20 de março de 2012

A crueldade kármica do universo

Cada vez tenho menos pachorra para as pessoas que veem o copo meio vazio, que vivem cercadas de dramas psicológicos e que se agarram a cada queda como prova incontornável da crueldade kármica do universo. Pessoas incapazes de avaliar o que estão a fazer de mal, mas sempre prontas a apontar as faltas dos outros e as garras cruéis da injustiça divina. Pessoas centradas em si, nos seus dramas e nos seus problemas, que esperam soluções por parte dos outros, mas que se revelam incapazes de as procurar e de lutar por elas. Pessoas que deixam de ouvir o outro, apenas se ouvem a si próprias e que esperam que todos façam o mesmo.  E não me estou a referir a pessoas com dramas reais, mas sim àquelas que não os tendo, os conseguem inventar a cada vírgula do seu dia-a-dia…

8 comentários:

  1. Há momentos tristes e depois há aquelas pessoas tristes...

    ResponderEliminar
  2. essas pessoas esquecem-se de que o melhor da vida é dar valor ao que se tem. esquecem-se de como é fácil ser feliz.

    ResponderEliminar
  3. É terrível... qualquer coisa que aconteça é visto não como um contratempo mas sim como uma tragédia. E como senão bastasse hão-de passar o dia inteiro a queixar-se e a queixar-se e ainda a queixar-se.

    ResponderEliminar
  4. É sempre mais fácil atribuir as culpas a qualquer coisa do que a si msm...

    ResponderEliminar
  5. não tenho paciência para essas pessoas que gostam de vitimizar-se e culpar os outros pelos seus fracassos.

    Bjokas

    ResponderEliminar
  6. E depois há as pessoas que, como eu, analisam sempre aquilo que fazem de mal e se culpabilizam por coisas de que às vezes não têm culpa. ;) Beijinhos

    ResponderEliminar
  7. Ohh querida Bê este texto poderia ser escrito por mim! não tiro uma vírgula. beijo

    ResponderEliminar

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins