18 de abril de 2014

GGM ❤

Não poderia não escrever sobre a morte daquela que é a minha grande paixão literária de todos os tempos. Ao longo da minha vida tive sempre uma dificuldade tremenda em identificar o meu actor favorito, a minha banda favorita, o meu filme favorito...mas sempre sou muito bem quem era (e é) o meu escritor favorito. O primeiro livro que li dele foi o "Cem anos de solidão", há cerca de 15 anos atrás e logo ali fiquei conquistada por aquela escrita meio louca, alucinada, frenética, criativa, crua, tão dele e só dele. Nunca mais parei de o ler. Ainda há pouco tempo reli o "Amor nos tempos de cólera" com receio de não sentir o que senti quando o li da primeira vez. Mas o Gabriel García Márquez tem essa capacidade imensa de me fazer sentir num outro mundo, numa outra dimensão e foi um prazer imenso reler uma das suas muitas obras primas. Quando o terminei, pela segunda vez, ficou a certeza de que todos os seus livros que tenho por aqui serão novamente abertos e eu caminharei novamente pelas suas palavras mágicas. Foi sobre ele que um dia disse que adorava conseguir esquecer um livro, para sentir novamente a emoção que é lê-lo pela primeira vez. Só um grande grande escritor pode induzir sentimentos assim.
Sei que estava muito em baixo, diziam até que estava senil e sei que há anos não escrevia. Mas a sua morte deixa-me com uma sensação de vazio imenso, um vazio literário que jamais será preenchido. Porque GGM há só um.
Obrigada Gabriel

4 comentários:

  1. Também é um autor do qual gosto muito, a sua escrita é apaixonante. Resta-nos a obra e devorá-la devagarinho. Por acaso, sempre que penso em GGM associo a ti ;)

    ResponderEliminar
  2. Quando alguém nos marca, mesmo que não o conhecêssemos fisicamente, leva com ele parte de nós. :')

    ResponderEliminar
  3. Um génio que se perdeu, mas cuja obra será eterna. Beijoca.

    ResponderEliminar
  4. Excelente escritor. Só não deixa saudade pq fica connosco a sua obra. Não somos eternos e a hora dele chegou. Q fique em paz.

    ResponderEliminar

Aceitam-se elogios, críticas, gargalhadas, lágrimas, sorrisos e afins