1 de novembro de 2012

La Rafle



Sempre gostei de filmes, livros e documentários sobre a II Guerra Mundial. Por isso foi com vontade que aceitei a sugestão do P. para vermos este filme, do qual, confesso, não tinha ouvido falar. Um filme francês, sobre o tormento real vivido pelos judeus franceses, muito particularmente por um grupo de meninos e suas famílias. Uma história triste, mas com momentos felizes, um filme despretensioso, sem perseguições hollywoodescas, ou finais apoteóticos, que me fez chorar em vários momentos (sou muito lamechas, é certo, mas aqui tem sobretudo a ver com a consciência de que tudo aquilo aconteceu mesmo). E fica a sensação de que o ser humano pode ser do mais frio, mecânico e cruel que há, mas também capaz dos maiores e mais bonitos actos de bondade...    

2 comentários:

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins