14 de agosto de 2012

Nota

Não há coisinha mais terrivelmente deprimente do que pesquisar sites de emprego e perceber que:
a) somos demasiado velhos para a grande maioria dos empregos;
b) já não temos idade para começar por um estágio e, "se tudo correr bem", podermos ser integrados numa empresa;
c) nos dedicamos às áreas profissionais erradas e provavelmente assassinámos o nosso currículo nos últimos anos, apenas porque seguimos o coração e fazemos o que realmente gostamos;
d) ainda fomos gastar os últimos tostões de um pé de meia meio rotinho, para tirar um mestrado numa área sem grandes saídas;
e) não falamos a língua certa (tanto anúncio para a Alemanha e Holanda e afins e o meu alemão está tão morto e enterrado);
f) muito provavelmente nunca mais iremos ganhar o que ganhamos actualmente e que até nem é nada de mais...

E não vendo muito bem como resolver estas questões na iminência de perder  o emprego brevemente, não me resta grande coisa senão, ter M-E-D-O!

14 comentários:

  1. o meu problema é que para tudo me pedem experiência, mas se nunca ninguém me der a oportunidade para trabalhar a experiência não vai aparecer por milagre... e os anos vão passando...

    boa sorte Bê **

    ResponderEliminar
  2. infelizmente n esta facil....e n compreendo porque estamos assim...país triste.
    Paulinha

    ResponderEliminar
  3. para mim a deprimência é ver os salários e as ofertas que, sendo escassas, são tão humilhantes para quem tem formação superior...

    ResponderEliminar
  4. Gosto mesmo é de ver ofertas de emprego para licenciados a oferecerem o SMN! É vergonhoso! E parece que ainda nos estão a fazer um favor!

    ResponderEliminar
  5. Querida Bé, sou freelancer e todos os meses passo por esse medo! E se... não houver trabalhos? E se... não me pagarem a tempo? E se...?
    Desisti de enviar currículos quando as respostas só diziam: "é demasiado qualificada para a função"... ainda pensei tirar coisas do cv mas seria ridículo... Não te vou dizer para não teres medo... Mas o mais importante é não te deixares levar por eles. A minha teoria é que nestas alturas de crise temos que ser como as baratas, mais duras que nunca e capazes de sobreviver a tudo!

    Beijinho

    ResponderEliminar
  6. Ai Bê também vivo essa realidade! Se tudo correr como previsto, no final de Outubro irei fazer parte das estatísticas negras deste país. É assustador! Boa Sorte! ;)

    ResponderEliminar
  7. Sim, o alemão está na moda... :/

    ResponderEliminar
  8. Faz amanhã 1 ano que estou desempregada... não tem sido fácil encontrar trabalho, mas não podemos desistir...

    Beijinho

    ResponderEliminar
  9. Partilho de todos estes teus sentimentos.
    Não estou em risco de perder o empregop (acho!) mas vejo poucas perspectivas de mudar para algo melhor - que me satisfaça mais.

    ResponderEliminar
  10. Aos que não estão desempregados, obrigada pelo apoio. Aos que estão, toda a sorte do mundo para vocês e que descubram muitas portas por abrir.

    ResponderEliminar
  11. Oh querida, sei tão bem o que sentes.
    Já estive no teu lugar, e é um sentimento de impotência assustador.
    Mas não desistas! Has-de conseguir.

    ResponderEliminar
  12. Compreendo-te. Como licenciada e frequentando neste momento um Mestrado, tenho sempre qualificações a mais. Excepto para a área onde sempre tenho trabalhado: call center. Curioso? Queria muito mudar de carreira, daí ter apostado num Mestrado que me poderia dar outras competências, mas não sei até que ponto o conseguirei. Se não é a experiência, são os estudos a mais, se não é isso é a idade que já não ajuda apesar de sermos novos...
    Não entendo os critérios de Recursos Humanos na maior parte das empresas deste país.
    Mas espero que não desistas e que continues a tentar encontrar algo que te agrade. :)
    Beijinhos.

    ResponderEliminar

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins