31 de dezembro de 2013

 
2013 Foi um ano cheio de tudo. De sorrisos, de lágrimas, de dor, de más notícias, de alegria, de amizade, de amor, de aprendizagens, de descobertas, de magia, de luz. Foi o ano que tinha que ser para eu aprender o que aprendi e mesmo com todas as quedas que dei, sou grata por tudo o que vivi. E para 2014, mais do que pedir coisas ou trocar passas por desejos, há que olhar para dentro e sermos o melhor de nós. Porque somos os maestros da nossa vida e não devemos deixar ao acaso as mudanças que queremos ver. Não peçam a 2014 para ser bom para vocês. Sejam vocês bons para 2014, porque eu acredito piamente que recebemos tudo em troca, proporcionalmente ao que damos. Sorriam muito e sejam felizes.
 

Até já ❤❤❤

27 de dezembro de 2013

Do Natal no Cantinho

E um dia apercebemo-nos que crescemos e que damos muito mais valor a coisas que antes nos passavam ao lado. Acima de tudo percebemos que os melhores presentes não são aqueles que colocamos à descarada em listas, wishlists ou post's mal disfarçados no facebook e dicas lançadas a cada momento. Os melhores são aqueles que nem nos passavam pela cabeça receber, mas que são tão nós que nos comovem até às lágrimas. Porque eu quase não tive presentes este Natal - assim o combinámos entre todos - mas tive o presente mais bonito e inesperado de sempre das mãos do meu amor. E ele só mo podia ter dado por me conhecer como só ele conhece. De resto, foram dois dias cheios de amor, cheios de família e cheios de doces sorrisos e muitas cantorias e gargalhadas. Porque assim se vive o Natal por estes lados.
Espero que o vosso tenha sido maravilhosamente bom e sorridente!

12 de dezembro de 2013

E sem tempo e vontade para escrever, aqui ficam algumas imagens...

 
Louca por chás:
 


Gatos e mais gatos:
 





Alguns detalhes natalícios:
 




Têm sido umas semanas complicadas, com as minhas gatas a irem para o veterinário de urgência, por razões completamente diferentes. Uma chegou mesmo a ser operada e andámos com o coração pequenino e sofrido. Já está tudo bem. Com um bocadinho de sorte ainda vos mostro o meu novo e muito curto penteado*!
 
Para todos um excelente fim de semana, cheio de sorrisos.
 
 
* Vá, muito curto para quem o usa comprido há uns 15 anos, mais coisa menos coisa! Quem me acompanha no meu facebook pessoal sabe do que falo!

6 de dezembro de 2013

Hoje não podia deixar de vir aqui

Fica a minha homenagem a um grande Homem a quem as amarguras da vida não toldaram o espírito e as palavras de paz e de amor.


25 de novembro de 2013

O Gato que eu não salvei

Há poucos dias atrás, na mesma zona onde há meses apanhei uma gatinha que tinha sido abandonada, apanhei o maior dos pesadelos. Estava a conduzir num túnel da minha cidade e à minha frente atravessa-se um gato, perfeitamente baralhado, confuso e ali colocado (os gatos que vivem na rua não vão para túneis barulhentos). Travei logo, infelizmente a tempo de o ver ser atropelado por um carro que ia na direcção contrária. O condutor desse mesmo carro travou, mas seguiu a sua viagem impiedosa. Eu parei o carro, a tempo de ver o gato correr para a berma onde se encolheu. Vi-lhe o sangue no nariz e o corpo magoado. Tentei sair do carro, mas um muro separador, ainda que baixo, não me permitiu abrir a porta e por isso, fui dar a volta a uma rotunda próxima, para parar junto ao gatinho. Dei umas cinco voltas ao túnel, nos dois sentidos, porque não o via em lado algum. Por momentos quis acreditar que alguém o viu e enquanto eu dava volta, o salvou. Fui para casa, mas não descansada, voltei lá e dei mais umas quantas voltas, até que o vi, no sentido contrário, cheio de sangue. Tinha tornado a atravessar a estrada, mesmo todo magoado. De lágrimas nos olhos, dei novamente a volta. Rezei para conseguir apanhá-lo. Iria directamente com ele para o veterinário e faria tudo o que pudesse para o salvar. Parei mal o carro, mas à saída do túnel, liguei os piscas e corri até chegar junto dele. De coração partido, de olhos molhados e no meio daquela confusão, tentei apanhá-lo, mas infelizmente assim que me viu e embora todo magoado, fugiu de mim...na direcção dos carros. Eu só tive tempo de fechar os olhos. A zona era demasiado perigosa e embora eu estivesse na berma, estava a arriscar a minha vida e, pior, a vida de todos os que conduziam no túnel e que não esperavam ver-me ali...tive que desistir. Vim-me embora de lágrimas nos olhos, com um nó na barriga e a sentir-me mal comigo mesma por não ter tido coragem de ir mais longe e certa do pior dos destinos para aquele gato que merecia muito mais do que aquilo. Ao telefone, entre lágrimas, contei ao P. que me dizia o que sempre me diz: Não os podes salvar a todos. A verdade é que eu queria não ter que os salvar a todos. Queria que eles não precisassem de ser salvos, até porque só precisam porque nós, humanos, os colocamos nestas situações.
A quem o abandonou ali, para morrer e a quem o atropelou e seguiu caminho, desejo honestamente que a vida vos permita viver as aprendizagens de que necessitam para se tornarem pessoas melhores. Estas são daquelas situações que me marcam e sei que não vou esquecer nunca o focinho sofredor e assustado do gato que eu não salvei, como ainda hoje, passados dois anos, me lembro do gato bebé que apanhei na rua e que confiei à pessoa errada, porque o deixou fugir num dia de temporal. Sei que não me vou perdoar nunca por isso. Fazemos o melhor que podemos, mas custa sempre quando o que podemos não é suficiente...   
 

24 de novembro de 2013

Homem fora, acidentes em casa...

Nos últimos meses o P. tem ido com frequência para fora do país dar formação. Tem sido óptimo, porque é uma nova experiência e porque financeiramente compensa. E eu cá fico, morta de saudades, a contar os dias e sedenta de Skype.
Além das saudades, fica o medo do que é que vai acontecer em casa, daquelas coisas que acontecem quando se está sozinha e que só um homem consegue resolver sem ter que recorrer a terceiros. Senão vejam: da primeira vez que ele foi, assim que cheguei a casa, vinda do aeroporto, dei com o Tobias divertidíssimo a brincar com um fio de água que escorria da parede do contador. Sorte a minha de ter um gato que adora água e que assim me alertou para o facto de ter furo num cano, antes que a coisa ficasse mesmo feia. Ainda andei de chave inglesa a tentar apertar peças e coisas, que eu tenho uma reputação de mulher moderna a manter, mas tive mesmo que acabar por chamar alguém. Da segunda vez e em menos de nada, rebentei um estore do quarto (andei uma semana a dormir com ele aberto) e começou a chover na marquise onde tenho as máquinas e as caixas das areias dos gatos. Uma janela ainda que bem fechada, mas para lá de velha foi suficiente para tornar parte da minha casa numa pequena piscina. Foi a tal ponto que, quando dei pela situação, a água estava quase a por-se-me debaixo do frigorífico e da máquina da roupa. Lá foram toalhas, balde, esfregona e um par de horas a limpar e a chuva sem parar. Desta vez (foi para fora ontem de manhã) já brincámos com o meu historial de acidentes caseiros e apostámos qual seria a nova situação, mas até ver, nada que eu não resolvesse. Mas ainda faltam cinco dias para ele regressar e em cinco dias, tanta coisa pode acontecer...Até tenho medo!

12 de novembro de 2013

É oficial: sou do mais Natalício que há!

 
 
Hoje andei a passear pelo Gato Preto, pela Casa e pela Angelic e afirmo aqui que fiquei deliciada e para lá de maravilhada com os enfeites de Natal. Foi preciso uma grande dose de controlo doloroso para não me perder (deliro com as novidades a cada ano e acho que não há ano em que não me meta em despesas). Consegui sair de lá sem nada de nada, porque, convenhamos, a vida está difícil e imprópria para gastos supérfluos, mas foi a custo, muito custo e quase quase de lágrima no canto do olho. E não quero saber que seja cedo, que é um disparate, que ainda falta mês e meio e coisas que tais...estou desejosa de comprar o belo do calendário de chocolates para o meu sobrinho mais lindo e ir ao baú buscar os nossos enfeites, espalhá-los pela casa e esperar que os gatos façam uma festa com a árvore, as bolas, anjos e anjinhos e todos os bonecos de neve, gingerbread man e afins que eu vou coleccionando há anos. E depois, eu e o mais pequeno chegamos a casa do meu pai e tratamos do assunto todo outra vez, já que por lá, sou também a responsável por decorar a casa para a festa da família. Em dose dupla, como eu gosto, mas nos últimos anos, com a ajuda do meu duende preferido, o J.! Ele coloca o chapéu de Natal e eu umas orelhas de rena e tratamos do assunto, entre gargalhadas e cheiro a infância.
 
 

11 de novembro de 2013

Não falha!


Está um um dia maravilhoso lá fora, digno do Verão de S. Martinho! Acordar e ver este céu maravilhoso trasnforma logo a segunda-feira num dia bom e enérgico. E o que eu adoro castanhas assadas, o seu cheiro, o sabor e o ritual de as comer em família, com um bom vinho tinto (não sou a maior amiga de água-pé e outras coisas que tais).
 
Um bom dia para vocês, cheio de castanhas assadas, água-pé e muitos sorrisos!

9 de novembro de 2013

Dicas de chás - Cavalinha

 
 
Este é o meu 35.º Outono. E posso afirmar que em 35 anos de vida, nunca o meu cabelo me caiu como agora. É assim uma coisa para lá de assustadora e hoje até chamei o P. para ele ver o que se me ficou no banho. Não ando nervosa, não sou pessoa dada a stresses, faço uma alimentação equilibrada e tenho os cuidados que sempre tive. Corto o cabelo duas vezes a três vezes por ano. Não uso secador porque me dá a preguiça e a chapa serve só para muito de vez em quando esticar a franja. Sempre tive um cabelo farto e forte e gostava de poder continuar descansadinha quanto à sua saúde.
Como sou dada a produtos naturais e menos voltada para químicos e afins, vou dar-lhe forte no chá de cavalinha nos próximos tempos (a começar hoje - que eu sou das que recorre ao chá para tudo), porque desde sempre me lembro de dizerem que faz bem (é apenas um dos muitos benefícios deste chá maravilhoso). Estive quase quase a dar-lhe uma tesourada, mas depois investiguei e vi que não é solução e como também não está muito comprido, vou-me deixar estar quietinha. 
 
Caso conheçam dicas eficazes e que sejam naturais, toca a partilhar. Eu cá prometo mais dicas quanto a chás e afins e os seus benefícios para diversas maleitas!

True!


O que andam a ler desse lado, hein?

8 de novembro de 2013

Porque um dia tudo muda...

Ando a matutar neste post há já muito tempo. Talvez o seu conteúdo explique de uma vez por todas a mim própria e a vocês, o porquê do meu afastamento deste Cantinho que sempre me fez tão feliz.
A minha vida mudou. Eu mudei. Depois do desemprego, dos problemas de saúde, da criação de uma empresa, surgiram novas oportunidades na minha vida que me permitiram transformar-me, com base no muito que eu já conhecia, sobre o qual já lia e que andava a adiar. Em Janeiro deste ano iniciei o meu percurso no Reiki, área que talvez alguns de vocês conheçam e que não vou sequer explicar neste post (ficará, muito provavelmente, para um próximo). O Reiki mudou a minha vida e mesmo a minha essência - ou talvez tenha feito sobressair aspectos que já tinha, mas que andavam atolados nas questões mundanas do dia a dia e naquilo que a sociedade esperava de mim. Sempre fui uma pessoa ligada à terra, à natureza, aos animais e às pessoas. É isso que me faz sofrer quando vejo uma árvore a ser mutilada, uma flor a ser arrancada. É isso que me faz, desde sempre, salvar animais da rua, das estradas e sofrer com o seu sofrimento. É isso também que me faz dedicar o meu tempo, o meu amor e o meu carinho a idosos que vivem em lares, numa solidão disfarçada, porque os seus não têm tempo para eles. Mas faltava-me qualquer coisa. E o Reiki foi apenas o início de uma caminhada de descoberta e redescoberta. Outras formações noutras áreas se seguiram. Outras experiências, outros conhecimentos e outras pessoas que chegaram à minha vida cheias de tanto para me ensinar.
Estou ainda no início desta caminhada e posso afirmar que muito em mim já mudou. E ainda tenho um mundo de coisas para aprender, para Ser. Porque às vezes aceitamos aquilo que a vida nos dá e este tem sido o meu presente para mim e no qual estou a trabalhar para poder dar a outros. Abri uma empresa com um propósito e ela encaminhou-se para outro completamente diferente, mais enérgico, mais puro.
 
É por isso que não sei muito bem o rumo que hei-de dar ao blog. É natural que mude daqui para a frente, porque o que tenho para escrever e para partilhar será também diferente de muito do que partilhei até aqui. Sintam-se livres para ficar, para ler, para comentar, para partir. Eu serei sempre grata a todos os que de uma forma ou de outra fazem/fizeram parte deste Cantinho.  
 
Desejo-vos um dia cheio de sorrisos e deixo-vos com a certeza de que estou aqui para vocês, sempre que precisarem.

19 de outubro de 2013

...

O P. saiu de casa há coisa de apenas 10 horas e eu já estou aqui com o coração cheio de saudades. Já sabia que ia ficar aqui miserável, a olhar para o telemóvel, desejosa que ele chegue lá ao outro lado do mundo e que me diga que chegou bem, a ligar o skype na ânsia de ouvir a sua voz e de ter o Tobias deste lado a responder-lhe. A casa continua cheia. Sou eu e três gatos que não me largam de tão melosos e amigos que são. Mas falta-me o meu amor. Perdoem-me o excesso de melosidade, mas sem ele sinto-me tão incompleta...Não gosto de sentir saudades, porque só as sinto de quem quero sempre ao meu lado.

17 de outubro de 2013

Ainda por cá...

Errrr...tenho andado tão desaparecida deste blog, que nem sei como começar a escrever. Sabemos que o caso é drástico quando nos apercebemos que temos comentários a ganhar teias de aranha, completamente esquecidos e perguntas por responder.
A verdade é que a minha vida anda para lá de ocupada. Quando se cria um negócio próprio tudo muda e se eu nunca tive trabalhos com os típicos horários, agora, com a responsabilidade da gestão de um mundo de coisas e ainda do além, ainda me sobra menos tempo. Pelo meio ando a fazer cursos e mais cursos e o pouco que sobra é para mimar o meu P., o marido mais compreensivo do mundo. Só nas últimas semanas tenho variado entre chegar a casa às 22h e às 23h. Jantarmos juntos é mentira (a essa hora apenas consigo engolir um copo de leite ou um iogurte) e depois há ainda os sábados de trabalho e alguns domingos. Esta semana é ele que segue para bem longe (Luanda, tu trata-me bem o esposo) e fica fora uma semana durante a qual eu nem sei como vou viver sem ele - eu não preciso cá de saudades para apimentar a coisa, ou para saber que sinto a sua falta. Vou literalmente sofrer com esta distância, mas...adiante. Vai ser uma semana de rambóia de gatos, já que me recuso a dormir sozinha.
Pelo meio confesso que tem havido imensa coisa a passar-me pela cabeça para vir postar, mas depois passa-me e fica perdida para sempre na minha memória. Ando cansada. Muito cansada mesmo e por isso, algumas coisas vão ficando para trás. Tenho até pensado em fechar o blog de vez, porque acho que vir cá de vez em quando mandar uma posta de pescada para o alto não tem piadinha nenhuma - eu cá facilmente me canso de blogs assim. Mas depois fica aquela coisa de que já foram cinco anos aqui a debitar os meus disparates e a constatação de que este canto acaba por ser uma parte de mim, com tantos registos de momentos da minha vida e tantos pensamentos que me são importantes...
De resto...deixa cá ver... - A dieta vai bem e recomenda-se, pelo meio festejámos o nosso quinto aniversário de casamento em beleza, já que fomos de fim de semana mega romântico, estivemos uma semana de férias pl'os Algarves e regressei ao voluntariado (que tinha interrompido por causa da cirurgia e recuperação e afins) com mais responsabilidades e estou feliz e sorridente como sempre. E desse lado? Ainda há alguém por aí? 

27 de setembro de 2013

Dramas da vida real:

O que calçar com este tempo? 
Por aqui chove a potes, está uma ventania capaz de nos levar o Cristo Rei para a outra margem e a trovoada foi a minha alvorada e não me deixou dormir mais. Está calor para botas e botins (galochas então, ainda pior) mas tenho para mim que as sabrinas que trouxe nos pezinhos não vão aguentar grande coisa. E por aí? Como resolvem este verdadeiro drama?

24 de setembro de 2013

Marcas que eu gosto!

Já aqui tenho escrito sobre uma das minhas marcas favoritas, que alia a qualidade dos produtos ao facto de não os testar em animais, algo que para mim é extremamente importante - a BodyShop. Uso os cremes de corpo, gel de banho, óleos corporais, cremes de cara e tenho gostado de tudo. Depois,  tenho o cartão deles, o que me permite ter uma série de vantagens, nomeadamente uma prendinha até 10€ no meu aniversário. Hoje lá fui eu preparadinha para fazer a escolha, certa do que necessitava e feliz porque ainda ia aliar um desconto de 6€. Vai daí, escolhi dois produtinhos novos, que me faziam uma falta tremenda (porque no Verão, quase não me maquilho e por isso, todos o que tinha estão mesmo nas últimas):
 
Comprei então o óleo e o leite de limpeza, ambos da gama de camomila. Os dois produtos ficavam a 26€ e eu paguei apenas 10€. Se são bons não faço ideia, mas a avaliar pela minha opinião geral de todos os que tenho usado até aqui, não espero menos do que felicidade até à última gota!

 

23 de setembro de 2013

E depois das jantaradas de comemoração, das férias e da chegada do Outono, as prendinhas!

 

(a blusa)

(A saia-calção da moda que toda a fashion blogger tem, em branco. A verdade é que não lhes resisti de tão giroa que fica, mas gostei mais da preta)

 
(sim, sim, sou uma vaidosona do pior, com gostos baratos - brincos na parfois que são a minha cara)

E ainda recebi um vestido lindo, oferecido pelo maridão, uma camisola, duas malas, uma carteira, uma bolsa, uns botins pretos, uma túnica preta, uma saia, cinco livros e chocolates...e devo estar a esquecer-me de alguma coisa... Compras de Outono feitas e fica por aqui o momento fútil do mês.

18 de setembro de 2013

Telepost

Não evaporei. Não desisti do Cantinho. Estou de férias. Estou com o meu amor. Estamos felizes. Até um dia destes. Sejam também felizes e sorriam muito, sim?

14 de setembro de 2013

Bê's B-Day!


Sou das que gosta de festejar aniversários. De os anunciar ao mundo. De receber o carinho dos outros e de responder com sorrisos. Hoje é o meu dia. 35 já cá cantam. E agora vou ali ser feliz com os meus. 

Para todos um excelente sábado, cheio de sorrisos!

11 de setembro de 2013

Pausa!

Pois que hoje temos um  jantar cá por casa e o Homem do Cantinho decidiu fazer uma comida para lá de boa, como sempre. Não sendo o dia da asneira (aka pausa da dieta) porque esse calha mesmo bem no sábado, dia do meu aniversário e dia em que vou muito provavelmente alapar-me ao bolo de chocolate e cenoura que encomendei e ficar com ele só para mim, hoje vou fazer uma pausa e aproveitar tudo a que tenho direito. Não há cá pessoas a comerem migas e beberem vinho do bom e eu agarrada à alface e ao chá verde. Isto para me avisar a mim própria que, com toda a certeza, tudo o que perdi até aqui, estará amanhã muito bem dividido entre a minha nádega direita e a minha nádega esquerda. Na loucura, se me agarrar também ao queijo dos Açores que anda a chamar por mim desde a semana passada, dos confis do meu frigorífico e estrategicamente escondido debaixo das courgettes e dos bróculos, ainda vai algo para a anquinha também. Dieta para mim não é sofrer e como a coisa não está crítica, hoje vou permitir-me este desaire.

Sonhos de uma tarde de Verão





Não sei bem como é desse lado e imagino que depois de lerem estas palavras, grande parte fique com vontade que eu bata com a cabeça no computador umas 43 vezes, mas a verdade é que estou cheia de vontade de poder mandar a roupa de Verão para o espaço os confins dos meus roupeiros e poder trazer a minha gira e quente roupa de Outono-Inverno. É, sou uma winter lover mais do que assumida e depois de tantos dias quentinhos - que souberam bem sim senhor, mas para mim já chega - só sonho com a chegada dos dias frios e do cheiro a terra molhada e das tardes deliciosamente passadas entre mantas nos sofás e no conforto da lareira da casa paterna. nada a fazer, sou assim desde sempre!

7 de setembro de 2013

Dias só nossos

 
 
Gosto de dias só nossos. Dias demorados e lentos, sem telefones, sem pressas, compromissos ou responsabilidades, só nós. Hoje foi um desses dias. Acordámos bem cedo e rumámos ao Chiado, onde tomámos um simpático pequeno-almoço, entre sorrisos e gestos de carinho. Passeámos de mãos dadas numa das nossas zonas favoritas. Passeámos de mota por Lisboa antiga. Fizemos compras já a pensar no aniversário que se avizinha e depois fomos almoçar demoradamente, com o rio como paisagem de fundo e conversámos sobre tudo e sobre nada. Temos sempre tanto para dizer um ao outro!
Amanhã vamos até Sintra, dar continuidade a estes dias de namoro, de cumplicidade, cheirar um pouco de história, relembrar o palácio, os verdes, as flores, os cheiros e passear por zonas tão magicamente especiais. Vamos criar novas memórias de nós.
Tenham um maravilhoso domingo, cheio de sorrisos e das vossas pessoas.  

6 de setembro de 2013

Dias assim...

Ora pois que hoje se me meteu aqui uma dor daquelas, fortes e más, só para me lembrar que tenho um problema de saúde. Não sou de fazer fitas, que não sou, mas isto hoje está um bocadinho cinzento. Estou toda entrevadinha, um verdadeiro encanto, mais para lá do que para cá, mas já engoli um analgésico, na esperança de não ficar com a sexta toda arruinada, já que tenho grandes planos para mais logo, com o meu amor. 

E para vocês, que seja uma excelente sexta-feira - que seja o inicio de um fim-de-semana cheio de sorrisos. 



PS: Não se esqueçam de passar por aqui: https://www.facebook.com/paudecanelaementa

5 de setembro de 2013

Bom dia pessoas!


Por aqui a dieta continua em grande estilo. Tenho-me portado que nem uma linda e nem mesmo quando fui jantar fora dei um passo fora da linha - grelhados e legumes e nada de vinho! Mas o ideal é mesmo comer em casa ou levar comida de casa para o trabalho - já se sabe que se nos apanhamos num cafezinho, só apetece encher a barriga de bolinhos ou pão fora de horas (só posso comer ao pequeno-almoço). Por isso mesmo, levo o lanche para o trabalho (muito chá, iogurte magro, queijo em triângulo magro e bagas de goji) e almoço em casa. Cozinho com mais tempo e paciência, porque importa comer o que me faz bem e sacia.
 
Dica do dia: Tornar a nossa dispensa e frigorífico nos nossos melhores amigos. Nada de alimentos aos quais não temos qualquer resistência. Se forem como eu que, em determinadas fases da minha vida, basta a simples lembrança de que existe um pacote de bolachas por casa e não descanso enquanto não dou cabo dele num tirinho, têm que ter esta regra em atenção. Não tenho sumos de pacote, nem barras de cereais, nem chocolates, nem massa, coisa que adoro. Nada que me tire do sério. Porque embora eu seja uma pessoa muito controladinha e forte quando tomo estas decisões (anda por ali um geladinho no congelador, mas eu nem me chego perto), todos temos aqueles momentos mais carentes, em que necessitamos de uma guloseima para nos adoçar a alma.
Saldo dos 4 dias: Continuo sem ter passado nem um minutinho de fome! O peso partilho quando fizer uma semaninha de dieta, que é para seguir as regras da Dr.ª :-) 

4 de setembro de 2013

Pelos nossos heróis

 
 
 
Sou uma acérrima defensora de como cada um dos bombeiros deste nosso Portugal é um verdadeiro herói. Todos os dias, mas sobretudo no Verão, colocam as suas vidas em risco, para proteger o que é de cada um de nós. Lamento profundamente cada morte, cada sofrimento, cada corpo queimado e alma lesada, que este Verão demasiado quente tem trazido a tantas famílias. Mas há algo de que não se fala e que me tem remoído a mente desde que o P. o referiu numa destas noites de mais um telejornal tristemente em luto: Não são as principais vítimas das corporações, na sua grande maioria, demasiado novas? Não lhes retiro qualquer valor por isso, muito pelo contrário, mas leva-me a crer que, no desespero e necessidade e na falta de meios e dinheiro que o nosso país tem, estes jovens heróis podem não ter tido a formação necessária para se manterem também a si em segurança e são lançados nos fogos criminosos, cheios de coragem, mas a precisar de mais...E é triste que assim seja. Porque acredito que tudo isto se possa evitar com mais formação, com mais fundos, com mais apoios para um trabalho tão mais necessário, heróico e vital do que muitos que por aí andam...

3 de setembro de 2013

Opiniões precisam-se

Já vos tinha contado que tinha cometido umas loucuras com o meu cabelo, desejosa que estava de uma mudança. Pois que as opiniões dividem-se, com alguns a preferir a cor natural (a da primeira foto), outros a achar que fico bem morena (segunda foto). Uns a gostar mais da franja e outros a gostar da minha testa horrorosamente gigantesca ao léu. Depois há os que gostam do cabelo escuro, mas sem franja ou do cabelo claro mas com franja, coisa que neste momento é impossível, dadas as mudanças (a tinta sai em 28 lavagens, mas coisa menos coisa). Fica aqui a pergunta: escuro ou castanho claro? Mas sejam bonzinhos, sim? :-)



As dietas e os outros

Quando dizemos a alguém mais gordinho do que nós que estamos a fazer dieta (sobretudo a alguém que não faz absolutamente nada para perder peso e, muitas vezes, bem mais velho do que nós), invariavelmente somos tratados como se fossemos maluquinhos da cabeça e, por vezes, com um certo desprezo. Como se não precisássemos. Como se a nossa referência tivesse que ser acima do peso dessa mesma pessoa. Ou se como com a idade se esperasse que sejamos mais gordos, ponto final. Passámos anos ali a acumular aqueles quilinhos orgulhosamente preenchidos com as melhores iguarias, porquê darmo-nos ao trabalho de os perder? Como se fossem necessárias as referências dos outros para avaliarmos o nosso corpo. Pior é quando somos falsas-magras como é o meu caso. As gordurinhas estão lá, mas são estrategicamente disfarçadas com roupas que realçam o melhor e não o pior - os vestidos de verão e as blusas fluidas dão uma grande ajuda nesse sentido. E nestas coisas, acho que cada um sabe de si e sabe como quer estar para se sentir bem consigo mesmo. Eu já fiz dietas para engordar. Já fui magra demais e não gostava de o ser. Tomava suplementos para abrir o apetite, vitaminas e obrigava-me a comer certas coisas, não por gosto, mas para ver se ganhava carninha, já que parecia um pau de virar tripas. Agora quero perder uns quilinhos, nada do outro mundo. Não me acho sequer gorda e não quero perder 20 kg, mas sim 5kg. Tantas operações (três em quatro anos é dose), medicações e tratamentos arruinaram a minha zona abdominal que há 5 anos atrás estava perfeita (as fotos da lua de mel não me deixam mentir). Neste momento não o está. E eu não me contento com isso. Hoje dei início ao exercício físico. Ontem comecei a dieta e não passei um único minuto com fome ou a ansiar que chegue o dia da asneira. Como se quer!
Dica do dia: comer bem devagar e mastigar ao máximo cada garfada. Comigo resulta muito bem!

2 de setembro de 2013

Diário de uma dieta #1

Hoje é o dia em que inicio a primeira dieta da minha vida. Os meus 59,4 kg (1,5 ganho neste fim de semana de namoro!) assim o exigem. Se pesquisar nas tabelas de IMC, estou dentro do peso normal para a minha altura, mas não me sinto bem assim, sei que tenho algumas gordurinhas a mais e por isso, a meta é perder 5 kg e depois manter o novo peso. Com a força de vontade tremenda que tenho, sei que vou conseguir, porque quando meto uma na cabeça ninguém ma tira. E comer bem não é nenhum sacrifício para mim.
Vou seguir os conselhos da nutricionista do momento, Ágata Roquette. Tenho um dos seus livros, já fiz a lista e hoje vou às compras. O bom desta dieta é que há imensos alimentos de que gosto que são completamente permitidos (queijos, gelatinas, pãozinho ao pequeno-almoço) e pode-se ter o dia da asneira, coisa que bem preciso, porque ao sábado quem cozinha é o P. e ele cozinha caloricamente maravilhosamente bem. Nesse dia tudo é permitido. Nos restantes serei então eu a cozinhar e, apesar de o P. não necessitar de dietas, aceita meter-se comigo nesta demanda, para me manter na linha, literalmente.  A diferença é que eu alargo a dieta a todas as refeições e ele apenas ao jantar.
Estou a ponderar colocar algumas receitas  e dicas por aqui, se alguém estiver interessado. A própria Ágata Roquette incentiva-nos a criar um diário e refere que imensas pessoas criaram blogues unicamente para relatar as suas próprias dietas. Que acham?
 
 
 
 
Uma semana caloricamente saudável para vocês :-)!

1 de setembro de 2013

Sê bem vindo Setembro!

Um dos meus meses favoritos, porque cheira e sabe a recomeços. E este começou da melhor maneira, já que fomos três dias para o Alentejo, onde somos sempre muito felizes. Namorámos muito, descansámos muito e agora estamos de regresso para a nossa vida feliz de todos os dias.
 
 
Um Setembro maravilhoso para todos vocês, cheio de sorrisos.

29 de agosto de 2013

Carminho

Recebi este pedido de uma leitora e, como amante de animais que sou, não poderia deixar de o partilhar
aqui, no facebook e boca a boca. Por favor, façam o mesmo, vamos ajudar a Carminho a arranjar uma 
família:
A vida da Carminho sempre foi assim. Sem saber o que se seguia. Não sei de onde veio, e neste momento não sei para onde vai. Como perdeu o olho também não sabemos. Ou maldade, ou uma briga...seja por
que for isso não a tornou revoltada contra as pessoas.
Seguia um senhor que lhe dava de comida até casa na esperança de que ele a levasse com ela e lhe desse um cantinho para dormir e comida. Seguiu-o muitos dias mas como o senhor não a podia acolher um dia, ela desistiu. Desistiu da oportunidade dela.
Deixou-se ficar na rua. No meio da areia, das ervas, dos outros gatos, das garrafas de cerveja partidas, dos carros e das pessoas que os conduzem sem se preocuparem minimamente se ela se afastava ou não.
Seja como agradecimento ou prova de confiança, a Carminho é especial. Precisa de uma família que lhe dê a pata sempre que ela quiser, que não se importe com os barulhinhos da garganta dela (que não são graves nem incomodativos nem a toda a hora), que não se importe que ela seja preta e que não tenha um olho. Ela quer uma família como nunca teve a quem possa dar tudo o que tem, e ela dá tudo. Só não dá trabalho, não mia quase nada, não pede muito, só paciência, um cantinho, umas pernas para dar turras e que nunca a abandonem. Habituou-se a ter paredes à volta dela, a gatos, a cães, a pessoas. 
Precisa de uma família que não tenha que pensar duas vezes mas que nunca a deixe para trás.

Encontrei-a na rua. É toda pretinha, com as patas acastanhadas, e cega de um olho. Quem tiver a hipótese de a conhecer vai gostar dela de certeza. A Carminho passou frio onde ficou. Apanhou uma pneumonia que nunca foi bem curada e isso deixou-a a fazer uns barulhos na garganta quando está mais stressada, e apesar de não ser nada de grave, é crónico... A Carminho não ia aguentar outro Inverno na rua... foi resgatada porque alguém viu nela todas as qualidades que tem, deixou-se apanhar com a maior das facilidades ao colo. Foi esterilizada, e no caminho para o Raio-X para curar a pneumonia veio sempre com o focinho encostado à grade da transportadora e com as patas de fora na minha mão. Sempre. Sem unhas, sem nada, só queria dar a pata e sentir-se em segurança. 
Só falta encontrar As Pessoas dela. A Carminho já sofreu o que tinha para sofrer. Agora está na mesma 
situação. Não tem para onde ir... A recuperação da esterilização acabou e dia 19 de Setembro mais uma vez a  
vida da Carminho não está dependente dela.
FIV e FELV negativo
Zona: Margem Sul


Vamos ajudar a Carminho?

Eu sei que ando uma abusada do pior, mas...

Vocês que tudo sabem - E restaurantes mesmo mesmo mesmo para lá de bons, ali para os lados de Odemira? :-)

28 de agosto de 2013

Opiniões precisam-se

Vou entrar no mundo novo da drenagem linfática. Não sou pessoa de dietas, mas facilmente me controlo e como coisas para lá de saudáveis. Quero retomar o exercício físico que abandonei quando o diagnóstico de Abril confirmou a necessidade de nova cirurgia em Junho e nunca mais pus os pezinhos no ginásio ou em cima do meu step. Uma pessoa junta a necessidade à preguiça crónica e pronto, a par da barriga inchada que vem com a cirurgia, medicações e afins, junta-se-lhe um pneuzinho desagradável e que se quer deitar fora. A bola de berlim de antes de ontem  e o bolinho directamente vindo do Alentejo de hoje não ajudam, mas prometo que foram os últimos dos próximos tempos. Sou forte nestas coisas e quando me decido, nada me demove - nem mesmo o melhor bolo de chocolate do mundo (com o qual sonhei há dias - decadência total!). Os hidratos ao jantar já se foram e a sorte é ter um desportista em casa que facilmente me acompanha nestas coisas e que gosta de sopas e saladas e fruta - mas que ao fim de semana faz comidinhas de babar e acrescenta-lhe umas boas garrafinhas de vinho, que eu sou menina que gosta de beber bem (por bem, entenda-se, com qualidade, sim?). 
Gostaria pois de saber se, desse lado, alguma alminha já fez drenagem linfática e se sim, quais os resultados? Aconselham? Gracie!

Não sei o que me espera de seguida...

E no espaço de um mês, fartei-me de tal maneira dos meus cabelos que, num dia, de um momento para o outro, pintei o cabelo de castanho bem escuro (quem me conhece sabe a diferença que faz). Não contente, três semanas depois permiti-lhe um corte como há muito tempo não se via. Foram uns dez valentes dedos à vida. E porque ainda não me bastava, apenas quatro diazinhos depois, tesourei-lhe a franja novamente, coisa que lhe tinha feito no ano passado e no anterior e da qual normalmente me arrependo dois meses depois, com as humidades e as chuvas que não lhe permitem manter-se bonitinha e penteada. Estou com medo do que possa vir de seguida...afastem todas as tesouras das minhas mãos nervosinhas, sim?
 
Agora digam-me, serei a única a ter estas crises de tenho-que-mudar-de-visual-agora-mesmo-neste-exacto-segundo?

27 de agosto de 2013

Acho que viciei...

Não sou mulher de grandes televisionismos. Acompanho algumas séries que adoro (muitas delas na net), vejo as notícias e o Masterchef Australia (tem que ser o australiano, que adoro. Os outros não me encantam, que eles andam sempre mais preocupados em prejudicarem-se uns aos outros, do que em provarem que são bons). Com esta maravilha das box que gravam tudo, tenho sempre alguma coisa para ver - normalmente uma season completa, porque vou acumulando e acumulando e às tantas são mais de vinte episódios de cada série.
 
Mentes criminosas, Guerra dos Tronos, Dexter, Dowton Abbey, Modern Family, The good wife e mais recentemente o The Bridge, são algumas das que adoro de paixão. Na box tinha gravados alguns episódios da série Scandal. Tinha visto o primeiro episódio e não me agradou muito aquela coisa da super mulher que faz boquinhas e é demasiado confiante ou extremamente frágil, típica das personagens da Shonda, responsável pela Meredith Grey e pela outra da clínica privada, cujo nome não me lembro, mas que foi casada com o marido da Meredith e andou enrolada com o Mark Sloan (pudera). Depois a Shonda irrita-me um bocadinho, desde os tempos em que matou o O'Malley e porque, desde aí, começou a matar personagens como se fosse o apocalipse. Sempre que alguém sai da série, é porque se finou e não tem qualquer hipótese de voltar atrás e a mulher tem dedinho para matar as personagens de que gosto mesmo e com isso vai matando a série que já foi a do meu coração. Adiante e voltando ao Scandal, como não gostei do primeiro episódio, desliguei e nunca mais peguei na coisa. Só que há muito pouco tempo atrás, por razões que não interessam, vi-me obrigada a permanecer no sofá, sem poder fazer grande coisa e lá fui à box papar tudo o que por lá andava. Foi uma limpeza. Quando cheguei à Scandal, não havia muito mais para ver e, em vez de me agarrar a um livro, resolvi dar uma hipótese, pouco confiante. Pois que viciei. O argumento é muito mais intrincado do que me pareceu à partida. A história tem um fio condutor que atravessa todos os episódios e que envolve muitas das personagens. Tem momentos totalmente inesperados e um enredo pouco previsível. Talvez seja uma série de gaja mulher (vejo também o House of Cards, com o Spacey e, dentro do género presidente da super potência e bastidores da casa branca, é muito muito bom, mas mais neutra, menos sentimental), mas fiquei apanhada. Já gosto da Olívia e das suas boquinhas e tudo e a mulher é gira nas horas e está sempre impecavelmente vestida (adoro os casacos dela!), coisas que mulher que é mulher, até aprecia. Em poucos dias vi as duas seasons e agora aguardo ansiosamente que estreie a próxima.
 
Setembro é, felizmente, o mês das estreias e logo logo a minha box vai ficar a rebentar pelas costuras novamente! Mesmo como eu gosto!
 
 
 

26 de agosto de 2013

5


5 anos de blog. 5 anos de palavras, de textos sentidos, de disparates, de partilhas. 5 anos de mim e de vocês. 5 anos de imagens, de lágrimas e de sorrisos. Obrigada a todos os que estão desse lado e que, mesmo sem saberem, me fazem ter vontade de continuar por aqui. Não sei quantos mais anos se seguirão, mas enquanto valer a pena, estarei neste Cantinho. Até já!

23 de agosto de 2013

 
 
 
E depois de uma semana menos boa, seguem-se dois dias de puro namoro. Dois dias de nós. Porque nos braços dele sou feliz hoje e sempre. Porque nos braços dele nada me toca, nada me afecta. Porque é nele que me sinto protegida e amada.

Mudanças por aqui!

