28 de setembro de 2010

A serenidade dos trinta


Há pouco tempo apercebi-me que, quase inconscientemente, comecei a pintar-me menos e a perder menos tempo com a indumentária diária, a deixar o meu cabelo ficar wild, como ele é, sem preocupações de combater diariamente a sua natureza loucamente ondulada. E não é por estar menos preocupada comigo mesma, não é por me estar a desleixar, é por ter chegado a uma serenidade e alcançado uma confiança que, sinto, só se alcança com os 30, numa fase em que aprendemos a gostar realmente de nós, com todas as nossas qualidades e defeitos, numa fase em que a celulite deixa de ser uma preocupação, em que as estrias se tornam uma realidade e as primeiras rugas se instalam sem dó, mesmo por baixo do primeiro cabelinho branco, teimoso que só ele e em que a lei da gravidade corporal funciona exactamente ao contrário da nossa vontade - mas em que aprendemos a viver e a conviver com tudo isso, porque sabemos que somos muito mais do que o nosso aspecto físico, porque sabemos que a nossa principal beleza vem de dentro. É também uma fase em que sabemos quem somos e o que queremos, bem como o que definitivamente não queremos e por isso, quando se fala em idade e na maravilha dos vinte, penso, com toda a certeza, que estou a adorar os 30 - e pensava eu que seria impossível tal coisa!

13 comentários:

  1. A sorte é que és sempre bonita. :) Mas sim, certamente fica-se mais serena, confiante e deixa-se o físico para segundo plano.

    ResponderEliminar
  2. Eu devo ser daquelas que durante a flor dos meus 20 (que ainda não acabaram) aproveitei-a bem mas sempre a pensar: "quanto mais crescer, melhor e mais serena me vou sentir" por isso, acredito que o que digas seja certo.

    ResponderEliminar
  3. ok fico feliz, quer dizer que para o ano vou finalmente gostar do que vejo no espelho?!?!?! beijinhus!

    ResponderEliminar
  4. Revejo-me completamente neste texto. Agora estou curiosa para saber como serao os 40 (aindam faltam 3) .

    ResponderEliminar
  5. é isso minha linda! aceitar cada fase da vida como uma aprendizagem e não deixar que se instale a depressão e o desespero de ver os anos a esvair-se.

    ResponderEliminar
  6. Nessi - o que quero dizer é que passamos a valorizar mais do que o nosso físico e a gostar de nós como um todo, em que o mais importante, é o nosso interior!

    ResponderEliminar
  7. Acredito nisso. Aos vinte, a minha idade, são tantas as incertezas. Não sabemos ao certo o que queremos e quem somos. Anseio por essa estabilidade emocional...essa confiança de que tu falas.

    ResponderEliminar
  8. Querida, este texto está muito bonito mas todos sabemos (quer dizer, pelo menos, eu sei) que és lindissima e jovial :)

    ResponderEliminar
  9. E eu estou quase lá e já me sinto um pouco assim. Não é desleixe, claro que não, é gostar cada vez mais de mim!

    30? Venham eles!

    Eu não receio envelhecer. Receio NÃO envelhecer!

    :)

    ResponderEliminar
  10. Compreendo-te perfeitamente.
    Mais vale aceitarmos aquilo que somos do que vivermos infelizes por imperfeições que não conseguimos combater.

    Beijinhos.:)

    ResponderEliminar
  11. Eu ainda estou nos vinte... e seis. Por isso vou aproveitando até lá e depois logo se vê:p

    ResponderEliminar
  12. Finalmente aos 30 anos aprendi a dizer NAO. Acredita foi complicado no principio. Mas um dia acordei e pensei q estava na hora de deixar de ser tapete. E assim foi, como uma arvore dei uma chaqualhadela e a fruta podre caiu, os amigos q ficaram foram os que valem a pena.

    Proxima etapa nesta minha jornada, descobrir o que quero ser qdo for grande.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  13. E' tao verdade. Os trinta estao a ser a minha decada mais gira :)!

    ResponderEliminar

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins