30 de dezembro de 2012

Ano velho/Ano novo


 E porque nos próximos dias não há blog para ninguém, a família do Cantinho deseja a todos umas óptimas saídas e umas entradas super hiper mega maravilhosas. E que 2013 seja um ano cheio de concretizações, cheio de saúde e cheio de sorrisos. Até lá!

29 de dezembro de 2012

Produtinhos que eu aconselho

Há pouco mais de um mês atrás deixei de usar o verniz de gel, porque tive que fazer uma intervenção com anestesia e as unhas não podem ir pintadinhas e maravilhosas nestes momentos. Depois disso e já a prever que em 2013 se sigam mais alguns exames chatos, não tornei a colocar e sempre são uns euros que poupo. Acontece que depois de dois ou três meses de unha sempre arranjada, uma pessoa habitua-se de tal forma que, voltar ao verniz aplicado por mim, que tenho tanto jeito para pintar unhas como para a costura, não foi nada fácil. Mas, um belo dia, estava eu na sephora à procura já não sei de quê e dei de caras com esta marca tão falada por tudo o que é blog de moda e afins, que é a essie e, não obstante o preço não ser dos melhores (também não é para lá de escandaloso como muitos), resolvi arriscar. E devo dizer que, das marcas que já experimentei, é provavelmente a melhor, a que se aguenta mais tempo e nem faz a minha unha lascar (as minhas unhas são fraquinhas fraquinhas). Acho-a tão boa, mas tão boa, que ando há umas duas semanas sempre com a mesma cor, prestes a enjoar, porque nem tenho coragem de usar os vernizes de outras marcas que tenho (tenho que comprar mais uma cor, mas eu ando fugida de tudo o que é centro comercial e de gastos desnecessários). Decididamente eu, que não sou nada entendida destas coisas, aconselho!

28 de dezembro de 2012

Dos saldos

 
Já lá fui, logo pela fresquinha. Espreitei tudo e o saldo foi para lá de positivo, senão atentem: trouxe pimentos de um amarelo espectacular, tomates fresquinhos e que ficam sempre bem com (quase) tudo, feijão branco (o branco é sempre uma tendência), uns coentros maravilhosos, bem verdes, como eu gosto em qualquer estação do ano (quase que tive que os arrancar da mão de outra pessoa que queria os mesmos que eu) e ainda trouxe algodão e pastilhas, quais acessórios de todos os dias. Tudo a preços óptimos. Depois passei no celeiro e espreitei os chás, mas acabei por trazer apenas umas vitaminas, porque as minhas estão mesmo no fim. A verdade é que tenho o armário sempre cheio de chás e são tantos, mas tantos, que nunca sei por qual me decidir. Um drama. Mas sendo assim, optei por não trazer mais um para a colecção.
 
E pronto, está feito! Para o ano há mais!

Dos saldos que realmente interessam...

 
Livros! Alguém sabe se alguma loja fará promoções, saldos, whatever, nos livros? Serão os únicos capazes de me fazer perder um pouquinho a cabeça, já que quero distância de toda a qualquer loja de roupa, sapatos e afins. E já que estamos numa de literatura, fica a perguntinha: qual o livro que leram no último ano recomendariam? Depois de eu ter lido perto de 35, fica desde já prometido um post com o(s) meu(s) favorito(s) do ano!

27 de dezembro de 2012

Preciso de opiniões femininas!

 
 
Meninas, como algumas se devem lembrar, há uns mesinhos atrás cortei a minha franja, num ataque de loucura, carregado de vontade de mudar o visual. Ora pois que continuo a adorar franja e gostava de a manter, só que o meu cabelo é tremendamente ondulado, para lá de rebelde, cheio de vida própria e nada amigo de dias de chuva e da humidade característica do inverno. Saio de casa com ela esticadinha e linda e quando chego ao trabalho parece que sobreviveu a uma permanente mal feita e a um tornado do pior (sério, se não fossem os ganchos que abundam sempre na minha carteira, faria muitas figurinhas tristes por aí). Ora eu sou uma pessoa que beneficia e bastante da bela da franja, uma vez que sou dotada de...como hei-de escrever...uma testa absurdamente quadrada proeminente (com certeza prova da minha inteligência mais do que suprema), que importa disfarçar. Assim, o que eu gostava de saber é se alguém aqui já experimentou o kit de alisamento da fructis (ou outro equivalente no preço e na facilidade de procura) e se sim, se o recomenda. Não me apetece gastar dinheiro tolamente, por isso, depois de ler uns blogs (e de ler opiniões muito contrárias, que só me deixaram mais indecisa) resta-me esperar que algumas de vocês tenha algo, de bom ou de mau, a partilhar comigo!

E depois do Natal...


Do bacalhau, do polvo e do perú, do vinho e do champanhe, dos bolos, das bolachinhas e dos chocolates, hoje por aqui, estou a chá de hibisco e mantas confortáveis, na companhia dos meus amigos de 4 patas. Vou por a leitura em dia e passar um dia inteiramente caseiro. Porque eu mereço.

22 de dezembro de 2012

Em modo...

❤❤❤ Natalício! E para vocês todos, fica o desejo de um santo Natal, cheio de amor, cheio das vossas pessoas, cheio de carinho, abraços, saúde e, claro, cheio de sorrisos. Vemo-nos lá para dia 26, que o nosso vai ser uma correria de festarolas entre Lisboa e Porto, entre casa da mãe, casa do pai, casa dos tios e casa dos primos do P. Até dia 26!
 
...Sorriam muitoooo!❤❤❤





21 de dezembro de 2012

Não sei embrulhar abraços


Não sei embrulhar abraços, mas se soubesse embrulharia um bem forte, demorado e caloroso para todos os que fazem parte da minha vida. Embrulharia protecção infinita para todas as crianças à minha volta e serenidade sapiente para todos os pais, receosos da incerteza certa do amanhã. Embrulharia clareza de espírito para os que vivem mergulhados na dubiedade e uma calma sensata para os que se deixam levar pelo stress, esse inimigo implacável de todos os dias. Embrulharia uma fé convicta e imensa para todos à minha volta que vivem momentos mais assustadoramente perturbados. Embrulharia saúde para a minha doce avó, cujas mazelas dos seus 81 anos se sentem cada vez mais frequentemente, parecendo levar um bocadinho dela todos os dias para longe de nós. Embrulharia felicidade, alegria e esperança e distribuía por todos com quem me cruzasse. Embrulharia amor e sorrisos, alegria e força. Mais do que presentes palpáveis e consumistas, se eu soubesse, era o que embrulharia.

20 de dezembro de 2012

Onde é que eu falhei senhores?

Ontem o P. veio buscar-me ao trabalho para seguirmos directamente para casa dos meus sogros, para um jantar de família. Uma vez que vim pouco agasalhada e dado que ele ia a casa, trocar a mota pelo carro, pedi-lhe para me trazer um casaco, descrito da seguinte forma, por e-mail: (...) no roupeiro está um casaco comprido, em tons de castanho e beije, com cinto, da zara. Ora qualquer mulher entende porque escolhi tão minuciosamente o casaco que pretendia: não só estava vestida em tons de beije e castanho, como tinha um casaco de malha, compridinho, assim a dar pelo rabiosque, pelo que não dava para usar um casaco de um tamanho qualquer. E dei-me ao trabalho de o descrever em detalhe, já sabendo como são os homens nestas coisas.
Pois que o senhor meu marido me trouxe a seguinte peça:

Casaco curto, sem cinto, em tons de preto e bordeaux, da Mango.

Palavras para quê? Escusado será dizer que me fartei de rir quando vi o casaco no banco de trás, mesmo tendo chegado à conclusão que os homens não só ouvem apenas um terço do que lhes dizemos, como lêem apenas um quinto do que lhes escrevemos. Aprendam comigo meninas!

19 de dezembro de 2012

Miss Jackie

Ora em tempos de crise e com taxas de desemprego alarmantes, nada como quem tem jeito para algo, arregaçar as mangas e dedicar-se a fazer o que mais gosta e se disso conseguir fazer um negócio, tanto melhor (mal de mim, que não tenho jeito nem para coser um botão). Foi o que aconteceu com a Miss Jackie, uma pessoa que me é muito próxima e que eu chateei e chateei até a ver criar um blog e uma página no facebook com os seus trabalhos, originais e feitos à nossa medida. Claro que, da minha parte, já tenho três malas e três carteiras e umas quantas encomendas feitas e as minhas colegas de trabalho não me ficaram atrás, assim como as colegas do P. (foi vê-lo esta semana com sacos e sacos de carteiras, carteirinhas e malas para venda). Para quem quiser conhecer melhor, fica aqui a página do facebook com mais fotos e os contactos em https://www.facebook.com/missjackieclothing e o blog aqui.


                                         Esta é toda minha e é a minha favorita para sair à noite:-)

 Ora esta também a tenho (assim como o porta-moedas igual) e adoro-a também

 Este até nem fazia o meu género e depois vi ao vivo e amei!

 Queroooo!!!


 Espero que gostem! É que estamos aqui a pensar em fazer um giveaway em conjunto (provavelmente o primeiro e o último deste blog) de um dos produtos da minha eleição ;-)

18 de dezembro de 2012

Deixa-me cá por esta imagem aqui...

Para que eu não me esqueça de umas das minhas principais características. Aquela que faz de mim uma mulher forte aos olhos dos outros, mas que na verdade é a melhor arma para ultrapassar os obstáculos com que me deparo.

17 de dezembro de 2012

...

Quando lemos/sabemos das terríveis histórias de violência doméstica que cada vez mais assolam o país (com tendência para piorar dia após dia) nunca nos preparamos para a confrontação com o facto de conhecermos a pessoa. Há poucos dias li e vi a reportagem sobre o marido que assassinou a mulher, de quem estava separado, com uma bebé de meses ao colo. Hoje e só hoje, soube que a conhecia. Por desatenção minha, não ouvi nem li o nome, não vi qualquer foto, apenas vi as letras garrafais que nos entram pela casa a dentro, lembrando que lá fora há um mundo de loucos e que um bebé perdeu a mãe (e o pai) da forma mais trágica possível. E fiquei em estado de choque ao saber que se tratava da doce pessoa com quem me cruzei tantas e tantas vezes, sempre de sorriso fácil, sempre aparentando uma boa disposição que, sei agora, disfarçava as mazelas emocionais de uma relação que já se sabia violenta. E fica o espanto de mais um caso identificado, em que as autoridades nada fazem, nada podem fazer, suportadas numa lei que apenas permite actuar quando há determinado nível de violência efectiva. Foi preciso ela ser alvejada, na sua casa, com uma bebé no colo, para fazerem algo. Justiça? Vem demasiado tarde. E penso, infelizmente, que para aquela pequena bebé, não haverá justiça, aconteça o que acontecer...Resta-me desejar que a vida se encarregue de a proteger.

16 de dezembro de 2012

Desafio literário - prognósticos só a 01 de janeiro



Lembram-se deste desafio aqui? Para quem não tem paciência de ir espreitar, eu explico: já há dois anos que eu e o senhor meu pai fazemos um desafio entre nós, cujo vencedor é aquele que lê mais livros no espaço de um ano e ganha não sei bem o quê (é mais uma questão de vaidade literária). No ano anterior o meu pai ganhou-me por uma unha negra, mas este ano é imprevisível. O ano está a chegar ao fim e conto já com cerca de 31 livros lidos, estou no final do 32.º e a meio do 33.º (sim, eu nunca leio apenas um livro, tudo depende do estado de espírito). Agora restam-me duas semanas para dar avanço na coisa, já que me pus a ler o último do Ken Follet, que tem umas míseras 820 páginas. Está renhido e só mesmo no início de 2013 saberemos quem é o vencedor. A ver vamos e agora adeusinho que vou acabar um livro e escolher o próximo!
 
Um bom domingo para todos, cheio de sorrisos!

15 de dezembro de 2012

2013 chega depressinha, sim?

E quando já tudo corria menos bem à minha volta (decididamente 2012 não é/foi o meu ano) eis que o meu problemazinho de saúde (recuso-me a chamar-lhe doença) volta a dar sinal de vida. Foi ontem, no exame de rotina, que tive a notícia. Um ano e meio depois de ser operada. Um ano depois de o médico me dar luz verde para voltar à minha vidinha de sempre. Mas como eu sou rija e o que não me mata, torna-me mesmo mais forte, hei-de superar todas as coisas que estão a acontecer. Ou não me chamo Maria Bê.

10 de dezembro de 2012

Servicinho público

Homens deste país e arredores, nunca, em circunstância alguma, em momento algum, por razão alguma, digam: Mas o que é que tu queres que eu te faça? A sério. Guardem para vocês. A mim é frase para me tirar do sério e eu até nem sou pessoa com muito mau feitio. É coisa para ser facilmente substituída por um: o que posso fazer por ti minha querida e o vosso dia correrá certamente muito melhor, ok? Fica a dica!

6 de dezembro de 2012

Do Natal

Não, não vão ver aqui um lote de sugestões de prendas de natal. Isto porque eu tenho para mim que a maioria das pessoas subverte o significado do natal (eu própria já o fiz), muito por culpa de uma tradição que se perdeu nos tempos consumistas, que duram há anos demais. Eu cá sou da opinião que devemos aproveitar este tempo de crise para avaliar o que é que este momento realmente significa. Para mim significa a família toda junta à mesa, entre sorrisos e memórias, significa uma refeição caseira, feita a várias mãos com carinho, uma pitada de cumplicidade e apreciada durante horas. Significa fazer doces caseiros e decorá-los, entre nuvens de farinha e bigodes de açúcar. Significa família, a nossa família, significa amor e muitos sorrisos, significa paz e sim, significa religião. E vai ser assim o meu Natal. E o vosso? 

5 de dezembro de 2012

Peripécias natalícias - ou de como viver com gatos tem um sabor diferente...

3 Dias ou 72h e alguns minutos dias foi o tempo que os meus queridos gatos aguentaram estoicamente sem deitar a árvore de Natal, montada com tanto amor e carinho, ao chão. Foi enquanto eu me arranjava de manhã, sempre apressada para ir para o trabalho, que as pestes a atacaram sem dó nem piedade. O Tobias, depois de feita a asneira, saiu disparado a caminho da outra ponta da casa (parecia uma seta), a Blue (cuja adoração por mim é proporcional à falta de respeito que me tem) foi apanhada com a pata na cena do crime, sem culpa ou receios do meu ar zangado e a Gata, a doce Gata, ou não participou no ataque, ou então disfarçou muito bem, já que estava relaxadamente deitadinha numa manta, com olhos de carneiro mal morto. Podia ter sido pior. Podiam ter comido o menino Jesus, partido as bolas todas ou, à semelhança de outros anos, engolido as fitas de natal...que, quando entram, saem sempre senhores, o que não é nada bonito de se ver...sobretudo quando precisam de ajuda o.O