 
 
A página do facebook estava mais para lá do que para cá, já carregadinha de teias de aranha, pelo que criei uma nova, fresquinha e que está de portas abertas, pronta para vos receber: https://www.facebook.com/paudecanelaementa
 
Lá vos espero - e quem não aparecer por lá que ganhe uma verruga viscosa mesmo no canto da boca! :-)

22 de agosto de 2013

Porque eu sou uma pessoa de gatos e de cães...

O Tobias é o gatarrão cá de casa. Meigo que só ele, espera-nos à porta do quarto, quando acordamos, ou à porta da rua quando estamos a chegar a casa e em qualquer destes momentos exige o seu momento de festas e carinhos, que celebra com um ronrom digno de fazer tremer a fachada do prédio. Segue-nos para todo o lado. Deita-se no bidé enquanto tomo banho (durante anos tentei evitar, mas acabei por desistir - eles são donos de uma persistência que me ultrapassa) e senta-se à mesa connosco, atento ao que comemos e com a certeza de que vai ganhar algo. E lá se mantém mesmo quando comemos algo que não lhe interessa, porque o Tobias é um gato de pessoas. Gosta da casa cheia de gente. Gosta de experimentar os colos todos. Gosta de conquistar afectos. Gosta de nos sentir e de nos acompanhar. Faz uma coisa muito particular - o miaucejo - meio miado, meio bocejo que lhe é tão frequente e característico que nos deixa sempre de sorriso nos lábios. Puxa a minha mão com a sua própria pata, para que lhe faça festas, das quais nunca se cansa. É aquele gato de quem todos, mesmo os não apreciadores de gatos, gostam. Não é possível ficar-lhe indiferente, porque quanto maior é a indiferença de quem vem cá a casa, maior é a insistência dele em conquistar o colo e logo logo o coração. Quando o P. chega mais tarde do que o habitual fica a miar para a porta da rua, desejoso que o dono do seu coração chegue e aí começa a grande perseguição por toda a casa, sempre carente de mimo, sempre bem-disposto.
 
A Blue é a minha menina. A minha eterna companheira. Começamos por ser só as duas, antes de o P. e depois os outros dois gatos, virem viver connosco. Não passa grande cartão a pessoas de fora, mas não se afasta, nem ataca ou algo que se pareça. Apenas tem um amor imenso por mim e pouco lhe sobra para dar aos outros. Sabe quando eu não estou bem e nesses momentos agarra-se a mim que nem lapa, com um ronrom e olhos de carneiro mal morto, capaz de me encher o coração de amor. Conversa comigo a toda a hora. Sabe como miar para eu deixar tudo o que estou a fazer e alapar-me a ela cheia de mimos para dar. Gosta de brincar às escondidas comigo, mas nunca ataca. Apenas salta pela casa, feliz e liberta. Adora quando vou ler para o quarto e a levo a ela e só a ela, porque sente que lhe pertenço e que aqueles momentos são só nossos - e na verdade as marradinhas que me dá são tão fortes e frequentes, que às vezes mal consigo aguentar o livro nas mãos. E depois deita-se o mais colada a mim possível. Entende-me e eu entendo-a. Somos cúmplices.
 
A Gata é a assustadiça. Já está connosco há 7 anos, mas antes era uma menina abandonada numa jaula de veterinário que sofreu sabe-se lá quantos golpes de azar na sua então pequena vida, que ainda hoje, depois de uma vida imensa connosco, tem medo da própria sombra. Adora-nos. É carente e adora festinhas na barriga. Até há muito pouco tempo atrás não se deixava ver por pessoas de fora, era a gata fantasma. Aos poucos foi ganhando alguma confiança, aproxima-se e quando alguém lhe dá uma festinha, já não larga as pernas da pessoa. Mas continua a preferir o sossego de uma assoalhada da casa onde está os dias quase inteiros a dormir na paz dos anjos e só ao final do dia gosta de se vir deitar no meio de nós no sofá, a pedir festas, ora a um ora a outro, sempre de olhar apaixonado e feliz.
 
Os meus gatos nunca me deram qualquer prova da infidelidade que normalmente se lhes atribui. Nunca me atacaram. Nunca me trocaram, nunca me desiludiram. Por vezes portam-se menos bem - afiam as unhas no sofá ou nas cadeiras, fazem perseguições pela casa a altas horas da noite, mas isso é o pior que posso dizer deles, o que para mim, não é nada, comparado com o que eles me dão. Os meus gatos não são independentes. Quando vamos para fora e não os levamos, é certo que se aguentam bem os três (a minha mãe normalmente vem vê-los dia sim, dia não) mas quando chegamos estão tão carentes e melosos, que antes de pousarmos as coisas, já estamos agarrados a eles. Os meus gatos não nos atacam, nem mesmo a pessoas estranhas (um dia conto a história de quando o Tobias tentou conquistar os senhores do gás. Ou de como o senhor que nos vinha trazer comida indiana a casa ficou tão encantado com as recepções dele, que arranjou um gato também.) Os meus gatos entendem-nos. Sabem que não é não, mas, como persistentes que são e donos de uma personalidade afincadamente forte, gostam de insistir e de nos provocar, não por malícia, mas por brincadeira e teimosia. Eu não sou uma pessoa de gatos OU de cães. Sou uma pessoa de animais e amo-os na mesma proporção e da mesma maneira. Tenho gatos porque os amo e porque vivo num apartamento não muito grande e a nossa vida ocupada não nos permite dar a um cão a companhia e o acompanhamento (idas à rua) que o mesmo exige. Mas toda a vida tive cães - no ano passado perdi o meu menino, o Rafa, que depois de eu arranjar casa, ficou a viver com o meu pai, que tinha todas as condições para ele ser feliz e tanto amor para lhe dar quanto eu. Mas estava com ele todas as semanas e foi o melhor dos cães e ainda hoje sofro quando chego a casa do meu pai e ele não está lá para me receber e para nos cheirar o rabo, como gostava de fazer. Tive outros cães ao longo da minha vida, cuja lembrança ainda hoje me amargura o coração, de tanta saudade que sinto.
 
Não quero com este texto afirmar que os gatos são melhores do que os cães. São diferentes. Como os homens são diferentes das mulheres, ou as crianças dos adultos. Não os comparem. Fico triste sempre que leio alguém que escreve que não gosta de gatos, mas gosta de cães. Têm que lhes dar uma oportunidade - se eu tivesse desistido à primeira dentada de um cão ou arranhadela de um gato teria perdido uma vida inteira de carinho e de amizade. Entendam-nos como eles são, com as suas características e com a sua personalidade - todos diferentes uns dos outros. Não somos afinal nós humanos, também diferentes uns dos outros?

19 de agosto de 2013

16 de agosto de 2013

Serei a única a precisar de um destes cá em casa?


É. Cá em casa precisamos mesmo desesperadamente de um departamento de meias que deram sumiço. Temos um buraco negro para onde foge uma meia de cada par. Como é desse lado?

6 de agosto de 2013

Assim se vive Agosto por aqui...

Pois é, esta coisa de se criar um negócio e ser chefe de si própria deixa-nos sem tempo para coçar a cabeça. Ando cheia de projectos, ideias novas, trabalho de divulgação e organização, montar um espaço e um sem fim de contactos que nos têm sido feitos e que queremos analisar. É desgastante. Os fins-de-semana deixam de ser fins-de-semana e chegar a casa não me permite deixar os problemas ou assuntos a serem resolvidos, no trabalho. Andam comigo para todo o lado. Toda eu sou empresa e trabalho. É um projecto de 24h por dia, mas que me tem deixado completamente preenchida e feliz. Sem tempo, sem férias, mas feliz. Vou tentar voltar a este Cantinho com mais regularidade, mas lá está, todos os momentos são de investigação e produção e confesso que o cérebro anda a zeros no que a post's diz respeito. Mas como o Cantinho faz 5 anos este mês, ainda venho cá brindar com quem por cá anda.
 
A todos, um Agosto cheio de sorrisos e, se for caso disso, umas férias para lá de maravilhosas, sim?

28 de julho de 2013

Dúvidas de uma trintona

 
Já não é de agora que leio comentários em blogues desses muito lidos e em que as suas autoras se mostram nas melhores e mais fashion fatiotas, que dizem que esta ou aquela não se veste de acordo com a idade, uma vez que já passaram os trinta - na maior parte das vezes falamos de roupas básicas em corpos bem-feitos, atenção. Ora sendo eu moça que se acha razoável no que à roupa diz respeito e que caminha em velocidade cruzeiro para os 35 anos, gostava de saber o que é isto de uma mulher acima dos 30 ter regras na vestimenta - será que já não posso usar saias acima dos joelhos? Ou calções curtos? Ou são os decotes que não me são adequados? Vai-se a ver e não é possível usar biquini? Ou então são os cabelos que os uso demasiado compridos? Hum? Ou serão os vestidos de verão, curtos e frescos? Estarei condenada às burkas? Aos vestidos compridos, sem decotes? Às camisolas largueironas e sem formas? Ou seremos nós mulheres as maiores cabras críticas umas das outras?
 
Agora a sério, que pensamento tão século passado que, na maioria das vezes me parece vir de alguém carregadinha de preconceito e com uma auto-estima para lá do pólo negativo (e mulheres, sempre mulheres). Acho que cada pessoa se deve vestir de acordo com o seu gosto pessoal e não de acordo com a idade, peso ou tamanho. Eu cá, por exemplo, não uso fio dental na praia, não gosto de blusas que mostram a barriga e não uso saias do tamanho de cintos, mas porque é o meu gosto pessoal e não por causa da minha idade. Neste momento não uso roupas muito justas, mas porque fui operada há pouquíssimo tempo e ainda estou um bocadinho inchada e tenho usado fato de banho, porque a minha barriga mais parece um queijo suíço e não quero apanhar sol nas cicatrizes. São opções minhas que só a mim me dizem respeito. E se há coisas que não gosto é de ir na rua com alguém que critica a vestimenta alheia. Eu cá não podia estar menos interessada no gosto de cada um. Sejam livres, sejam felizes nas vossas escolhas, gostem de vocês e esqueçam os outros e as suas opiniões e julgamentos.  E agora vou ali vestir o meu vestido coral, curto, giro nas horas e que eu cá acho que me fica a matar com o meu novo cabelo castanho escuro, comprido que só ele!

22 de julho de 2013

Suspiro de alívio

 
 
 
E um mês e meio depois da operação, hoje foi dia de consulta do pós-operatório. Fui para lá convencida que só aceitava um "está óptima" da boca da médica. Saí de lá com um "está perfeita" que me pôs um sorriso na cara que veio para ficar e me vai dar cabo das bochechas. Mais uma batalha ganha. Endometriose 0 - Lady Bê 2. Tungas!

16 de julho de 2013

Ainda por cá ando!

Duas semanas sem vir aqui e perdem-se logo uns seguidores ali do lado? Mau! Não pode ser pequenada. É que entre a baixa, a minha empresa, as formações que tenho feito ao fim de semana (no próximo serão os dois dias inteirinho em formação), o calor que tenho apanhado e a minha casa finalmente organizada, depois de umas obras e mudanças que me moeram a moleirinha, o tempo é muito pouco para vir até aqui. Mas haja engrenagem na coisa, que espero que agora tudo acalme e possa vir aqui mais regularmente.
Uma boa semana para todos, cheia de sorrisos!

1 de julho de 2013

Ah e tal, as segundas-feiras...


Para mim, são tão boas quanto qualquer outro dia. Não me provocam pseudo neuroses. Não as repudio, até porque me sabem sempre a inícios. São o que fazemos delas. Sejam felizes neste e em todas das segundas-feiras, sim?

Uma excelente semana para todos, cheia de sorrisos.

27 de junho de 2013

N.

 
 
Por vezes há anjos que passam pela vida das pessoas por breves momentos mas cheias de amor para dar, amor esse que fica no coração de todos, preservando a sua memória eternamente. Prometo A., que sempre que fizer algo de verdadeiramente, bom me lembrarei desse anjo que vive agora num plano mais elevado e que olhará por ti por toda a tua vida. Para ti, um beijo do tamanho do mundo.

25 de junho de 2013

Acho uma piadinha doida!

 
 
Pois que acho imensa piada às pessoas que passam o Inverno inteiro a queixar-se que está frio, que chove, que está vento, que horror e isto e aquilo e que depois, estão 40º à sombra e não deixam uma pessoa que gosta do frio e da chuva, sequer sussurrar que está um bocadinho de calor a mais. Não é que eu não queira o Verão, que quero e que até gosto. Mas para mim, 40º é um tremendo de um exagero e eu tenho o direito de me queixar tanto quanto vos ouvi a queixarem-se desde Novembro, ok? Olhágora!!

24 de junho de 2013

Os meus gatos, os meus amores

 Blue na dúvida entre o mergulho ou o banho de sol...
 Territorial como é, a casinha dos pequeninos ficou para ela
 Gata estás à janela
 Sou gira, sou fofa, a minha dona adora-me, por isso posso fazer este ar de má, porque ela derrete-se à mesma
 Tobias a sentir a relva
 Tobias a passear
 Tobias, o maior, mais fofo e mais doce gato de sempre
 Tobias e Gata
Mais Tobias e mais Gata