica por aí.


    Sabes o que li, e isso sim, adorei? A trilogia Millennium. Absurdamente genial.

    ResponderEliminar
  8. Sim, não deixas de ter razão. Ela apenas escreveu o que se esperaria que escrevesse e o que muitas como ela pensam. Dar-lhe mais tempo de antena é valorizar o que não tem qualquer valor.

    ResponderEliminar
  9. Obriguei-me a ler um livro dela (emprestado) há uns largos anos atrás, seguindo a lógica que muito prezo de "Se é para criticar, que o faça com motivos". E... coisinha intragável. Jurei para nunca mais.

    Foi pelo teu blog que soube da existência desta tal crónica. Muito infeliz, no mínimo. Que pessoazinha mais reles! Acha-se com muita classe, mas é tão brejeira... Que tal de auto-percepção. Aplaudo as tuas palavras, porque realmente... não espanta, pois não? ;)

    ResponderEliminar
  10. Nunca li nada dela, mas também não me puxa.

    ResponderEliminar
  11. penso assim também,mas quem é esta senhoreca,para lhe darem tanta atenção é que é só isso que ela quer e precisa(como de pão para a boca).A Bê tem toda a razão.

    ResponderEliminar
  12. Não gosto da escrita dela. Li o "Diário da tua ausência" por curiosidade (pq conheço algumas pessoas que o elegem como livro preferido) e não fiquei fã. Confesso que, em cada livro, ela tem passagens muito certas, mas a escrita toda não passa de um cliché. Os pormenores que ela escreve, todas as pessoas os vivem, mas não se dão ao trabalho de reparar neles, daí, ao lerem, pensarem "isto é exactamente o que acontece comigo :|".
    Btw, gostos não se discutem, cada um tem o direito de gostar e desgostar. Eu cá desgosto, mas não condeno quem gosta :)

    ResponderEliminar
  13. Qual texto, qual texto, qual texto???? Não sei de nada! Bolas!

    Eu li uns 2 livros dela há uns bons anos atrás! Só me lembro de que tinha uns 2 nomes masculinos por frases!!! Sim, muito pedante!

    ResponderEliminar
  14. Li o link...

    Estou perplexa!!!
    Como pode ser baixa, mal formada e, acima de tudo,tão deformada???
    E a pobreza e pouca nobreza ???
    Passei-me de indignação - como é possível alguém assim ainda conseguir publicar seja o que fôr???
    Eu escrevo mal mas nunca teria pretensões a escritora...

    ResponderEliminar

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins