5 de janeiro de 2011

...

No dia 01 de Dezembro, mais precisamente há 36 dias e algumas horas, o P. partiu a perna num jogo de futebol. Depois desse dia azarado já trambolhou a sair do wc no trabalho e levou com a porta do carro em cima. Uma semana depois quase nos despistámos na ponte, devido a uma avaria no carro (comigo a conduzir e a controlar a máquina, qual ás do volante, sem bater me nada nem em ninguém). Um mimo. Ora, após partir a dita, conseguiu tirar uns dias de férias para descansar na primeira semana, mas depois voltou ao trabalho, pressionado pelo elevado sentido de responsabilidade que o caracteriza, mas também pelo peso na consciência de o ter feito enquanto jogava futebol (algo que lhe tinha sido solicitado que abandonasse, mas que, com o tempo, foi retomando, incapaz de se afastar dos relvados, ainda que seja dos de menor qualidade que por aí andam). E desde esse dia que a minha vida é o stress, que me obriga a levantar da cama quase duas horas mais cedo do que o que estou habituada, levá-lo até ao colégio do filho de uma colega de trabalho, que depois lhe dá boleia, ir buscá-lo a Lisboa ao fim do dia, apanhar umas duas horas de trânsito e ainda regressar ao trabalho, de onde saio, tarde e más horas, para me enfiar na cozinha a cozinhar, lavar e arrumar. É daquelas coisas que não se faz porque tem que se fazer, mas que se faz por amor. E embora ande cansada, é certo, na verdade, não me queixo por ter que andar sempre a correr de um lado para o outro, carregar as compras sozinha, tratar dos presentes de Natal sozinha, ir buscar as pequenas coisas de que ele precisa.
A única coisa que me custa*, sem a menor dúvida, é ser eu a cozinhar e não é pelo acto em si, mas porque me faltam os manjares dignos de deuses que ele prepara com frequência, em oposição aos meu pratos mais simples - a sopinha de legumes, as massas, os bifinhos grelhados com arroz e saladas... que nem com a companhia do melhor vinho, passam a ter graça. Tenho mesmo muitas saudades dos nossos jantares de sexta-feira, sempre um prato diferente, sempre bem regado a um bom vinho. O resto faz-se com um sorriso nos lábios. As muletas fazem parte da nossa rotina, assim como o gesso, os sacos de plástico, para tomar banho, as meias largas que lhe protegem os dedos. Se lhe vou pedir para deixar de vez o futebol? Nunca na vida, é uma decisão dele, só dele e de mais ninguém.
* Isso e o facto de ter em casa um verdadeiro desportista, privado de fazer o que mais gosta - qualquer coisa como uma viciada em compras, impedida de ir às lojas...É dose!

7 comentários:

  1. Mas que chatice... Que azar! Que TUDO!

    Pê, as melhoras rápidas para ti!

    Bê, és uma grande mulher, só digo isto.

    :)

    ResponderEliminar
  2. Querida, Desafio lá no meu blog, participa. Beijinhos.

    ResponderEliminar
  3. por ter um irmão por futebol (jogou vários anos, agora raramente), entendo bem o que dizes.
    não fazia ideia da violência deste desporto. é que cada toque é uma entorse, uma mancha negra, uma ruptura de ligamentos... credo!
    e parece ser apenas uma simples corrida atrás do esférico. engana e bem!
    acho que é mais seguro praticar Karaté ou Kick-Boxing. lol

    as melhoras para o P., e fazes bem em não lhe dizeres para parar. o meu marido também é apaixonado pelo BTT e eu fico sempre com receio de quedas aparatosas mas sei que ele ali é feliz e longe de mim, ser eu o motivo de desistência.
    beijos para vocês;)

    ResponderEliminar
  4. Sei mais ou menos do que falas... O namorado tambem andou com a pernoca engessada a uns anitos. Embora eu tivesse menos trabalho que tu, porque ele ainda vive com os papás, mas não deixa de ser chatos para todos. E para eles principalmente que tao com o gesso em cima, taditos... As melhoras para o teu marido ;)

    ResponderEliminar

  5. As melhores do P. eu compreendo-te, pois o meu filhote é jogador e sei o que isso é, só pensa na bola. É terrível, mas não se consegue dizer não aquilo que eles tando gostam.
    Umas grandes beijocas aos dois e melhoras do P.

    ResponderEliminar
  6. Acho a tua atitude a melhor possível e, como mulher, estás de parabéns e ele certamente saberá reconhecer isso.
    As melhoras!
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  7. As melhoras para o marido!!! Que em breve esteja a jogar novamente e a fazer esses belos cozinhados ;)
    Beijinhos.

    ResponderEliminar

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins