26 de abril de 2013

25 de abril de 2013

Bom dia!


Sejam optimistas. Sejam positivos. Acreditem nos vossos sonhos. Hoje e sempre. É o primeiro passo para uma vida cheia de sorrisos.

24 de abril de 2013

Curta

E mesmo antes de ficar oficialmente desempregada, lá vou eu trabalhar. O espaço está quase quase como o queremos, faltando apenas uns detalhes aqui e ali. Hoje é o primeiro dia com horário, responsabilidades e até reuniões. Mal posso esperar.
 
Prometo voltar com mais tempo e com outros temas, que agora ando uma chata do pior e só falo do meu negócio - estou feita senhora empresária :-)

23 de abril de 2013

É hoje!

Há dois dias praticamente sem dormir (estuporzinhas das insónias - hoje dormi das meia noite até às 2h40 e quando me levantei ainda espetei com a canela na curva bicuda da cama e fiquei com um hematoma para lá de horroroso e doloroso) e sem comer - a fome foi-se-me. Há semanas a planear espaço físico, a lidar com pintores e com obras tão necessárias quanto mais demoradas do que o planeado, a escolher logótipos, a planear formações, projectos, a contactar pessoas, a fazer reuniões aqui e ali, escolher mobílias e apontamentos de decoração, a fazer continhas à vida e gastar mais do que o inicialmente previsto, a fazer divulgação e a avançar com documentos, delinear planos de formação a ser dados por mim e ainda a fazer cursos longe para burro pelo meio durante a semana.
Hoje é a inauguração para família e amigos mais chegados. Hoje começa finalmente o nosso grande projecto. Hoje é oficialmente o início de tudo. Ainda temos que limpar o espaço depois das obras e arrumar toda a mobília que foi chegando ontem, enquanto a terceira demão era dada. Temos que ir às compras e organizar tudo, de forma cheirosa e elegante. Por isso, pequenos, até daqui a um dia ou dois, porque se espera um ritmo alucinante para preparar tudo e a necessidade de descansar que nem uma senhora depois destes dias (e de dormir, preciso desesperadamente de conseguir dormir).
 
 
 
PS: A quem me enviou e-mail nos últimos dias, preciso de um dia ou dois para responder, porque apenas ando a ver os e-mails pessoais e de trabalho. Não estão esquecidos, apenas não tenho capacidade para mais agora, desculpem!

21 de abril de 2013

Recadinho

Neste blog não se aceitam quaisquer comentários que visem afectar, melindrar ou usar de forma pouco correcta qualquer outro blogger. Aceito todos os comentários que me digam respeito e ao blog (os bons, os maus e os mais ou menos) e zero que ponham em causa qualquer outra pessoa, quer eu conheça essa pessoa ou blogger, quer eu nunca tenha ouvido sequer falar dela. É minha postura não falar mal de outros e por isso dou-me ao direito de exigir o mesmo de quem está desse lado. Hoje e sempre.
Fica a nota.

20 de abril de 2013

De coração

Passei a semana toda a divulgar a campanha do Rodrigo. Três bloggers maravilhosas juntaram-se a umas tantas outras mulheres igualmente maravilhosas, para fazer de hoje um dia de esperança para este menino de sorrido doce. Ofereci-me como voluntária e troquei contactos. Quis o destino, com as suas tortuosas decisões, que o dia de hoje fosse um dia mau para mim. Um dia em que a maldita endo dá sinal de vida e me lembra que não sou tão saudável nem tão forte quanto penso que sou e porque é que vou ser operada em breve. Maldita endometriose profunda, que toma decisões por mim, que me incapacita quando eu mais quero estar bem. Estou desde ontem cheia de dores, com um cansaço extremo e sem apetite, ao ponto de me obrigar a comer, para não cair para o lado e para poder medicar-me em segurança. Por outro lado, toda a comida me cai mal, o que não facilita a tarefa. Mas estou sobretudo de coração partido por estar aqui, quando queria muito estar lá. Cancelei compromissos. Deixei tudo o que tenho que resolver do meu espaço para outros decidirem, para poder estar lá... Mas eu e o P. iremos contribuir monetariamente com tudo o que nos for possível.
A todos os que possam, que estejam nas imediações:
 
"Todos por um" é o tema do evento que terá lugar no próximo sábado, dia 20 de Abril, entre as 10h e as 18h, na Escola Superior de Saúde da Cruz Vermelha Portuguesa.
Esta iniciativa foi criada no sentido de ajudar a encontrar uma solução para o Rodrigo, que tem leucemia e que precisa urgentemente de um dador de medula compatível."
 
Apareçam, aproveitem a oportunidade para se tornarem dadores de medula e de sangue, vejam a feirinha cheia de novidades ou contribuam monetariamente. Vamos ajudar o Rodrigo. Ele merece.

19 de abril de 2013

Porque sou, na verdade, uma privilegiada...

Hoje foi dia de trabalhar com o grupo de teatro dos meus velhotes queridos, mas como faltava o nosso personagem principal, acabámos por ficar o tempo todo numa conversa quase terapêutica, em cada um partilhou algumas das suas perdas e a forma como as ultrapassou. E eu cada vez me sinto mais apaixonada por eles. Com tantas histórias para contar, de apertar o coração por sentir a solidão que eles sentem, por lhes faltarem os que mais amaram, sempre tão preocupados com as mazelas uns dos outros e preparados para acolher nos seus braços e nos seus afectos os que sendo em alguns casos menos idosos, têm a idade mental de uma criança de 6 anos e a doçura de quem retribui com carinho, o carinho que lhes é dado. Quando lá chego sou sempre recebida no meio de abraços e sorrisos sinceros que me fazem ganhar o dia. E sei e sinto, de cada vez que saio de lá, que um dia que me falte um deles, vai ser uma dor imensa no meu coração. Já fazem parte de mim e eu, faço parte deste momento da vida deles. E sou uma privilegiada por assim ser. Por cada sorriso de cada um deles, sei que tudo vale a pena.
 
 
 

18 de abril de 2013

Porque somos nós que criamos o futuro ...

Durante o período de largos meses entre o saber que ia ficar desempregada e o momento presente, salvo raras excepções, foram muitas as pessoas que me abordavam, cheias de pena indisfarçável de mim, fazendo todo o tipo de comentários desanimadores, típicos de quem acompanha a crise de perto e se deixa afundar em pensamentos dramaticamente negativos. Houve mesmo quem tivesse a coragem de me dizer que se calhar era melhor interromper o processo de fertilidade, porque não deveria ser mãe estando desempregada. Fui sempre encarando tudo com a máxima paciência e tranquilidade e nunca fiz da situação um drama, que para mim nunca existiu. Claro que me preocupa o futuro, mas vivo um dia de cada vez e sou uma pessoa cheia de uma fé optimista inabalável.
Quando vim para casa, fui convidada por uma amiga para fazer parte de um projecto que ela tinha desenhado na cabeça e que ansiava passar para a realidade, projecto esse que já tinha partilhado comigo. Na área da psicologia, do desenvolvimento pessoal, este projecto tinha o meu nome escrito em todo o lado e não pensei nem um segundo e já estava completamente embrenhada no assunto.
Comecei a contar às pessoas à minha volta e regressaram os comentários cépticos ou então os que achavam piada à coisa, mas que pensavam que ainda ia demorar a pôr tudo a andar. Outros acho que nem me levaram a sério. Quando lhes disse que abria a empresa ainda este mês, com direito a festa de inauguração e tudo, a maioria ficou de boca aberta (acho que até eu ainda estou um bocadinho). Ainda nem estou oficialmente desempregada. Estou em casa, porque deixei o trabalho todo organizado e a minha directora achou por bem deixar-nos entrar de férias (alargadas) em vez de nos enfiar em gabinetes bafiosos, a olhar para as rachas das paredes. Na terça que vem abrimos oficialmente as portas. Temos site, página no facebook, formadores, psicólogos, enfermeiras, terapeutas e afins de áreas imensas, contactados, entusiasmados com o projecto e cheios de vontade de trabalhar connosco. Tenho tido imenso trabalho: chego a ficar no computador até às 3h da manhã, sempre com uma motivação tremenda, como há muito não existia em mim, porque há muito tempo que não criava. Acordo tão cedo como quando trabalhava, cheia de ideias novas, cheia de sorrisos. E ainda tiro cursos pelo meio: um de 3 meses, outro de 3 semanas e outros cujo tempo ainda está por determinar. E sinto-me bem. Receosa, é certo, porque tive uma pequena indemnização e parte desta está já enterrada em obras, rendas, pinturas, materiais e decorações... não sei o que o futuro me reserva, mas em vez de esperar que ele me chegasse, eu corro cheia de projectos na cabeça e de braços bem abertos, atrás do que sempre quis: trabalhar por conta própria. Trabalhar nos meus projectos, à minha maneira, na minha área. Estou com uma energia desmedida e cheia de vontade de tudo e o P. tem sido pacientemente incansável em todo este processo e confia cegamente em mim, o que me dá uma segurança imensa. 
Sim, estou feliz.

17 de abril de 2013

Ainda o Rodrigo ♥

16 de abril de 2013

Novamente o Rodrigo ♥

Caros, no sábado vai haver um mega evento para ajudar o Rodrigo, cuja história já partilhei por aqui. O tempo corre e é precioso para o menino que precisa da ajuda de todos nós para enfrentar a sua doença. Façam qualquer coisa: divulguem, contribuam com uma peça ou com a vossa arte, caso a tenham, apareçam e comprem algo, cujo valor reverte inteiramente a favor do tratamento do Rodrigo. Só não fiquem indiferentes, sim?  ♥
 
Espreitem a Pólo Norte e fiquem por dentro de todos os detalhes - Há um evento a decorrer no próximo sábado, que contará com a presença de muitas de muitas bloggers - Apareçam!

15 de abril de 2013

Inspira, expira, inspira, expira Lady Bê...

Hoje tenho que ter uma conversinha quer com a Segurança Social, quer com a ADSE. E fico em ânsias só de antecipar o que para aí vem. São coisas que raramente correm bem à primeira e normalmente temos que fazer acrobracias linguísticas, falar com 23 pessoas diferentes, cada uma com espera na chamada e enviar kg de papel para vermos os problemas resolvidos - ou então ir lá, tirar uma senha às sete da matina, ser atendida lá para as 15h56 e perder um dia entre filas de pessoas amuadas com o mundo. Bah. Bela maneira de começar a semana. O que mais me irrita é que nos dois casos, é por falha deles - não o digo por dizer, mas porque é mesmo verdade.

14 de abril de 2013

Vaidades - porque de vez em quando fazem bem à alma!

É tempo de voltar às roupas frescas - Ontem estreei esta blusa, cuja cor adoro e que fica muito muito elegante (ficou muito mais gira em mim o que nas modelos escanzeladas e sem vida da Zara, se não a visse ao vivo, não dava nada por ela):


Hoje é dia de estrear esta saia que anda há uns dois meses há espera de sair à rua. As roupas grossas e quentes vão voltar aos confins do roupeiro!
 

Mango. what else?
E nas unhas uma cor bem primaveril:
 


Não adianta chamar a atenção para a unha mal pintada, ok? Faço muita coisa bem feita, mas pintar as unhas não é uma delas, até porque as tenho da pior qualidade possível! Aproveito para dizer que estou muito satisfeita com os vernizes da Kiko - duram nas minhas unhas, têm cores para todos os gostos e feitios e são baratinhos, como se quer. Claro que nestas coisas, como em tudo, acho que depende muito das unhas e de se aplicar top coat - não gosto particularmente do da Kiko, que demora três séculos a secar e não é para lá de nenhuma maravilha, mas gosto muito do da risqué, ainda mais baratinho. E já não pinto unhas sem usar top coat, senão, é certo e sabido que duram vinte minutos sem lascar.
Bom domingo! Aproveitem o sol, sorriam para a vida, sejam vaidosas e cuidem de vocês :-)



13 de abril de 2013

Hoje sim, finalmente!


Sê bem vinda primavera. Vens com algum atraso, mas perdoo-te se for de vez! É que se fica logo com outra disposição! Com vontade de roupas frescas e de cores alegres. Com desejos de correr até à praia e perdermo-nos em horas docemente solarengas.
Bom sábado para todos, cheio de sorrisos!

12 de abril de 2013

Notícia maravilhosa, que fez sorrir o meu dia

Sabemos que temos tudo muito bem resolvidinho no mais íntimo do nosso ser quando a rapariga que nos acompanhou em todo o processo de tratamento de fertilidade nos conta que está grávida de gémeos e ficamos genuinamente felizes. Saltei de emoção. Fizemos tudo exactamente nas mesmas datas. Trocámos telefones e facebook. Tomámos pequenos almoços juntas e partilhámos um quarto de hospital. Ela ficou grávida e eu não, porque a vida é mesmo assim e nestas coisas não há culpados. E desejo às duas meninas que aí vêm uma vida longa, feliz e cheia de sorrisos. Porque há histórias felizes, a da C. é uma delas. Parabéns!

Hoje não temos post



Hoje temos um apelo. Vão ao Quadripolaridades. Leiam, reflictam e ajudem. Não custa mesmo nada e por pouco que seja, será importante para quem precisa. Seja sangue, medula ou ajuda financeira. E se nos juntarmos todos, faremos a diferença. Pelo Rodrigo, pela Cátia. Pela família e pelos amigos deles. E por outros Rodrigos e outras Cátias. Sigam o grupo no facebook aqui
 
 
Bom fim de semana para todos, cheio de sorrisos - e vamos ajudar o Rodrigo a sorrir também. 

11 de abril de 2013

Força de vontade procura-se #2



A questão é que enquanto eu tiver guloseimas e porcarias em casa, não consigo resistir-lhes. Até salivo só de me lembrar delas, perdidas entre prateleiras de coisas saudáveis. Hoje, por exemplo, portei-me bem o dia todo, comi a horas certas, deixei os hidratos para a primeira metade do dia (só duas torradinhas pequeninas, com pouca manteiga), jantei um bifinho grelhado com legumes cozidos, comi frutinha e...10 minutos depois estava a atacar um ovo da páscoa como se não houvesse amanhã. Eu mereço os kilinhos a mais que tenho, oh se mereço. Assim como assim, vou ver se termino o ovo, no máximo, até amanhã, para depois me portar menos mal bem.

Vocês que tudo sabem

Naba que sou, não descubro como se põe na caixa de comentários a possibilidade de respondermos directamente a cada comentário individual. Já andei para trás e para a frente a ver todos os botõezinhos e nada...Não atinjo, não se me faz luz. Alguém me elucida?


Adenda - Graças à Palmier Encoberto, está resolvido o enigma dificílimo a que me decidi dedicar hoje. A partir de agora terão respostas directamente! Sem enganos e sem ter que chamar a alguém o "anónimo das 11h53" :-)

10 de abril de 2013

Força de vontade procura-se

Não consigo fazer nenhuma dieta. Consigo sim decidir ter algumas restrições alimentares e normalmente porto-me muito bem. A minha força de vontade perante a resistência a um pastel de nata que chama desesperadamente por mim, é altamente elogiada por quem me conhece bem e sabe que sou uma gulosana do pior. Passo confiante e segura perante comidinhas capazes de me satisfazerem a barriga e a alma. Ponho de parte as maiores guloseimas, gorduras e afins (não que seja de cometer grandes pecados a este nível, mas de vez em quando babo por um daqueles pratos bem português) . Contudo, ultimamente, a minha resistência anda pelas ruas da amargura. De cada vez que me decido é hoje que isto muda tudo logo logo alguém me apanha a nadar dentro de um balde de pipocas, a comer o meu ovo kinder da páscoa de enfiada, a atacar mini palmiers ou a comer pão alentejano como se não houvesse amanhã (tudo factos verídicos e recentes). Sou daquelas que acha que estas coisas só funcionam quando queremos mesmo mesmo mesmo, do fundinho da alma. Por isso procuro a minha força de vontade, sempre tão corajosa e indutora de bons comportamentos, sob pena de chegar a pesos nunca antes vistos (eu juro que sinto o meu rabo crescer dia após dia...). Se alguém tiver alguma dica maravilhosa, é favor debitar por aqui! Ficarei eternamente agradecida.
 
 
Nota: nada de vir dizer para aqui dizer faz exercício, bebe muita água e come vegetais e frutas e mimimi. Não venham pregar a missa ao padre que eu faço essas coisas todas, faço é outras tantas também, prque não estou com vontade de deixar de as fazer, embora saiba que devo! É isso...

9 de abril de 2013

Para passar despercebido...ou não!

 
 
 
O que é que uma certa figura pública faz para passar despercebida (ou não) dos olhares mais curiosos num certo centro comercial? Passeia-se de óculos escuros, daqueles bem grandões. Ora, o que é que acontece com uma pessoa que se passeia de óculos escuros, dos bem grandões (e uma montanha de sacos e mais sacos), num centro comercial? Pois...não há quem não desse por ela. Ou lhe saiu o tiro completamente ao lado, ou foi exactamente como queria que fosse. Nestas coisas nunca sei muito bem o que lhes vai na cabeça.

8 de abril de 2013

...

Às vezes nem todo o optimismo do mundo nos ajuda. Mas eu não quebro. Mesmo sabendo que isto também significa o adiar de um sonho e impede novo tratamento de fertilidade nos próximos meses. Em junho lá estarei, para a próxima operação. Em julho estarei como nova e pronta para o mundo lá fora. Agora seguem-se exames e análises sem fim. O que vale é que tenho a minha querida amiga R. sempre ao meu lado, em todos os momentos. Obrigada querida - tens sido a melhor das companhias.
 
 

7 de abril de 2013

Ainda a endometriose

Amanhã é dia de me munir de todos os exames feitos nos últimos meses e fazer uma visitinha às médicas que tão bem me acompanham. Provavelmente saberei qual o passo seguinte. Da última vez a operação pareceu incontornável, mas por alguma razão inexplicável, há ainda uma esperançazinha bem viva em mim, de que não seja necessário, pelo menos para já. É o meu eterno optimismo que me faz acreditar, a par de, apesar de todos os sintomas, me sentir bem melhor do que há dois anos atrás, antes de ser operada. Tenho dias maus, que tenho, de mal conseguir andar com as dores acutilantes (pareço uma velhotinha encolhida) e o consequente cansaço físico, mas os bons são em muito maior número e rapidamente me esqueço dos tormentos.
Agora vou aproveitar o meu domingo: organizar a casa, visitar os meus velhotes queridos (uma vez que não pude ir na semana passada) e ter uma bela jantarada em família. Amanhã é outro dia! Bom domingo para todos!

6 de abril de 2013

4 de abril de 2013

Norte, aqui vamos nós!


Mãe e filha, um carro grande e confortável, roupas quentinhas, boa música e muitos km pela frente, mesmo como eu gosto (sim, eu adoroooo conduzir). Espero que S. Pedro nos dê umas tréguazinhas hoje, vá e amanhã também.
 
Até um dia destes!



*Post agendado - a esta hora já devemos estar em plena A1, lá para a zona de Leiria.

2 de abril de 2013

Dicas precisam-se!



Pois que vou levar a mãe Dê querida a passear. Uma das suas falhas é Guimarães, por isso vamos fazer uma viagem de dois dias para esses lados. Já temos hotel (vamos ficar em Braga, no Parque do Bom Jesus - no ano passado fiquei absolutamente maravilhada com esta zona), mas precisamos de dicas para restaurantes, bons e baratinhos, como se quer e, claro, dicas de zonas que não podemos mesmo mesmo perder. Vocês não me falharam no passado, sei que não me vão falhar agora!

1 de abril de 2013

Há 11 anos na minha vida


A minha Gata Blue, Boo, Peekaboo, Biboo, fez no sábado 11 anos. São 11 anos de uma gata fiel, meiga, doce, brincalhona e esperta como tudo. Uma gata que ainda ganha manhas a cada dia e que as mantém para sempre. Uma gata que todos os dias espera que o P. se vá despedir de mim com um beijo, para lhe pedir entrada nesse lugar especial, que é o nosso quarto. Que todos os dias me acorda com marradinhas, ronrons e miados especiais. Que todas as noites procura o aconchego do meu colo e que conversa comigo melosa e ternamente. Essa gata que eu salvei um dia e que desde então se tornou muito mais do que um bicho de estimação* - É uma verdadeira companheira. Essa gata que não passa grande cartão a mais ninguém, porque parece só ter olhos para mim. Com os outros é educada, mas distante. Comigo tem daquelas relações que não se explicam, mas que se sentem muito intensamente.
Não gosto que faça anos, confesso. Assusta-me contar os anos na linha temporal felina e perceber que dificilmente terei outro tanto daqui para a frente.  Mas mimo-a todos os dias e em todos os momentos, mesmo quando faz os maiores disparates que me arrancam sorrisos orgulhosos da sua vitalidade, da sua boa-disposição. Têm sido 11 anos de uma amizade espectacular - que só quem tem animais entende.
 
 
*Não existe para mim o conceito animal de estimação, nem eu me considero dona dos meus gatos. Somos uns dos outros.