27 de junho de 2012

...

Quer aqui, quer pelo facebook, por mensagem ou e-mail vocês têm-me dado um carinho imenso. E isso não tira a dor, nem acalma a saudade, mas conforta-me o coração. Despedir-me do Rafa, dos seus olhos meigos, mas cheios de sofrimento, foi das coisas mais difíceis que fiz. Foi deitada ao seu lado, agarrada à sua pata e com os meus olhos nos dele que lhe disse que era um bom cão, um cão bonito (como sempre dizíamos quando se portava bem) e o quanto o adorava. Foi tremendamente difícil, até porque ele tentou reagir, sem o conseguir, mas eu não podia não o fazer. Ele merecia-o. E ali, naquele momento, ficou um pouco do meu coração. Choro todos os dias. Lembro-me dele a cada instante. Fica a certeza de termos sido uma família abençoada por termos tido um amigo assim.

Obrigada a todos, do fundo do coração.

25 de junho de 2012

Rafa


Até sempre meu querido Cão. Foste o melhor dos amigos e viverás sempre no meu coração.

...

Há quase doze anos atrás tu escolheste-me. Era suposto ser eu a fazê-lo, mas assim que cheguei ao local onde tu estavas com os teus pais e irmãos, por alguma razão, não me largaste um segundo. Andaste atrás de mim para todo o lado e enquanto me diziam para ver toda a ninhada, para escolher um cão mais gordinho, mais bonito ou maior, eu não consegui. Eras tu o meu cão, o que tinha que vir connosco para casa. Eras uma prenda para o meu pai, não para ocupar um vazio que ficou com a morte do nosso outro cão (porque nenhum substitui o outro), mas porque precisávamos de te ter e de amar um novo bichinho. E assim, numa caixa de cartão enfeitada com um laço vermelho, chegaste à nossa família, pronto para fazer de nós a tua família também. E tens sido um cão maravilhoso. Amigo, companheiro, brincalhão e paciente, mesmo quando os gatos (aqueles de quem tu gostas) ocupam a tua cama descaradamente. Gostas de jogar à bola connosco e de nos vir buscar ao portão. Adoras passear de carro e escondes-te debaixo da mesa, junto aos nossos pés, em dias de trovoada, porque é junto a nós que te sentes seguro. E ao longo de todos estes anos, nós sentimo-nos seguros naquela casa grande e isolada porque tu estás lá. Foste o meu cão, porque durante um ou dois anos ainda vivemos juntos: eu, o meu pai, tu e os gatos. Todos em harmonia. Por isso, mesmo depois de eu ir viver sozinha, levando a minha gata e deixando-te para continuares a ser o cão do meu pai, senti sempre que nunca deixaste de ser o meu cão. Porque respeitas a minha voz, porque me deixas tocar-te nas feridas, porque sou a única, além do meu pai, que consegue por a mão dentro da tua boca para te forçar a tomar os remédios, quando necessário. Porque mesmo quando te zangas com o mundo, sei que a mim não me farás mal. POrque gosto de ti com todo o meu coração. E eu só lamento não ter tido mais tempo para ti. Não ter passeado mais vezes contigo, não ter jogado mais vezes à bola e penteado esse teu pelo alemão, espesso e lindo. Porque agora te vejo assim, triste e fraco, sem saber quanto tempo mais estarás aqui para nos acompanhar e eu não consigo imaginar a vida desta família sem ti. Ontem já estavas internado e não imaginas as vezes que abri a porta para o jardim, à espera de te ver, quase sorridente e expectante, com a bola aos teus pés, pronto para a brincadeira. Fui dar comida aos gatos e tu não estavas lá para te meter com eles. Não me foste acompanhar até ao carro, como gostas de fazer. E ficou um vazio enorme em todos nós.

Tens sido um bom cão. O melhor de todos. Fica bom Rafa, porque fazes-nos uma falta imensa...

22 de junho de 2012

Mal posso esperar para te ter aqui...


É já dia 28 que vou a correr para comprar este menino, que continua a história de A Sombra do vento, um dos livros da minha vida. Vão ser 400 páginas de pura felicidade, de certezinha.

Não podia concordar mais

"Podemos julgar o coração de um homem pela forma como ele trata os animais." E. Kant

E com esta frase vos desejo um excelente fim-de-semana, cheio de sol e sorrisos.

19 de junho de 2012

Coisas que me afastam da blogsfera

Esta constante necessidade de se falar mal. Fala-se mal de tudo, muitas vezes subtilmente, de forma a enaltecer-se a si mesmo. Outras vezes é mesmo à descarada. E fala-se do que outros escrevem, vestem, pensam, fazem, partilham, as suas relações, as suas decisões, o que for. Como se fossemos melhor do que os outros que não são como nós somos, sentimos e vivemos. Que não se vestem como nós e que lêem livros de autores que desprezamos. E ao escrevê-lo aqui, estou ironicamente a fazer o mesmo, mas a verdade é que já não posso com post's assim. Isto cansa-me na blogsfera e na vida lá fora. Perdemos demasiado tempo a avaliar os outros e pouco tempo preocupados em sermos melhores, apenas por nós próprios e não por comparação ou para que os outros notem. E pronto, agora atirem-me os vossos calhaus, que o que está escrito, está escrito.

12 de junho de 2012

Companhia nas férias


A praia sem livros não seria a mesma coisa. Só assim aguento horas e horas de um calor que cola na pele, de sal, de areia teimosa, de músicas dos outros, de preocupação com o sol, de cabelos despenteados. Ontem acabei o Deus das Pequenas Coisas. Hoje comecei este, para provavelmente acabar amanhã e ainda trouxe um terceiro, certa de que em tempo de mini-férias três seriam o ideal. Como é bom ter tempo para este vício que é mergulhar em livros e não pensar em mais nada a não ser nele, ao meu lado, sempre sorridente, sempre feliz. Na nossa praia favorita de sempre, que o mar, este ano, nos devolveu.

9 de junho de 2012

Em modo

Férias. Na mala levo os biquínis, sandálias rasas, vestidos de verão e muitos livros que me acompanharão nuns belos dias de praia. Vão ser momentos de muito namoro, aconhego e descanso.

Até ao meu regresso - eu não demoro muito. Fiquem bem e sorriam todos os dias!

4 de junho de 2012

A mim não me convenceu...

Eu sou uma moça convicta de que muito do que se partilha pela blogosfera fora, sobretudo no que aos cosméticos e afins diz respeito, resulta da experiência da pessoa que dá o nome por uma marca, porque realmente gosta. Sei que alguns bloggers são patrocinados e por isso escrevem aquilo que lhes pedem e não o que honestamente acham (quem é que consegue experimentar 37 shampoos de acções diferentes em meia dúzia de meses?). Mas outros vão partilhando conforme a sua experiência, isenta de influências patrocinadoras. É este o meu caso. Por isso é com toda a sinceridade que escrevo que andei semanas a tentar comprar o novo rímel da maybelline não só porque algumas das meninas da blogsfera não falaram de outra coisa durante semanas mas também por ser uma das marcas que mais uso para este tipo de produto* e digo-vos que o acho uma bela desilusão. Quais olhos de anjo quais quê? A única explicação para quem se referiu ao produto como a última e miraculosa coca-cola do deserto é as meninas terem já umas pestanas maravilhosas e não precisarem de grande ajuda. Não é o meu caso, que demoro imenso tempo a tentar que as minhas se façam notar, já que tenho ali meia dúzia de pelitos castanho claros, mortiços e tímidos. Não aconselho!


*O meu favorito até ao momento é mesmo um da esteé lauder, que a minha carteira odiou, mas os meus ollhos adoraram!

3 de junho de 2012

Hoje foi dia de passear por aqui:





Antes de me atirar de cabeça à preparação de uma conferência sobre educação da qual farei parte esta semana. O pior é que com o calor derreteram-se-me os neurónios e agora não sai nada...Ups!


Nota: a falta de qualidade das fotos explica-se pelo recurso ao telemóvel e pela falta de jeito da minha pessoa...

2 de junho de 2012

E depois do susto inicial, o biquini:


Escandalosamente barato, para compensar a pequena fortuna que gastei no creme.  Confesso que sempre fui fã de biquinis da Poko Pano e da Salinas, mas este ano não me apeteceu gastar muito dinheiro. Espero agora que cumpra o seu servicinho e se aguente o verão inteiro sem se desfazer, desbotar ou ganhar buracos, assim que eu ganhar coragem para o enfiar e ir à até praia - a primeira ida do ano "à seria" (ou seja, com direito atirar a roupinha e enfiar o rabo dentro de água) custa-me sempre tantoooooo, quando o corpo da cor de lula deslavada, ainda não está habituado à luz. Ai ai...